JornalDentistry em 2024-1-13

ARTIGOS

Beber álcool pode causa cancro? Sobre os riscos.

Com base num crescente corpo de pesquisas, estima-se que o álcool seja responsável por 6% dos casos de cancro nos EUA – mais de 75.000 por ano – e de acordo com a American Cancer Society cerca de 19.00 mortes por câncer causadas pelo álcool.

O álcool é o terceiro maior fator de risco controlável para a doença, depois do tabaco e do excesso de peso.
Mas a maioria dos americanos não tem conhecimento desta ligação, graças a pesquisas aparentemente contraditórias e a mensagens contraditórias de especialistas em saúde pública. Um estudo publicado em 2023 encontrou crenças equivocadas generalizadas de que o risco varia de acordo com o tipo de bebida, sendo o menor risco de cancro atribuído ao vinho. Outro estudo publicado em 2021 mostrou que quase 70% das pessoas nem sabiam que o álcool era um fator de risco de cancro
É perturbador que a maioria das pessoas não esteja ciente dessa conexão”, diz Jennifer Hay, PhD, psicóloga do Memorial Sloan Kettering Cancer Center (MSK), que estuda como as pessoas percebem vários riscos de cancro “É surpreendente, dado que muitos membros da população em geral estão genuinamente preocupados com os riscos de cancro. Claramente temos muito trabalho a fazer para aumentar a conscientização e mudar a percepção.”
Mais cancros poderiam ser evitados, diz ela, se as pessoas compreendessem plenamente os riscos do álcool. A compreensão destes riscos levaria a decisões mais informadas sobre o consumo de álcool entre indivíduos e famílias, incluindo sobreviventes de cancro e aqueles com histórico familiar de cancro.
 

Como é que o álcool aumenta o risco de câncer?

De acordo com a bióloga do MSK, Irene Orlow, DSc, MS, os mecanismos que aumentam os riscos de cancro causados pelo álcool não são totalmente compreendidos. Mas, com base em dados laboratoriais, vários factores podem desempenhar um papel, incluindo:
—Danos no ADN: O corpo decompõe o álcool encontrado nas bebidas num composto químico chamado acetaldeído. O acetaldeído pode tornar o DNA menos estável e desencadear mutações (ou alterações) no DNA, algumas das quais estão associadas ao câncer.
—Stresse oxidativo: O processo de decomposição do álcool cria outras moléculas prejudiciais chamadas radicais livres. Os radicais livres causam stresse oxidativo ao danificar DNA, proteínas, lipídios e células.
—Alterações hormonais: O metabolismo do álcool também pode afetar os níveis hormonais. “Uma pequena mudança no equilíbrio hormonal pode ter um grande efeito nas células e na forma como elas se comunicam com outras células”, diz o Dr. “Isso pode ser especialmente importante quando se trata do cancro de mama.”
 

Quais tipos de cancro correm maior risco com o consumo de álcool?

Orlow diz que as evidências epidemiológicas mais fortes – até agora – sugerem que órgãos ou locais específicos têm o risco mais aumentado de desenvolver cancro devido ao consumo de álcool, incluindo:
— Câncer oral: cancro na cavidade oral (boca)
—Cancro de laringe: cancrod na laringe (caixa vocal)
—Cancrode esófago: cancro no esôfago (o tubo que conecta a garganta ao estômago)
—Cancro de fígado: cancrode fígado ou carcinoma hepatocelular
— Cancro de cólon e cancro retal
—Cancro de mama em mulheres

É provável que existam cancros adicionais associados ao consumo de álcool, diz o Dr. Orlow, mas são necessários estudos mais bem concebidos (epidemiológicos e outros) para provar que o álcool é um factor de risco contribuinte.
“Cada tipo de cancro é muito complexo – e vários fatores podem aumentar o risco”,  “Por exemplo, para o melanoma, é difícil separar o efeito potencial do álcool da exposição solar e se existe uma interação entre as duas exposições”.

Por que as pessoas não estão conscientes do risco de cancrocausado pela bebida?

Existem muitos conceitos errados sobre a ligação entre cancro e álcool. Hay esclarece algumas das crenças mais difundidas:
—Equívoco: O vinho é inofensivo, ou mesmo benéfico, para a saúde. Esta crença parece surgir da confusão sobre os supostos benefícios do álcool em relação às doenças cardíacas. “Houve muita publicidade nas décadas de 1970 e 1980 de estudos que pareciam associar o vinho, especialmente o vinho tinto, à redução do risco de doenças cardíacas”, diz o Dr. Hay. “As evidências não se sustentaram e certamente não se traduzem em cancro. O suposto benefício para as doenças cardíacas infelizmente levou ao que pode ser chamado de ‘halo de saúde’, para o vinho em particular e para o álcool em geral”.
—Equívoco: O aumento do risco de cancro está associado apenas a certos tipos de álcool. Muitas pessoas pensam que bebidas destiladas de maior teor podem ser prejudiciais à saúde, mas que a cerveja e o vinho são benignos. “Álcool é álcool”, diz o Dr. Hay. “O risco aumentado é baseado em quanto você  e não no tipo que bebe.”
—Equívoco: O consumo leve a moderado não acarreta riscos aumentados. Outra crença comum é que beber leve ou moderado é tão saudável quanto – ou talvez até mais saudável do que – não beber nada. “Pesquisas recentes mostraram que mesmo pequenas quantidades – um a dois drinques por dia – podem aumentar o risco de alguns tipos de cancr, como o cancro da mama”, diz o Dr. Hay “Isso é difícil para muitas pessoas aceitarem por causa das normas sociais arraigadas sobre o consumo de álcool e porque a maioria das pessoas bebe pelo menos um pouco regularmente. Dois terços dos americanos consumiram álcool nos últimos 30 dias.”

Como o público pode ser conscientizado sobre o risco de cancro causado pelo álcool?

O Dr. Hay diz que os médicos e as autoridades de saúde pública precisam fazer mais para educar as pessoas sobre os riscos do álcool. Isso pode incluir:
—Aumentar a ênfase na ligação do álcool ao cancro durante as consultas médicas.
—Ter rótulos mais explícitos nas garrafas e latas sobre os perigos (como acontece com os cigarros).
—Aumentar as mensagens em outdoors e anúncios de serviço público.
—Restringir a publicidade de bebidas alcoólicas aos jovens.
—Aumento dos impostos e preços do álcool.
—Eliminar o “pinkwashing”, onde as empresas de bebidas alcoólicas usam a cor rosa ou fitas cor-de-rosa para parecerem estar empenhadas em encontrar uma cura para o cancro da mama.

Hay e sua equipe acabam de receber uma doação da Prevent Cancer Foundation, que começa em janeiro de 2024, para descobrir quais estratégias funcionarão melhor.
“Mudar o comportamento pode ser difícil, especialmente para algo como beber, que tem associações positivas com diversão, reuniões sociais e relaxamento”, comentou . “Mas se conseguirmos mudar a narrativa sobre o álcool, acho que o público responderá. A maioria das pessoas tem experiência em primeira mão com cancro num membro da família ou amigo próximo, por isso têm um forte incentivo para evitar a doença.”
No início de 2023, o Dr. Hay e colegas publicaram um comentário na revista Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention: “Moving Beyond the ‘Health Halo’ of Alcohol”. Nele perguntam: “Como campo de prevenção e controle do cancro, temos dado uma ‘passagem’ ao álcool?” Mas também fornecem um exemplo importante como motivo de otimismo: a mudança de atitudes em relação ao tabagismo.
“O consumo de tabaco atingiu realmente o pico por volta de 1964, e depois começou a diminuir depois de o relatório do cirurgião-geral sobre o tabagismo e o tabaco ter sido publicado e ter levado a um aumento dramático na sensibilização do público para os malefícios do cancro provocados pelo consumo de tabaco”, diz ela. “Demorou um pouco, mas você viu o efeito das campanhas na mídia de massa, dos médicos priorizando isso nas interações com os pacientes e das mudanças nas políticas, como rótulos de advertência. Tudo começa com a conscientização do público em geral sobre o risco de cancro. Não estamos dizendo às pessoas para não beberem; estamos apenas promovendo uma escolha informada com base nas informações mais precisas e atualizadas sobre o risco de álcool e cancro”.

 

 

Fonte: Oral  Cancer Foundation

Autor: Jim Stallard, Memorial Sloan Kettering Cancer Center

Foto: Unsplash

Recomendado pelos leitores

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional
ARTIGOS

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional

LER MAIS

As bactérias orais são importantes para a  saúde – quatro doenças ligadas ao  microbioma oral
ARTIGOS

As bactérias orais são importantes para a saúde – quatro doenças ligadas ao microbioma oral

LER MAIS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral
ARTIGOS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral

LER MAIS

Translate:

OJD 117 MAIO 2024

OJD 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.