JornalDentistry em 2024-1-13

ARTIGOS

Apneia obstrutiva do sono

A apneia obstrutiva do sono pode estar ligada ligada a ossos e dentes mais fracos em adultos devido à baixa densidade mineral óssea em adultos, de acordo com uma pesquisa liderada pela Universidade de Buffalo.

As descobertas são cruciais para indivíduos com apneia do sono, já que a baixa densidade mineral óssea é um indicador de osteoporose – uma condição na qual os ossos se tornam fracos e quebradiços. Além de aumentar o risco de fraturas, a baixa densidade mineral óssea também afeta a saúde oral, fazendo com que os dentes fiquem soltos e os implantes dentários falhem, diz o autor sénior Thikriat Al-Jewair, DDS, professor associado de ortodontia na Faculdade de Medicina Dentária da UB e diretor do Programa de Educação Avançada em Ortodontia da escola.
O estudo foi publicado em novembro no CRANIO: The Journal of Craniomandibular and Sleep Practice. Os pesquisadores usaram tomografia computadorizada de feixe cônico (CBCT) - um tipo de raio-X - para medir a densidade óssea na cabeça e pescoço de 38 participantes adultos, metade dos quais tinha apneia obstrutiva do sono.
Ao controlar a idade, sexo e peso, os participantes com apneia obstrutiva do sono tiveram densidade mineral óssea significativamente menor do que os participantes sem a condição.
A apneia obstrutiva do sono, que se caracteriza pela dificuldade em respirar durante o sono, pode causar hipóxia (baixos níveis de oxigénio no organismo), inflamação, stress oxidativo e padrões respiratórios encurtados. Cada um destes sintomas pode ter um efeito negativo crónico no metabolismo ósseo e, em última análise, na densidade óssea, diz Al-Jewair.
"Embora a ligação entre a apneia obstrutiva do sono e a baixa densidade mineral óssea ainda não tenha sido totalmente explorada, este estudo oferece novas evidências sobre sua conexão que podem ter várias implicações para o tratamento ortodôntico", diz Al-Jewair, também reitor assistente para equidade, diversidade e inclusão na Faculdade de Medicina Dentária da UB.
"Se um paciente foi diagnosticado com apneia do sono, isso pode influenciar o planeamento e a aplicação do tratamento. A imagem CBCT tornou-se parte integrante da prática ortodôntica diária e pode ser usada como uma ferramenta de triagem para baixa densidade mineral óssea", disse ela. "Os ortodontistas poderiam então informar seus pacientes sobre sua propensão para a baixa densidade mineral óssea e incentivá-los a procurar mais consultas com seu médico, bem como alertar o paciente sobre possíveis resultados adversos, riscos aumentados e efeitos no tempo de tratamento."
Pesquisas futuras com amostras maiores são necessárias, diz Al-Jewair.

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca
ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

LER MAIS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral
ARTIGOS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.