O JornalDentistry em 2018-1-02

ARTIGOS

Investigação da Penn Dental Team sobre novo material dentário com composto antimicrobiano

Pesquisadores da Universidade da Pensilvânia avaliaram um novo material dentário ligado a um composto antimicrobiano que além de matar bactérias, pode também impedir o crescimento do biofilme, com toxicidade mínima para o tecido circundante.

Biofilmes compostos por Streptococcus mutans - uma causa comum de cárie dentária - foram muito mais fáceis de remover quando cultivados num material dentário recém-desenvolvido (imagem), que contém um agente antimicrobiano inserido, em comparação com um material de controle. Crédito: Universidade da Pensilvânia

De acordo com Geelsu Hwang, professor-assistente de pesquisa na Penn's School of Dental Medicine, os biomateriais dentais como estes precisam atingir dois objetivos: primeiro devem matar efetivamente os micróbios patogénicos e, em segundo lugar, precisam suportar um stress mecânico severo, que acontece quando mordemos e mastigamos. Muitos produtos precisam de grandes quantidades de agentes antimicrobianos para maximizar a eficácia de matar, o que pode enfraquecer as propriedades mecânicas e ser tóxico para os tecidos, mas este novo material possui excelentes propriedades mecânicas e com atividade antibiofilme duradouro sem citotoxicidade. 

Hwang colaborou no estudo, que foi publicado na revista ACS Applied Materials and Interfaces, com o professor da Penn Dental Medicine Hyun (Michel) Koo e Bernard Koltisko e Xiaoming Jin de Dentsply Sirona.

O material recém-desenvolvido é composto por uma resina que foi embebida com o agente antibacteriano imidazolium. Ao contrário de alguns biomateriais tradicionais, que liberam lentamente uma droga, este material não é lixiviável,  apenas mata os micróbios que o tocam, reduzindo a probabilidade de resistência antimicrobiana. 

Os resultados dos testes mostraram que este novo material é efetivo na destruição de células bacterianas por contacto, prejudicando enormemente a capacidade dos biofilmes de crescer na sua superfície. Apenas quantidades negligenciáveis de matriz de biofilme, a cola que mantém grupos de bactérias em conjunto, conseguiram acumular-se no material experimental, em contraste com um material composto de controle , que mostrou uma acumulação constante de matriz adesiva de biofilme ao longo do tempo. 

A equipe também avaliou a força de cisalhamento necessária para remover o biofilme do material experimental. Enquanto uma pequena  força removeu quase todo o biofilme do material experimental,  uma força quatro vezes mais maior foi incapaz de remover o biofilme do material composto de controle.  O estudo foi financiado pela Dentsply Sirona. 

 

Fonte: University of Pennsylvania/Penn News

Estudo: ”Nonleachable Imidazolium-Incorporated Composite for Disruption of Bacterial Clustering, Exopolysaccharide-Matrix Assembly, and Enhanced Biofilm Removal”

Artigo original: "New Dental Material Resists Plaque and Kills Microbes, Penn Dental Team Finds"

 

 

 

 

Recomendado pelos leitores

Hipersalivação: Causas e tratamento
ARTIGOS

Hipersalivação: Causas e tratamento

LER MAIS

A má saúde oral pode provocar um maior risco de fragilidade nos idosos
ARTIGOS

A má saúde oral pode provocar um maior risco de fragilidade nos idosos

LER MAIS

Os anestésicos gerais fazem mais do que induzir o sono
ARTIGOS

Os anestésicos gerais fazem mais do que induzir o sono

LER MAIS

Translate:

OJD 47 JANEIRO 2018

OJD 47 JANEIRO 2018

VER EDIÇÕES ANTERIORES