O JornalDentistry em 2022-9-02

ARTIGOS

Transplante ósseo pode resolver defeitos da mandíbula envelhecida

Cientistas da Universidade de Tohoku no Japão fizeram um andaime que suporta o crescimento de novos ossos em da mandíbula com grandes defeitos em ratos.

Novo tecido ósseo formado em áreas com defeitos não totalmente circundados por osso e forte o suficiente para resistir a implantes dentários. Crédito: ©Tohoku University

As suas descobertas, publicadas na revista PNAS Nexus, levaram os cientistas a abordar os problemas enfrentados atualmente no tratamento de grandes defeitos ósseos da mandíbula, especialmente em idosos.
À medida que as pessoas envelhecem, tornam-se propensas a perder tecido ósseo nas suas mandíbulas, dificultando a alimentação. Existem várias formas de tratar isso, mas cada uma tem a sua limitação, principalmente quando o defeito é grande e não completamente circundado por osso. Os cientistas estão trabalhando para encontrar maneiras de transplantar andaimes portadores de células ósseas nesses defeitos para estimular o crescimento de novos ossos.
Masahiro Saito é professor de conservação dentária na Universidade de Tohoku. Ele e sua equipe desenvolvem terapias regenerativas para a medicina dentária que também podem ter aplicações nas áreas mais amplas de ortopedia e medicina. A equipe fabricou um andaime feito de ácido polilático e gelatina que se mostra promissor no tratamento dos grandes defeitos ósseos.
Seu andaime semelhante ao algodão é feito usando uma técnica chamada eletrofiação, que envolve a aplicação de alta voltagem a uma solução de polímero para esticar as fibras usando um campo elétrico. A equipe descobriu que seu andaime era forte o suficiente para manter e desenvolver células ósseas, incluindo osteoblastos imaturos retirados de ossos de mandíbula humana.
No entanto, quando os andaimes portadores de células humanas foram transplantados em grandes defeitos nas mandíbulas dos porcos, não conseguiram formar osso novo. A equipe acredita que o sistema imunológico dos porcos se actuou contra as células humanas.
Então, em vez disso, a equipe tentou a mesma técnica usando células ósseas de ratos e, em seguida, implantando os andaimes de transporte de células em defeitos nas mandíbulas dos ratos. Isso levou a um resultado bem-sucedido: osso forte  formou-se dentro dos grandes defeitos em oito semanas. O osso era forte o suficiente para suportar a inserção de implantes dentários. Isso mostra a esperança de se poder usar o osso como base para uso com próteses e implantes dentários.
 
Fonte: MedicalXpress /   Tohoku University
 
 
 

Recomendado pelos leitores

Biomaterial poderá vir a  manter o dente vivo após o tratamento de canal radicular
ARTIGOS

Biomaterial poderá vir a manter o dente vivo após o tratamento de canal radicular

LER MAIS

Cadeia alimentar microbiana: interações nutricionais que promovem a periodontite
ARTIGOS

Cadeia alimentar microbiana: interações nutricionais que promovem a periodontite

LER MAIS

Diabetes e doenças orais afetam-se mutuamente e dificultam o tratamento
ARTIGOS

Diabetes e doenças orais afetam-se mutuamente e dificultam o tratamento

LER MAIS

Translate:

OJD 98 SETEMBRO 2022

OJD 98 SETEMBRO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.