JornalDentistry em 2024-3-09

ARTIGOS

Equipa de investigação liderada pela Case Western Reserve University descobre novo método para testar o cancro oral

Os cancros orais e as lesões pré-cancerosas da boca são considerados especialmente difíceis de diagnosticar precocemente e com precisão.

Por um lado, as biópsias são caras, invasivas, estressantes para o paciente e podem levar a complicações. Também não são viáveis se forem necessários rastreios repetidos da mesma lesão.
Mas uma equipe de pesquisadores, liderada por um cientista clínico da Case Western Reserve University School of Dental Medicine, descobriu um teste não invasivo e de baixo custo para detetar cancro oral, monitorar lesões pré-cancerosas e determinar quando uma biópsia é necessária.
As suas descobertas, publicadas online no dia  4 de março na revista Cell Reports Medicine, baseiam-se num sistema de pontuação ligado aos níveis de duas proteínas em células escovadas de lesões orais suspeitas de pacientes em clínicas dentárias ou no departamento de ouvido, nariz e garganta de hospitais universitários (HU).
Uma das proteínas (beta defensina humana 3 ou hBD-3) é expressa em níveis elevados no cancro oral em fase inicial, enquanto a segunda (hBD-2) é baixa ou inalterada.
A proporção de hBD-3 para hBD-2 no local da lesão – sobre a proporção das duas proteínas no local oposto, normal – gera uma pontuação, chamada índice beta defensina (BDI).
Uma pontuação acima de um limiar pré-determinado implica cancro; qualquer valor abaixo não. A determinação dos níveis das proteínas e a quantificação do BDI são feitas rotineiramente em laboratório.
O BDI foi validado de forma independente usando protocolos idênticos no CWRU/UH, University of Cincinnati Medical Center e West Virginia University School of Dentistry. Aaron Weinberg
"Quando descobrimos o hBD-3, vimos que ele agia como um 'agente bom', envolvido na cicatrização de feridas e morte de micróbios", disse Aaron Weinberg, presidente do Departamento de Ciências Biológicas da Case Western Reserve School of Dental Medicine e principal pesquisador do estudo. "Quando descobrimos que era regulado da mesma forma que certas células crescem descontroladamente, começamos a estudar o hBD-3 no contexto do cancro oral.
"Descobrimos que não estava apenas a promover o crescimento do tumor, mas estava superexpresso nos estágios iniciais da doença, enquanto outro membro, o hBD-2, não estava a mudar. Essa diferença nos níveis de expressão das duas proteínas em comparação com o lado oposto no mesmo paciente  levou-nos a examinar a capacidade do BDI de distinguir cancro de lesões benignas."
Weinberg credita o instrutor da Escola de Medicina Dentária Santosh Ghosh por navegar no processo de pontuação BDI.
O cancro de cabeça e pescoço (CHN), do qual o cancro oral representa  cerca de 90%, é a sétima neoplasia maligna mais prevalente no mundo, e os países em desenvolvimento estão a  testemunhar um aumento da sua incidência. A HNC representa cerca de 5% de todos os  cancros em todo o mundo e 3% de todas as neoplasias malignas nos Estados Unidos, de acordo com os Institutos Nacionais de Saúde. Existem cerca de 640.000 casos de CNH por ano, resultando em cerca de 350.000 mortes em todo o mundo, principalmente em populações socio-economicamente desfavorecidas e comunidades carentes.
A abordagem baseada em laboratório do estudo, que agora é patenteada, pode reduzir as biópsias em clínicas de cuidados primários em 95% porque pode dizer aos clínicos quem realmente precisa de uma biópsia, disse Weinberg, também secundariamente nomeado nos Departamentos de Patologia e Otorrinolaringologia da Case Western Reserve School of Medicine. O teste também pode ser usado em países em desenvolvimento, onde o cancro oral é desenfreado e os serviços de patologia são questionáveis ou inexistentes, disse ele.
Os dados positivos da abordagem baseada em laboratório inspiraram o desenvolvimento de um dispositivo de ponto de atendimento (POC) em colaboração com Umut Gurkan, o Professor de Engenharia Wilbert J. Austin na Case School of Engineering. A abordagem diagnóstica POC mede a proporção de proteínas e pode ser usada diretamente num clínica, fornecendo resultados em meia hora.
Através do Escritório de Transferência de Tecnologia da Case Western Reserve, uma patente para o dispositivo está pendente, configurando uma possível fabricação e validação clínica como um próximo passo.
A descoberta, os estudos de validação clínica e o desenvolvimento da tecnologia POC foram apoiados pelo National Institute of Dental and Craniofacial Research, National Cancer Institute, Case Coulter Translational Research Partnership e Ohio Third Frontier Technology Validation and Start-Up Fund.

 

 

Fonte: Oral Cancer Foundation

 

Recomendado pelos leitores

O Regime Jurídico aplicável à publicidade na medicina dentária
ARTIGOS

O Regime Jurídico aplicável à publicidade na medicina dentária

LER MAIS

Diretrizes para  Medicina Dentária  sobre antibióticos
ARTIGOS

Diretrizes para Medicina Dentária sobre antibióticos

LER MAIS

App projetada para orientação passo a passo em caso de emergência para equipes de medicina dentária
ARTIGOS

App projetada para orientação passo a passo em caso de emergência para equipes de medicina dentária

LER MAIS

Translate:

OJD 115 MARÇO 2024

OJD 115  MARÇO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.