O JornalDentistry em 2018-12-13

ARTIGOS

A imunoterapia é melhor que quimioterapia para subtipo de cancro da cabeça e pescoço — Estudo

Um ensaio clínico aleatório envolvendo 97 centros médicos em 20 países, incluindo o Moores Cancer Center na UC San Diego Health, descobriu que tratar pacientes com cancro da cabeça e pescoço resistente à quimioterapia com o medicamento de imunoterapia Pembrolizumab é mais eficaz e menos tóxico que a quimioterapia padrão.

Estudo publicado por equipe internacional de pesquisadores na edição online de 30 de novembro da revista The Lancet.

Pesquisas anteriores haviam mostrado que o Pembrolizumab (Keytruda) era seguro e eficaz no tratamento de pacientes com carcinoma espinocelular recorrente ou metastático da cabeça e pescoço, cuja doença havia progredido durante ou após o tratamento com quimioterapia padrão. Os dados deste ensaio clínico chamado KEYNOTE-040, um estudo de fase III patrocinado pela Merck & Co., fabricante do medicamento, leva a pesquisa a um passo adiante, comparando o medicamento de imunoterapia  com três medicamentos de quimioterapia usado atualmente como tratamento padrão: Metotrexato, Docetaxel e Cetuximabe.

Ezra Cohen, MD, professora de medicina na Universidade da Califórnia em San Diego School of Medicine e autor correspondente no estudo, explicou que compararam o Pembrolizumab com o padrão de tratamento para ver se cumpria a premissa de dados iniciais para pacientes que provavelmente não terão bons resultados com a terapia padrão

“Neste estudo, os pacientes que receberam apenas Pembrolizumab tiveram uma taxa de resposta mais alta em comparação com aqueles que receberam a quimioterapia padrão tendo aquelas respostas uma duração, em média de um ano e meio. Além disso, a média de sobrevivência num ano foi marcadamente melhor. Os investigadores acham que é  seguro considerar que esse tipo de terapia devem ser a nova terapia padrão para pessoas com cancro recorrente e  resistente à quimioterapia.

O pembrolizumab é um anticorpo que inibe a interação anormal entre a molécula PD-1 nas células imunes e a molécula PD-L1 nas células tumorais, permitindo que as células do sistema imunológico atuem e ataquem os tumores. Resultados semelhantes foram recentemente publicados para outro medicamento anti-PD-1, o Nivolumab (Opdivo). Ambas as drogas devem ser consideradas para tratamento de pacientes com esta doença.

O estudo também apontou para potenciais biomarcadores que podem orientar os oncologistas para determinar quais pacientes são mais propensos a responder a esses medicamentos anti-PD-1.

"É bastante claro que os pacientes cujos tumores expressam PD-L1 são mais propensos a  beneficiar-se desse tipo de medicamento de imunoterapia”, considera  Cohen, diretor associado de ciência translacional do Moores Cancer Center e cientista especialista internacionalmente reconhecido em novas terapias contra o cancro. “Neste estudo, a sobrevida global foi impulsionada pela expressão de PD-L1. Apenas os pacientes cujos tumores expressaram PD-L1 tiveram uma resposta ao Pembrolizumab e essas respostas tenderam a ser duráveis ​​”.

Durante um período de 17 meses, 247 pacientes foram aleatoriamente selecionados para receber Pembrolizumab e 248 pacientes foram selecionados aleatoriamente por seus médicos para receber uma das três terapias padrão. A média da sobrevida global para pacientesque  receberam imunoterapia foi de 8,4 meses e de  6,9 ​​meses para pacientes submetidos a  tratamento padrão. 

A duração média de resposta foi de 18,4 meses no grupo do Pembrolizumab, em comparação com cinco meses no grupo de terapia padrão.

Doze meses após o início do teste, 37 por cento dos pacientes que receberam Pembrolizumab estavam vivos em comparação com 26,5 por cento dos pacientes em terapia padrão.

Fonte: Oral Cancer Foundation / Scienmag

Artigo original OCF:    "Study: Immunotherapy better than chemotherapy for subtype of head and neck cancer"

 

Recomendado pelos leitores

Proteína desempenha papel fundamental na infeção por patogénico oral
ARTIGOS

Proteína desempenha papel fundamental na infeção por patogénico oral

LER MAIS

Estudo: O cancro mais frequente associado ao VPH atualmente é o orofaríngeo
ARTIGOS

Estudo: O cancro mais frequente associado ao VPH atualmente é o orofaríngeo

LER MAIS

Identificada a assinatura prognóstica de cancro oral
ARTIGOS

Identificada a assinatura prognóstica de cancro oral

LER MAIS

Translate:

OJD 58 JANEIRO 2019

OJD 58 JANEIRO  2019

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.