O JornalDentistry em 2020-6-27

CLÍNICA

A cura da DII (doença inflamatória intestinal) pode estar na boca?

Um estudo recente descreve como a deficiente saúde oral pode piorar a doença inflamatória intestinal (DII) devido a um choque entres microbiomas orais e intestinais.

Embora muitas pessoas adiam as suas idas regulares ao médico dentista, pesquisas recentes mostraram que as consequências de fazê-lo podem ir além de cáries e canais radiculares. De doenças cardíacas aos diabetes, a saúde oral deficiente é frequentemente um reflexo da saúde geral de uma pessoa e pode até ser a causa da doença sistêmica.

O novo estudo colaborativo entres as Escolas Médicas e de Medicina Dentária da U-M revela que a doença inflamatória intestinal (DII), que incluiu a doença de Crohn e a colite ulcerativa e  que aflige cerca de 3 milhões de adultos nos EUA, pode ser  piorada pela má saúde oral

Nobuhiko Kamada, Ph.D., professor assistente de medicina interna na divisão de gastroenterologia, estuda há anos o microbioma intestinal, a coleção de bactérias que normalmente estão presentes no intestino. Observou um elo emergente na literatura de pesquisa entre um crescimento excessivo de espécies bacterianas exógenas nas entranhas de pessoas comBII - bactérias que normalmente são encontradas na boca. "Decidi me aproximar da escola de Medicina Dentária  para fazer a seguinte pergunta: A doençaoral afeta a gravidade das doenças gastrointestinais?", comentou Kamada.

O novo estudo em cobaias, publicado na Cell, mostra dois caminhos pelos quais as bactérias orais parecem piorar a inflamação intestinal.

No primeiro caminho, a periodontite, leva a um desequilíbrio no microbioma saudável normal encontrado na boca, com aumento de bactérias que causam inflamação. Essas bactérias causadoras de doenças orais  viajam então para o intestino.

No entanto, isso por si só pode não ser suficiente para desencadear inflamação intestinal. A equipe demonstrou que as bactérias orais podem agravar a inflamação intestinal olhando para alterações do microbioma em cobaias com o cólon inflamado.

"O microbioma intestinal normal resiste à colonização por bactérias exógenas ou estrangeiras", diz Kamada. "No entanto, em cobaias  com BII, as bactérias intestinais saudáveis são atacadas, enfraquecendo a sua capacidade de resistir às bactérias causadoras de doenças orais.” A equipe descobriu que cobaias com inflamação oral e intestinal tiveram aumento significativo da perda de peso e maior atividade da doença.

No segundo caminho proposto, a periodontite ativa as células T do sistema imunológico na boca. Essas células T da boca viajam para o intestino onde também exacerbam a inflamação. O microbioma normal do intestino é mantido em equilíbrio pela ação de células T inflamatórias e regulatórias que estão afinadas para tolerar as bactérias residentes. Mas, diz Kamada, a inflamação oral gera principalmente células T inflamatórias que migram para o intestino, onde, removidas de seu ambiente normal, acabam desencadeando a resposta imune do intestino, piorando a doença.

"Essa exacerbação da inflamação intestinal impulsionada por organismos orais que migram para o intestino tem ramificações importantes para enfatizar aos pacientes a necessidade crítica de promover a saúde oral como parte da saúde e bem-estar total do corpol", diz o co-autor William Giannobile, DDS, professor de medicina dentária  e presidente do departamento de periodontia e medicina oral na  U-M School of Dentistry.

O estudo tem implicações para novos tratamentos para a DII, necessários porque "muitos pacientes ainda não são medicados o que leva a uma redução da qualidade de vida e a uma eventual cirurgia", diz o co-autor do estudo Shrinivas Bishu, M.D., professor assistente de gastroenterologia. "Este estudo implica que os desfechos clínicos do DII podem ser melhorados monitorizando a inflamação oral - um conceito intrigante."

 

Artigo original SD: www.sciencedaily.com/releases/2020/06/200616113927.htm

Fonte: Science Daily / Materiais fornecidos pela Michigan Medicine - Universidade de Michigan. 


 

Recomendado pelos leitores

IN VIVO: Avaliação do potencial de irritação de três adesivos universais
CLÍNICA

IN VIVO: Avaliação do potencial de irritação de três adesivos universais

LER MAIS

Implante de plataforma reduzida 3.0. Versatilidade do pilar de ponte ao implante unitário
CLÍNICA

Implante de plataforma reduzida 3.0. Versatilidade do pilar de ponte ao implante unitário

LER MAIS

Translate:

OJD 96 JUNHO 2022

OJD 96 JUNHO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.