O JornalDentistry em 2022-9-05

ARTIGOS

Estudo de Medicina Dentária mostra como o 'stress positivo' pode aumentar a regeneração do tecido dentário

O stress é normalmente considerado um fenómeno negativo, mas pesquisadores da HKU Dentistry encontraram "stress positivo" que pode induzir boas alterações nas células estaminais dos dentes para torná-las mais resistentes a lesões e doenças.

Crédito: Universidade de Hong Kong

O estudo, publicado online no Journal of Dental Research, é o primeiro a mostrar que os mecanismos adaptativos nas células estaminais dos dentes induzidos pelo pré-condicionamento ao stresse podem impulsionar a regeneração do tecido da polpa do dente.

Os pesquisadores descobriram que o stresse oxidativo causado por um ambiente com pouco oxigénio pode provocar uma resposta protetora para tornar as células estaminais dos dentes menos vulneráveis ​​a danos.

Quando um dente é danificado, seja por cárie grave ou lesão, o tecido vivo no interior fica exposto a bactérias nocivas e vulnerável a infeções. Uma vez que o tecido pulpar do dente esteja totalmente infectado, as opções atuais de tratamento limitam-se a remover a polpa doente e preencher o canal esvaziado com materiais artificiais  ou a extrair o dente. Quando o núcleo de um dente é preenchido com materiais inertes artificiais, o dente sem polpa seca com o tempo, torna-se quebradiço e mais propenso a rachaduras e reinfeções. Isso poderia eventualmente levar à extração do dente e substituição por uma prótese.
A equipe de pesquisa liderada pelo Dr. Waruna Dissanayaka, Professor Assistente em Biociências Orais, visou desenvolver uma abordagem para regenerar a polpa do dente perdido que poderia revitalizar o dente e permitir que ele funcione como um dente normal.
A terapia baseada em células estaminais tem sido considerada uma estratégia promissora na regeneração da polpa dentária. No entanto, como o canal radicular do dente é cercado por tecido dentário duro com suprimento sanguíneo limitado, o que cria um ambiente hostil para as células com baixo oxigénio e nutrientes, a baixa viabilidade celular após o transplante in vivo continua sendo um desafio crítico para os pesquisadores.
A equipe de pesquisa desenvolveu um protocolo de pré-condicionamento que modificou as células geneticamente para imitar um estado responsivo para condições de baixo oxigénio, a fim de ativar uma proteína que induza mudanças adaptativas nas células.
O Dr. Yuanyuan Han, um co-investigador da equipe apontou: "Como essa proteína foi relatada para ativar vários mecanismos adaptativos importantes, perguntamos-nos se esse fenómeno pode ser aplicado para melhorar a sobrevivência celular após o transplante até que um suprimento sanguíneo suficiente seja alcançado. "
"No nosso estudo, descobrimos que essas células ativam um mecanismo metabólico para produzir energia sob condições de baixo oxigénio e eliminar metabólitos nocivos produzidos em condições de stress", explicou o Dr. Han.
"Curiosamente, também descobrimos que as células pré-condicionadas melhoraram significativamente a formação do tecido dentário duro dentro do tecido pulpar regenerado", acrescentou o Dr. Dissanayaka.

"Pesquisas anteriores revelaram que nossas células possuem vários mecanismos adaptativos para o stresse, que são regulados por vários genes-chave codificados no nosso DNA que normalmente são inativos", disse o Dr. Dissanayaka. "Se pudermos ativar esses genes, a expressão a jusante de proteínas específicas pode preparar as células menos vulneráveis ​​a lesões".

Com a ajuda do Dr. Mohamad Koohi-Moghadam, Professor Assistente de Pesquisa em Inteligência Artificial Clínica, a equipe investigou quais genes são ativados ou reprimidos durante o pré-condicionamento e está a trabalhar para caracterizar as proteínas a jusante regulamentadas que tornam as células resistentes a danos.

"As células estaminais  do dente têm uma capacidade inerente de sobreviver sob stresse", disse o Dr. Dissanayaka. "O nosso objetivo é encontrar maneiras de aproveitar essa capacidade e usar o stresse positivo para ajudar a regenerar os tecidos dentários".

Dr. Dissanayaka planeja utilizar o conhecimento de genes e proteínas específicos responsáveis ​​por induzir a sobrevivência celular para identificar drogas que podem ser usadas na regeneração de tecidos clínicos. Acredita que estas novas descobertas promoverão o desenvolvimento de novas estratégias para aumentar o potencial terapêutico das células estaminais  dos dentes.

 

Fonte: MedicalXpress / Universidade de Hong Kong

Artigo MXp

Recomendado pelos leitores

Biomaterial poderá vir a  manter o dente vivo após o tratamento de canal radicular
ARTIGOS

Biomaterial poderá vir a manter o dente vivo após o tratamento de canal radicular

LER MAIS

Cadeia alimentar microbiana: interações nutricionais que promovem a periodontite
ARTIGOS

Cadeia alimentar microbiana: interações nutricionais que promovem a periodontite

LER MAIS

Diabetes e doenças orais afetam-se mutuamente e dificultam o tratamento
ARTIGOS

Diabetes e doenças orais afetam-se mutuamente e dificultam o tratamento

LER MAIS

Translate:

OJD 98 SETEMBRO 2022

OJD 98 SETEMBRO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.