O JornalDentistry em 2019-12-09

CLÍNICA

Lidar com as complicações do cancro oral e do tratamento - Conclusões do Congresso Mundial de Medicina Dentária (WDC) 2019.

As complicações do cancro oral e os efeitos tóxicos do tratamento - incluindo desmineralização, cárie, fibrose, candidíase, dor, sensibilidade e preocupações estéticas - podem continuar muito depois que qualquer evidência do câncer ter desaparecido, relataram especialistas no World Dental Congress 2019.

Um dos principais efeitos dos tóxicos são as alterações na saliva, disse Joel Epstein, DMD, diretor de cancer dentistry no Cedars Sinai Health System em Los Angeles e diretor de oncologia oral no City of Hope Comprehensive Cancer Center em Duarte, California 

Outra área problemática - e que é frequentemente ignorada - é o paladar, disse ao Medscape Medical News.

E os efeitos tóxicos são comuns, acrescentou, citando um estudo que mostra que 16% dos pacientes experimentaram toxicidade dentária um ano após a radioterapia. As taxas aumentaram para 36% após 3 anos, 55% após 5 anos e 74% após 7 anos.

Para os pacientes submetidos à terapia contra o cancro, os médicos dentistas devem considerar a higiene oral geral, prevenção de cáries, lubrificação labial, emergências dentárias e infeções das mucosas orais, comentou Epstein durante a sua apresentação sobre a gestão de pacientes com cancro oral, durante e após o tratamento.

Felizmente, há muitas coisas que os médicos dentistas podem ajudar, realçou. Por exemplo, o fluoreto pode ser usado para promover a mineralização e o a utilização de elixires com clorexidina para reduzir as bactérias cariogénicas. 
A terapia de fotobiomodulação, ou terapia de laser de baixa intensidade, pode ser usada para a prevenção de mucosite, que pode ser particularmente dolorosa, acrescentou. A dor relacionada à mucosite oral pode ser tratada com fentaniltransdérmico, elixir oral com morfina a 2% e elixir oral com doxepina a 0,5%. 
Os médicos dentistas também precisam enfatizar a prevenção e monitorizar os sobreviventes quanto à recorrência. "A pessoa de maior risco de cancro", disse Epstein, "são as pessoas que já tiveram cancro". 

Reconhecer lesões preocupantes 
Pode ser difícil determinar quais as anomalias na boca que são motivo de preocupação, disse Mark Lingen, DDS, PhD, da Universidade de Chicago Pritzker School of Medicine. Por exemplo, candidíase e carcinoma espinocelular podem ser semelhantes. 

Lingen abriu a sessão sobre prevenção do cancro oral, diagnóstico precoce e gestão de pacientes com um exercício interativo. Mostrou imagens de várias lesões orais e não demorou muito para descobrir que os membros da plateia podiam identificar corretamente de todas as lesões sem falsos positivos. 

O uso da citologia para a avaliação de lesões suspeitas em pacientes resistentes à biópsia ou que vivem longe de de laboratórios que façam biópsias, apresentado por Takashi Inoue, DDS, da Tokyo Dental College, também foi útil, acrescentou Friedman. 
As diretrizes de prevenção, também apresentadas por Lingen, eram mais familiares a Barnes e Friedman e fazem parte das conversas que têm com os pacientes todos os dias sobre parar de fumar, reduzir o uso de álcool, praticar boa higiene oral e vacinar-se contra vírus do papiloma humano (VPH) , a causa mais comum de cancro oral. 
Embora a vacina contra o VPH tenha sido tipicamente considerada uma área da pediatria, os prestadores de serviços dentários têm desempenhado um papel cada vez mais ativo na prevenção de 70% dos 13.500 novos casos de cancro de orofaríngico diagnosticados a cada ano nos Estados Unidos. 
"Os médicos dentistas devem estar pelo menos tão envolvidos quanto a comunidade médica no aconselhamento da vacina contra o VPH", disse Epstein. "Os cancros causados por VPH são evitáveis, mas apenas por imunização, e é parte e é prestação dos serviços de saúde em que os médicos dentistas devem estar mais envolvidos". 
Embora a prevenção do cancro oral seja um dos pilares da prática da medicina dentária diária, pouco médicos dentistas sentem-se confiantes em cuidar de pacientes com cancro oral, disse Epstein. Num estudo com médicos dentistas de Michigan, por exemplo, 55% dos entrevistados disseram não se sentir adequadamente treinados para cuidar de pacientes com cancro oral e 72% disseram que estavam interessados em formação adicional. 

A primeira parte dessa formação é aprender a discutir más notícias com os pacientes. Epstein explicou que ele uma versão do protocolo SPIKES para conversar com os pacientes sobre um novo diagnóstico de cancro oral. 
Entender as preferências de um paciente pode orientar a abordagem do profissional, disse Epstein à plateia. “Alguns querem uma imagem franca, e os piores cenários, enquanto outros desejam vistas otimistas” e uma imagem clara de todas as opções de tratamento desde o início 

Congresso Mundial de Medicina Dentária (WDC) 2019.

Fonte: Oral Cancer Foundation / www.medscape.com

Autor: Tara Haelle

 

"Tackling the complications from oral cancer and treatment"

 

Recomendado pelos leitores

O impacto da Ortodontia nas Recessões Gengivais - A propósito de um caso clínico
CLÍNICA

O impacto da Ortodontia nas Recessões Gengivais - A propósito de um caso clínico

LER MAIS

Abordagem não cirúrgica de perfurações radicares iatrogénicas - casos clínicos
CLÍNICA

Abordagem não cirúrgica de perfurações radicares iatrogénicas - casos clínicos

LER MAIS

Translate:

OJD 75 JULHO 2020

OJD 75 JULHO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.