O JornalDentistry em 2018-2-06

EVENTOS

Análise Digital da Oclusão - Porquê?

A White Clinic, em Lisboa, recebeu recentemente o Dr. Robert Kerstein, responsável pelo desenvolvimento do T-Scan, sistema digital de análise de oclusão que permite melhorar a eficácia dos tratamentos, ao medir com exatidão a pressão e a força exercidas pelo paciente.

Dr. Robert Kerstein

A White Clinic tem investido grande parte do seu tempo na formação dos seus profissionais e igualmente em tecnologia que propele a eficácia e o resultado dos tratamentos — da implantologia à dentisteria estética, passando pela cirurgia, e em muitos outros tratamentos dentários, seguindo a premissa de que o tempo dedicado a cada paciente deve ser otimizado ao máximo. O mais recente investimento da White Clinic, em Lisboa, centrou-se no tratamento de problemas oclusais. Para melhorar o diagnóstico e tratamento de problemas oclusais, a clínica tem um novo aliado: o Sistema T-Scan, da Tekscan. Este sistema digital de análise de oclusão recorre à utilização de sensores capazes de medir o nível e o tempo de força nos dentes individuais e a estabilidade da mordida do paciente. Quando combinado com a utilização de papel articulado, o T-Scan proporciona dados ainda mais exatos, para um diagnóstico e tratamento mais precisos. Devido à fiabilidade do seu poder de sensorização, a tecnologia do T-Scan tem vindo a ser utilizada, ao longo dos seus 25 anos de existência, em setores como o automóvel. Esta tecnologia está agora a inaugurar uma nova era para os tratamentos dentários. “Decidi apostar na Tekscan pois sempre compreendi que a oclusão é o alicerce de reabilitações orais bem-sucedidas a longo prazo”, explicou a O JornalDentistry o Dr. Miguel Stanley, diretor e fundador da White Clinic. 

Formação para otimização de resultados 
No passado mês de dezembro, o Dr. Robert Kerstein, responsável pelo desenvolvimento do sistema T-Scan, esteve na White Clinic para demonstrar, com prática em pacientes, e deste modo ajudar o corpo clínico a melhorar a forma como trabalha com este sistema. A White Clinic reconhece no T-Scan a possibilidade de realizar um diagnóstico mais preciso em oclusão, através de uma monitorização pormenorizada da cavidade oral do paciente. 
O T-Scan é “fácil de usar e permite compreender o que se está a passar com a cavidade oral dos pacientes de forma pormenorizada”, acrescentou o Dr. Miguel Stanley. “Por exemplo, em pacientes que já têm uma coroa, mas cuja oclusão não é per- feita, o T-Scan permite perceber se, biologicamente, a coroa está corretamente colocada”. 
O objetivo da White Clinic é especializar a sua equipa de profissionais nesta tecnologia para, no futuro, ajudar a difundi-la no mercado português, através da formação de outros profissionais que desejem aprender a utilizar o T-Scan. 

 

“NA IMPLANTOLOGIA, O SUCESSO A LONGO PRAZO DEPENDE FORTEMENTE DA FORÇA DA MORDIDA” 
O Dr. Robert Kerstein deslocou-se de Boston até à White Clinic para dar formação aos profissionais da clínica sobre como utilizar o T-Scan 


- O JornalDentistry — É difícil aprender a utilizar este sistema? 
Dr. Robert Kerstein – O T-Scan é um sistema que exige prática. Para ser corretamente utilizado, existem fatores que devem ser tidos em conta. A White Clinic investiu na implementação deste sistema e, dessa forma, vim até à clínica para ensinar os profissio nais a tirarem o máximo partido do T-Scan. 

- O JornalDentistry — Quais os principais benefícios da utilização do T-Scan? 
Dr. Robert Kerstein – O T-Scan é capaz de medir a força e o tempo, algo que não era ainda possível de medir em oclusão, na medicina dentária. Os profissionais de medicina dentária tendem a achar que o papel de articulação é capaz de medir a força, porém, ele apenas mostra alguns aspetos da oclusão. O sistema T-Scan é composto por um dispositivo intraoral e por um software. Quando se coloca o dispo- sitivo na cavidade oral do paciente, este mede a pressão exercida através de um conjunto de sensores. Estes dados são posterior- mente enviados para um software que os analisa. O dispositivo intraoral pode ser conectado a qualquer computador através de cabo USB. Traz dois tamanhos diferentes e possibilita a compreensão da pressão exercida pela mordida do paciente. Isto é extrema- mente importante em reabilitações com implantes, por exemplo, pois o médico dentista tem a real perceção da força exercida pelo paciente, o que lhe permite ajustar os implantes. Isto oferece uma precisão enorme face ao papel de articulação. Durante a minha investigação realizei diversos estudos que demonstraram que por vezes a maior força está nas marcas mais pequenas no papel de articulação. Isto representa uma alteração enorme na forma de trabalhar dos médicos dentistas, que foram ensinados de forma a crer que marcas maiores representam maior pressão, o que está incorreto. Quando o médico dentista utiliza o T-Scan, tem um controlo muito mais eficaz sobre a mordida do paciente. Isto traz uma  mudança de paradigma para os tratamentos dentários, principalmente de implantologia e de dentisteria estética, que são afetados pela pressão da mordida do paciente. Na implantologia, o sucesso a longo prazo depende fortemente da força da mordida. 
O T-Scan é uma ferramenta que auxilia o médico dentista a diagnosticar qualquer tipo de problemas oclusais. Os problemas associados à articulação temporomandibular são os mais beneficiados, mas o leque de opções é muito maior e chega até a recessões gengivais. 
- O JornalDentistry — Como se integra este sistema no workflow das clínicas? 
Dr. Robert Kerstein – Como é bastante simples de utilizar, assim que os profissionais compreendem as suas mais-valias podem começar a integrar o T-Scan no seu dia-a-dia clínico, em consulta. 
Para o utilizarem, apenas necessitam do dispositivo oral que detém os sensores e do software que analisa os dados recolhidos. No entanto, existem alguns softwares no mercado que conseguem realizar esta análise dos dados recolhidos pelo dispositivo oral. Em 1984, quando lançámos o primeiro T-Scan, este dispositivo representava já um avanço enorme para a medicina dentária. Ao longo destes mais de 30 anos continuei a investigar e a melhorar este produto, e hoje ele é o único dispositivo no merca- do capaz de medir a força e tempo da mordida. Com o recurso ao T-Scan foi já possível, ao longo destes anos, ajudar centenas de pessoas com problemas oclusais, principalmente ao nível da articulação temporomandibular. Com o T-Scan a recolher dados sobre a oclusão e a permitir conhecer a fundo as especificidades dos problemas dos pacientes, foi possível reduzir o número de goteiras prescritas, por exemplo, porque quando os problemas oclusais são corretamente diagnosticados e tratados, em menos de um mês a pessoa sente logo uma enorme diferença na mordida. 
- O JornalDentistry — O podemos esperar do T-Scan no futuro? 
Dr. Robert Kerstein – No futuro, o ideal seria conseguir alcançar uma integração plena entre o T-Scan e os diversos softwares de digitalização existentes no mercado, como forma de obter um workflow totalmente fluido e integrado nas clínicas pelo mundo. O T-Scan funciona muito bem como um auxiliar dos médicos dentistas e continuará a trazer uma maior precisão aos tratamentos implantológicos, estéticos e de oclusão 

White Clinichttp://whiteclinic.pt/contactos/

 

Artigo publicado na edição impressa e digital do "O JornalDentistry" de janeiro de 2018

Recomendado pelos leitores

Dia Europeu da Saúde Periodontal 2018
EVENTOS

Dia Europeu da Saúde Periodontal 2018

LER MAIS

Nobel Biocare debate estado da arte da reabilitação oral e assinala o 20º aniversário do All-on-4®
EVENTOS

Nobel Biocare debate estado da arte da reabilitação oral e assinala o 20º aniversário do All-on-4®

LER MAIS

Master na técnica
EVENTOS

Master na técnica "Invisalign"

LER MAIS

Translate:

OJD 51 MAIO de 2018

OJD 51 MAIO de 2018

VER EDIÇÕES ANTERIORES