O JornalDentistry em 2018-7-24

OUTROS

Sociedade Civil

“O facto de as pessoas não terem acesso a cuidados de saúde oral compromete em muito a sua vida”

A Associação Conversa Amiga (ACA) acredita que conversar é a melhor forma de aferir as necessidades das populações carenciadas. Através do contacto com estas pessoas, a ACA tem desenvolvido diversos projetos com o intuito de lhes dar uma nova vida.

Duarte Paiva, presidente da direção da ACA

A associação também tem projetos ligados aos cuidados de saúde oral, os quais Duarte Paiva, presidente da direção, nos revela. 

O JornalDentistry – Como nasceu a ACA e qual a sua missão? 

Duarte Paiva – A ACA nas- ceu da iniciativa de um estu- dante universitário em maio de 2007 e tem como missão “dar vida a projetos inovado- res que surjam da conversa”. Esta surge do primeiro instru- mento de ajuda da ACA, que é a “conversa” de onde resultam as nossas ideias e os pro- jetos socialmente inovadores e empreendedores. Conversa com quem? Pessoas em situação de solidão e exclusão. 

O JornalDentistry –Qual a área de atuação da associação? 

Duarte Paiva – Atuamos com projetos com públicos específicos, como pessoas idosas, pessoas socialmente isoladas e/ou excluí- das, pessoas em situação de sem-abrigo, sendo que também já tivemos projetos com crianças/adolescen- tes excluídos/as. Neste momento estamos presentes em Lisboa, Funchal e a preparar um dos nossos projetos para França. 

O JornalDentistry – Que projetos tem a ACA desenvolvido? 

Duarte Paiva – Ao longo do tempo temos desenvolvido diversos proje- tos, sendo os mais conhecidos o projeto “Um Sem-Abrigo Um Amigo”, “Cacifos Solidários” e “Quiosque da Saúde”. Entre outros projetos que já desenvolvemos encontra-se o “Conversas de Saúde” e os projetos com crianças/adoles- centes, “Tempos Livres em Segurança” e “Rumos”. 

O JornalDentistry – Além dos cuidados de saúde primários, e da alimentação, os cuidados de saúde oral são uma área que a associação endereça? 

Duarte Paiva – Temos consciência de que existe uma grande necessidade de cuidados de saúde oral, tal como de cuidados de saúde primá- rios, sendo que trabalhamos com populações mais vulneráveis e que na maioria das vezes não têm possibilidade de aceder aos cuidados de que necessitam, ou têm carências associadas, nomeadamente económicas. Neste sentido, e para promover a aproximação destes públicos a cuidados dentários, assinámos um protocolo com a Mundo a Sorrir, com o programa C.A.S.O., pelo qual utentes acompanhados pela ACA terão a possibili- dade de ter acesso a cuidados de saúde oral, além de acompa- nhamento psicossocial por parte de equipa técnica, com vista à reabilitação e inclusão destas pessoas na sociedade. Em muitos casos, o facto de as pessoas não terem acesso a cuidados de saúde oral compromete em muito a sua vida, como a procura de emprego, além de questões relacionadas com autoestima e imagem corporal. Sabemos também que a dentição influencia muito as interações sociais e desta forma podemos ajudar as pessoas mais carenciadas que acompanhamos. 

O JornalDentistry –Que projetos têm realizado no âmbito da melhoria dos cuidados de saúde oral? 

Duarte Paiva – Temos o projeto Quiosque da Saúde (QDS) que, embora não estando diretamente relacionado com a saúde oral, presta aconselhamento e educação para a saúde por uma equipa de medicina e enfermagem. Temos também a capa- cidade de realizar articulações e encaminhamentos diretos de saúde e também a parceria já referida com a Mundo a Sorrir (Programa C.A.S.O.) 

 

Informações:   Associação Conversa Amiga (ACA)

Recomendado pelos leitores

SPEMD, a mais antiga Sociedade Médica portuguesa
OUTROS

SPEMD, a mais antiga Sociedade Médica portuguesa

LER MAIS

Translate:

OJD 53 JULHO de 2018

OJD 53 JULHO de 2018

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.