O JornalDentistry em 2020-4-18

ARTIGOS

Covid-19: Recomendações da FDI (provisórias) para a prática da medicina dentária

“Recomenda-se orientação provisória sobre prevenção e controle de infeção durante os cuidados de saúde quando houver suspeita de infeção por COVID-19 (OMS 2020a)”.

Até o momento, não houve consenso sobre a prestação de serviços dentários durante a epidemia de COVID-19. Com base em nossa experiência, diretrizes e pesquisas relevantes, os médicos dentistas devem adotar medidas estritas de proteção individual e evitar ou minimizar operações que possam produzir gotículas ou aerossóis.  A técnica de 4 mãos é benéfica para controlar a infeção. O uso de ejetores de saliva com volume baixo ou alto pode reduzir a produção de gotículas e aerossóis (Kohnet al. 2003; Li et al. 2004; Samaranayake e Peiris 2004). 

 

Avaliação de Pacientes 

Durante o surto de COVID-19, recomenda-se que as clínicas dentárias estabeleçam triagens de pré-verificação para medir e registar a temperatura de cada equipe e paciente como um procedimento de rotina. A equipe do Precheck deve questionar os pacientes sobre o estado de saúde e o histórico de contactos ou viagens (OMS 2020a). Os pacientes e seus acompanhantes deverão ter ou receber máscaras médicas e medições de temperatura assim que entram no consultório. Pacientes com febre devem ser registados e encaminhados para os hospitais designados. Se um paciente esteve em regiões epidémicas nos últimos 14 dias, sugere-se quarentena por pelo menos 14 dias. Nas áreas onde o COVID-19 se espalha, as práticas de medicina não emergenciais devem ser adiadas (Kohn et al. 2003; Li et al. 2004; Samaranayake e Peiris 2004). 
Foi relatado que na prática de medicina dentária  no caso das infeções por SARS houve um adiamento de pelo menos 1 mês para convalescer os  pacientes.  (Samaranayake e Peiris 2004). Ainda não se sabe se a mesma sugestão deva ser recomendada para pacientes com COVID-19. 

 

Exame Oral 
O gargarejo antimicrobiano pré-operatório pode reduzir o número de micróbios na cavidade oral (Kohn et al. 2003; Marui et al. 2019). Os procedimentos que provavelmente induzem a tosse devem ser evitados (se possível) ou realizados com cautela (OMS 2020a). Os procedimentos de geração de aerossóis devem ser minimizados o máximo possível. O exame radiológico intraoral é a técnica radiográfica mais comum em imagiologia dentária no entanto, pode estimular a secreção de saliva e tosse (Vandenberghe et al. 2010). Portanto, radiografias dentárias extra orais, como radiografia panorâmica e TC com feixe cónico, são alternativas apropriadas durante o surto de COVID-19. 

 

Tratamento de casos de emergência 
Emergências dentárias podem ocorrer e agravar-se num curto período e, portanto, precisam de tratamento imediato. Barragens de borracha e ejetores de saliva de alto volume podem ajudar a minimizar o aerossol ou respingos em procedimentos dentários. Além disso, protetores faciais e óculos de proteção são essenciais com o uso de brocas de alta ou baixa velocidade com spray de água (Samaranayake et al. 1989). De acordo com nossa experiência clínica durante o surto, se um dente cariado for diagnosticado com pulpite irreversível sintomática, a exposição da polpa poderá ser feita com remoção quimo-mecânica da cárie sob isolamento de barragem de borracha e um ejetor de saliva de alto volume  e após anestesia local a desvitalização da polpa pode ser realizada para reduzir a dor. O material de enchimento pode ser substituído suavemente sem um agente desvitalizante, de acordo com as recomendação do fabricante.

Também se tivermos um paciente com dor de dente espontânea por causa de um dente rachado sem cárie dentária, e um equipamento manual de de alta velocidade teve que que ser usado para aceder à preparação da cavidade. Se o paciente quer manter o dente, deverá ser programada como o última paciente do dia para diminuir o risco de risco de infeção nosocomial.  Após o tratamento, devem ser seguidos os procedimentos de limpeza e desinfeção ambiental. Como alternativa, os pacientes podem ser tratados numa sala isolada e bem ventilada ou em salas de pressão negativa, se disponíveis para os casos suspeitos de COVID-19.

O planeamento do tratamento de fratura, luxação ou avulsão dentária depende da idade, da gravidade traumática do tecido dentário, do desenvolvimento do ápice e da duração da avulsão dentária (Andersson et al. 2012; DiAngelis et al. 2012; Malmgren et al. 2012). Se o dente precisar de  ser extraído, é preferível a sutura absorvível. Para pacientes com contusão de tecidos moles faciais, devem ser realizados desbridamentos e suturas. Recomenda-se enxaguar a ferida lentamente e usar o ejetor de saliva para evitar a pulverização. Os casos com risco de vida com lesões orais e maxilofaciais devem ser internados imediatamente no hospital, e TC do tórax deve ser prescrita, se disponível, para excluir suspeita de infeção, porque o teste RT-PCR, além de demorado, precisa de um laboratório com pan-coronavírus ou capacidade específica de deteção de SARS-CoV-2.

 

Fonte: SAGE Journals

Artigo completo: https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/0022034520914246

Artigo recomendado pela World Dental Federation (FDI)

 

 

Artigo recomendado pela FDI (World Dental Federation)

Recomendado pelos leitores

Os níveis de vitamina D parecem desempenhar um papel nas taxas de mortalidade por COVID-19
ARTIGOS

Os níveis de vitamina D parecem desempenhar um papel nas taxas de mortalidade por COVID-19

LER MAIS

Melhorar o tratamento da periodontite
ARTIGOS

Melhorar o tratamento da periodontite

LER MAIS

Tratamento para o Covid-19 no horizonte, mas a vacina permanece uma incógnita
ARTIGOS

Tratamento para o Covid-19 no horizonte, mas a vacina permanece uma incógnita

LER MAIS

Translate:

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.