O JornalDentistry em 2022-8-31

ARTIGOS

O valor de ter um médico dentista na equipa de oncologia

Profissionais de saúde oral promovem valor de ter um médico dentista na equipa de cuidados oncológicos.Ao planear os próximos passos após um diagnóstico de cancro, a maioria dos pacientes não coloca uma ida ao médico dentista no topo da sua lista de ações.

"Quando os doentes são diagnosticados com cancro, só querem resolver o problema oncológico", disse Dalal Alhajji, DMD, MSD, instrutor clínico de patologia oral e maxillofacial, radiologia e medicina na Faculdade de Medicina dentária da NYU, em entrevista ao Healio. "É quando digo: 'a razão pela qual precisas de ir a um dentista é que queremos apagar resolver outros potenciais problemas, que o paciente não sabe"

Alhajji e os seus colegas da Faculdade de Medicina Dentária da NYU fazem parte de um pequeno mas crescente movimento entre os profissionais de saúde oral que procuram colmatar a lacuna entre os cuidados dentários para doentes com cancro. Eles vêem os médicos dentistas como um componente vital de qualquer equipa multidisciplinar de cuidados oncológicos, oferecendo tratamento de infeção, proteção dos dentes durante os tratamentos de radiação da cabeça e pescoço, e cuidados de qualidade de vida para questões como boca seca e feridas na boca.

"Tenho tido sorte - os oncologistas com quem trabalho têm sido ótimos em encaminhar os pacientes para mim porque vêem o impacto que isso tem", disse Alhajji. "Eles vêem o valor de ter um médico dentista na equipa de cuidados oncológicos."

 

Abordar questões evitáveis

Existem várias razões para um paciente com cancro consultar um médico  dentista antes de iniciar o tratamento do cancro, mas os pacientes com cancro da cabeça e pescoço e aqueles que estão programados para serem submetidos a transplante de medula óssea precisam especialmente de um exame dentário.

"Quando os pacientes são transplantados, tendem a ser imunossupressos por algum tempo", disse Alhaji. "A duração da imunossupressão vai depender se o transplante é do seu próprio corpo ou de um dador. Como médico dentista, tenho de ter estas coisas em mente quando estou a fazer uma avaliação dentária. Então, antecipando que os meus pacientes estão imunossupressores, tenho de prever quais os dentes que vão ser problemáticos. Se algum dente estiver infetado, deve ser cuidado antes do tratamento começar."

 

Alhajji disse que os dentes infetados podem ser difíceis - se não impossíveis - para tratar uma vez que o transplante e a imunossupressão começaram.

 

"Se o dente se inflamar durante o processo, será muito difícil para os médicos dentistas intervirem, fazendo com que os pacientes estejam com dores durante muito, muito tempo", disse Alhajji. "Portanto, agora temos um paciente que está a tentar combater o cancro, mas que de repente está a lidar com esta dor oral aguda e severa que poderia ter sido prevenida. Não é esse o resultado que quero que os doentes com cancro tenham."

 

Abordar estas questões evitáveis antes do início dos cuidados com o cancro é agora um componente regular dos cuidados multidisciplinares no Centro de Cancro Perlmutter da NYU Langone. Como parte desta abordagem de tratamento, os oncologistas da Perlmutter colaboram com os médicos dentistas dentistas na Faculdade de Medicina Dentária da NYU para garantir que os exames dentários são feitos antes do início do tratamento.

 

"Um dos itens na lista de verificação dos pacientes antes de iniciarem o tratamento é dentário", disse Alhajji. É uma visão que tenho para todos os hematologistas e oncologistas e, mais importante, para os nossos pacientes."

 

Os cuidados dentários pré-tratamento também abordam potenciais eventos adversos do tratamento. Por exemplo, os pacientes com cancro da cabeça e pescoço podem sofrer efeitos adversos graves que podem causar-lhes problemas alimentares e comunicação para o resto das suas vidas.

"A radioterapia não só ataca o tumor, como também ataca estruturas adjacentes, como as glândulas salivares", disse. "Todos nós temos milhões e milhões de pequenas glândulas salivares na zona da cabeça e pescoço, e estas glândulas contribuem para a produção de saliva. Se isso for prejudicado, é mais provável que obtenhamos cáries, porque a saliva tem uma capacidade de proteção. Já vi pacientes com a boca cheia de cavidades depois do tratamento do cancro, tornando os dentes inrestoráveis. Em suma, já não conseguem mastigar a sua comida."

Embora os oncologistas tenham sido capazes de observar o impacto direto e o benefício dos exames dentários, os pacientes às vezes precisam de ser conviencidos, disse Alhajji.                                                                                                                                                                  

 

Fonte: Oral Cancer Foundation /  Healio

 

Recomendado pelos leitores

Biomaterial poderá vir a  manter o dente vivo após o tratamento de canal radicular
ARTIGOS

Biomaterial poderá vir a manter o dente vivo após o tratamento de canal radicular

LER MAIS

Cadeia alimentar microbiana: interações nutricionais que promovem a periodontite
ARTIGOS

Cadeia alimentar microbiana: interações nutricionais que promovem a periodontite

LER MAIS

Diabetes e doenças orais afetam-se mutuamente e dificultam o tratamento
ARTIGOS

Diabetes e doenças orais afetam-se mutuamente e dificultam o tratamento

LER MAIS

Translate:

OJD 98 SETEMBRO 2022

OJD 98 SETEMBRO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.