O JornalDentistry em 2021-1-02

OUTROS

São necessárias medidas para preparar colaboradores para o futuro

Um novo relatório conclui que é necessário implementar medidas muito mais rápidas para preparar os trabalhadores para os postos de trabalho do futuro

A dimensão do desafio que a automatização coloca ao mercado de trabalho tem de ser satisfeita com medidas muito mais fortes para aumentar a qualificação da mão de obra, revela um novo relatório publicado por uma comissão no Parlamento do Reino Unido.

A inteligência artificial levantou preocupações com a "inércia" que está a abrandar o país no que diz respeito às competências digitais, e instou o governo a tomar medidas para garantir que as pessoas têm a oportunidade de requalificar e reconverter, para poder adaptar-se ao mercado de trabalho em mudança que a IA está a criar.

Citando pesquisas realizadas pela Microsoft, o comité sublinhou que apenas 17% dos funcionários do Reino Unido dizem ter feito parte dos esforços de requalificação, que ficam muito abaixo da média global de 38%.

A Microsoft também informou recentemente  que quase 70% dos líderes empresariais no Reino Unido acreditam que a sua organização tem atualmente uma lacuna de competências digitais, e que dois terços dos colaboradores sentem que não têm as competências digitais adequadas para desempenhar novos e emergentes papéis na sua indústria.

Um estudo recente do Lloyds Bank descobriu que 19% dos indivíduos no Reino Unido não conseguem completar tarefas básicas como a utilização de um navegador web.

Nos últimos três anos, o governo tem vindo a oferecer um sistema nacional de reconversão, que visa aumentar a capacidade dos cidadãos do Reino Unido, em parte devido à automatização. O esquema foi pilotado em seis zonas do país e até 3.600 pessoas tiveram acesso ao programa. "O ritmo, a escala e a ambição do regime não correspondem ao desafio que muitas pessoas que trabalham no Reino Unido", lê-se no relatório, antes de recomendar que o governo "avance muito mais rapidamente".

Wendy Hall, professora de ciências da computação na Universidade de Southampton explica que o Reino Unido está neste momento "longe de estar pronto" quando se trata de construir as competências necessárias para mitigar o impacto da automatização nos empregos.

Entretanto, descobriu o relatório, os sistemas de IA estão a crescer a um ritmo acelerado. Enquanto em 2015, o Reino Unido viu investido 326 milhões de euros em IA, o número subiu para 1,73 mil milhões de euros em 2019. Os sistemas automatizados são atualmente predominantes em muitas indústrias, desde a agricultura aos cuidados de saúde, passando pelos serviços financeiros, retalho e logística.

A pandemia COVID-19 apenas acelerou a adoção de sistemas automatizados na indústria: a investigação levada a cabo pelo Fórum Económico Mundial (WEF) deste ano mostrou que 80% dos decisores em todo o mundo estão agora a planear acelerar a  automatização dos seus processos de trabalho. Espera-se que a tecnologia desloque funções como escriturários de entrada de dados, contabilistas ou trabalhadores da fábrica. 

Michael Wooldridge, professor de ciências da computação na Universidade de Oxford, que também contribuiu para o novo relatório do comité selecionado, afirma: "Certamente que alguns empregos serão perdidos, e muitos mais serão criados. A dificuldade é que os postos de trabalho criados não estão necessariamente no mesmo lugar que os perdidos".

"Não é um problema específico da IA", continua. "A tecnologia evolui a um ritmo acelerado, e trata-se de competências tecnológicas em geral. A requalificação e a upskilling são questões que vão desenrolar-se ao longo das próximas décadas".

Manter os sistemas automatizados sob controlo

O novo relatório surge dois anos depois de o comité selecionado ter apresentado uma série de recomendações ao Governo do Reino Unido para garantir que os sistemas de IA sejam construídos de forma responsável. Desde então, foram tomadas várias medidas para manter os padrões éticos em IA; por exemplo, o comité saudou a criação de órgãos consultivos, como o Centro de Ética e Inovação de Dados (CDEI).

O relatório da comissão apontou ainda o imperativo de transformar quadros éticos numa realidade. A transparência é um ponto de discórdia particular, que será fundamental para assegurar a confiança do público, uma vez que os algoritmos são cada vez mais utilizados para tomar decisões sobre a vida dos cidadãos.

A não informação do público sobre a utilização dos seus dados conduzirá inevitavelmente a uma perda de dinamismo no progresso da IA, uma vez que serão levantados desafios contra a tecnologia. O histórico do Reino Unido neste espaço é questionável: um inquérito realizado pelo departamento de estratégia empresarial, energética e industrial (BEIS) no início deste ano concluiu que apenas 28% dos inquiridos estão positivos em relação à IA. 

O relatório sublinhava ainda que, para permitir uma melhor implantação da IA, o governo deveria nomear urgentemente um líder dedicado. Em 2017, o governo anunciou que iria recrutar um novo Chief Data Officer (CDO) até 2020, para defender a utilização de dados nos serviços públicos; até agora, o papel ainda está vago. Salientando que uma melhor coordenação começa no topo, o comité selecionado recomendou que fossem tomadas "medidas imediatas" para nomear o CDO.

Outro papel, o do Chefe do Governo Digital Officer (GCDO), também foi anunciado há mais de um ano para liderar a transformação digital dos serviços públicos; da mesma forma, ainda não foi feita qualquer nomeação. No entanto, a questão da liderança é crítica. "Numa altura destas, em que as coisas continuam a mudar tão rapidamente, é absolutamente essencial que tenhamos uma liderança muito clara em torno destas questões", afirma Wooldridge. 

Sem um líder de IA com um forte plano para implementar a tecnologia de forma eficiente e responsável, o Reino Unido corre o risco de ficar atrás de outros países na "corrida à IA". O relatório do comité selecionado observou que o Reino Unido está atualmente em terceiro lugar no índice global de IA, que classifica os países com base em oito fatores diferentes.

Wooldridge, por seu lado, acredita que o Reino Unido é menos competitivo internacionalmente em IA do que era há dois anos. Isto deve-se a outros países que investem fortemente na tecnologia, mas também à potencial perda de atratividade que uma saída da UE pode causar para o talento internacional.


Fonte: www. itinsight.pt

 

Recomendado pelos leitores

Pimenta na língua:  Conversa com Frei Herculano Alves.
OUTROS

Pimenta na língua: Conversa com Frei Herculano Alves.

LER MAIS

Translate:

OJD 83 ABRIL 2021

OJD 83 ABRIL 2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.