JornalDentistry em 2024-1-17

ARTIGOS

A biópsia com escova permite a deteção precoce de cancro oral sem cirurgia

Um novo teste inventado por pesquisadores da Universidade de Illinois em Chicago permite que dentistas rastreiem a forma mais comum de câncer oral com uma ferramenta simples e familiar: a escova.

O kit de diagnóstico, criado e patenteado por Guy Adami e Dr. Joel Schwartz da Faculdade de Medicina Dentária da UIC, usa uma pequena escova para coletar células de lesões potencialmente cancerosas dentro da boca.
A amostra é então analisada para detetar  sinais genéticos do carcinoma espinocelular oral, o nono cancro mais prevalente globalmente. O kit de deteção de cancro desenvolvido pelos médicos dentistas da UIC requer menos de um minuto de escovação suave para coletar uma amostra.
Este novo método de rastreio, que está atualmente à procura de parcerias de comercialização, melhora o padrão de diagnóstico atual de biópsias cirúrgicas – uma etapa extra de encaminhamento que corre o risco de perder pacientes que às vezes não retornam até que o cancro progrida para estágios mais avançados e difíceis de tratar.
"Muitos pacientes  perdem-se; eles não acompanham", disse Adami, professor associado de medicina oral e ciências diagnósticas. "Tentamos manter o nosso foco principalmente nos cancros em estágio inicial 1 e 2, para que  realmente funcione com os cancros que  deseja detetar."
O sistema de deteção funciona procurando pequenos segmentos de material genético chamados microRNA que regulam a expressão dos genes. Uma pesquisa conduzida por Adami e Schwartz encontrou uma assinatura de expressão de 40 sequências de microRNA que podem distinguir entre um tumor e um tecido normal com mais de 90% de precisão.
É importante ressaltar que o teste também funcionou usando células epiteliais, a camada mais externa de células na boca de um paciente. Essas células podem ser facilmente coletadas em menos de um minuto de escovação suave - sem necessidade de entorpecimento - por um médico dentista, que então coloca a escova em um tubo de solução e a envia para um laboratório para análise de microRNA. Os resultados podem ser devolvidos à clínica em dias com a versão atual do teste de diagnóstico.
"Fomos os primeiros a observar que as amostras de biópsia de escova realmente funcionam muito bem quando  se usa microRNA", disse Adami. "Tudo o que precisa é de uma boa luz e dos pincéis."
Além da conveniência do método de coleta, a biópsia com escova também oferece várias outras vantagens, disseram os autores. As biópsias cirúrgicas geralmente coletam uma mistura de tipos de células, tornando a análise subsequente mais complicada, e correm o risco de espalhar células cancerosas para outras áreas da boca. E, ao contrário dos exames de sangue que geralmente pesquisam sinais genéticos de cancro, o método com escova coleta apenas células de um único local onde o tratamento pode ser focado se uma malignidade for detetada.
"Se comparar o que fazemos, que é o alvo específico do local do tecido, com os outros testes lá fora, eles não têm um direcionamento de onde os tumores realmente estão", disse Schwartz, professor de medicina oral e ciências diagnósticas. "Isso torna mais difícil iniciar o tratamento rapidamente após a deteção."
Os inventores esperam que o novo teste torne o rastreio mais fácil de realizar, particularmente em populações de pacientes que não recebem cuidados dentários regulares ou têm uma maior incidência de carcinoma espinocelular oral. Por exemplo, os homens negros têm uma taxa de sobrevivência dramaticamente menor com a doença em comparação com os homens brancos, hispânicos e asiáticos. O uso da invenção em ambientes não clínicos permitiria a deteção precoce do cancro em populações de alto risco.
A tecnologia também pode eventualmente ser útil no diagnóstico de outras doenças orais através de suas próprias assinaturas únicas de microRNA, disseram os autores. Para comercializar o teste, Adami e Schwartz formaram uma empresa chamada Arphion Diagnostics, que trabalhou com o Gabinete de Gestão de Tecnologia da UIC. Mas continuam a procurar parceiros de negócio para ajudar a levar o teste a clínicas dentárias.
"Existem 600 doenças diferentes que ocorrem na boca, e várias delas já foram caracterizadas com microRNAs", disse Schwartz. "Poderíamos usar a mesma abordagem e realmente ter um impacto profundo nesses tipos de doenças."
Além de Adami e Schwartz, a pesquisa e o desenho do teste diagnóstico foram conduzidos pela cirurgiã bucomaxilofacial Dra. Antonia Kolokythas, um membro-chave do projeto que ajudou a otimizar a metodologia e identificou e coletou amostras de escova do primeiro grupo de pacientes. O trabalho foi apoiado por bolsas da Fundação Nacional de Ciência e do Instituto Nacional do Csncro. Adami e Schwartz também são membros do University of Illinois Cancer Center.
 
 
Fonte: Oal Cancer Foundation / today.uic.edu

Recomendado pelos leitores

Novo tratamento da mucosite oral: Terapia antibacteriana ativada pela luz
ARTIGOS

Novo tratamento da mucosite oral: Terapia antibacteriana ativada pela luz

LER MAIS

Novo método de obtenção de dados para imagens de tomografia computadorizada de feixe cónico de alta resolução
ARTIGOS

Novo método de obtenção de dados para imagens de tomografia computadorizada de feixe cónico de alta resolução

LER MAIS

ADA — Nova diretriz detalha estratégias de controle da dor dentária para pacientes pediátricos
ARTIGOS

ADA — Nova diretriz detalha estratégias de controle da dor dentária para pacientes pediátricos

LER MAIS

Translate:

OJD 114 FEVEREIRO 2024

OJD 114  FEVEREIRO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.