JornalDentistry em 2023-8-23

ARTIGOS

Nova pesquisa para desenvolver IA que melhore a previsão de risco do cancro oral

A Universidade de Sheffield e a Cancer Research UK uniram-se para desenvolver inteligência artificial (IA) que ajudará a prever o risco de cancro oral.

O estudo analisará o uso de Machine Learning e inteligência artificial (IA) para ajudar os patologistas a detectar a doença, que aumentou 60% nos últimos 10 anos.

Amostras de displasia epitelial oral (OED), alterações pré-cancerígenas que podem evoluir para cancro, juntamente com dados de acompanhamento de cinco anos, serão usadas para treinar algoritmos de IA.

Atualmente, os médicos devem prever a probabilidade de o DEO evoluir para cancro, avaliando a biópsia de um paciente com base em 15 critérios diferentes para estabelecer uma pontuação.

Essa pontuação determina então se é necessária ação e qual caminho de tratamento deverá ser seguido.

Mas muitas vezes há grandes variações na forma como os pacientes com resultados de biópsia semelhantes são tratados, disseram os pesquisadores. Por exemplo, um paciente pode ser aconselhado a  submeter-se  a cirurgia e tratamento intensivo, enquanto outro paciente pode ser monitorizado para futuras alterações.

Dr. Ali Khurram, professor clínico sénior da University of Sheffield’s School of Clinical Dentistry, disse: “A classificação precisa do OED é um enorme desafio de diagnóstico, mesmo para patologistas experientes, pois é muito subjetivo.

“A classificação correta é vital na detecção precoce do cancro oral para informar as decisões de tratamento, permitindo ao cirurgião determinar se uma lesão deve ser monitorizada ou ser removida cirurgicamente.

“ Machine Learning e a IA podem auxiliar no diagnóstico de tecidos, eliminando a subjetividade, usando automação e quantificação para orientar o diagnóstico e o tratamento. Até agora isto não foi investigado, mas a IA tem o potencial de revolucionar o diagnóstico e tratamento do cancro oral, garantindo precisão, consistência e objectividade.”

Os algoritmos desenvolvidos ajudarão os patologistas na avaliação das biópsias, ajudando-os a tomar uma decisão mais informada e imparcial sobre a classificação das células e o percurso de tratamento do paciente.

Os algoritmos propostos têm um forte potencial para serem rapidamente implantados como auxílio à prática clínica e diagnóstica em todo o mundo, disseram os pesquisadores.

“As pessoas muitas vezes sentem-se ameaçadas pela IA, no entanto, em vez de substituir os conhecimentos de um médico, o nível excepcionalmente elevado de formação e experiência, a tecnologia pode ajudar a tomar decisões e complementar as suas competências”, acrescentou o Dr.

“Isso irá ajudá-los a fazer uma avaliação mais precisa e permitir-lhes recomendar a via de tratamento mais benéfica para pacientes individuais, o que se espera vir a  ajudar a melhorar as taxas de sobrevivência”.

 

Fonte:  ORAL CANCER FOUNDATION   

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca
ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

LER MAIS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral
ARTIGOS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.