O JornalDentistry em 2019-9-03

ARTIGOS

A ligação anormal de proteínas impede a criação da estrutura do esmalte, o que pode levar a dentes com problemas

De acordo com um recente estudo publicado no Proceedings da National Academy of Sciences , cientistas mostraram como uma pequena falha numa proteína resulta em esmalte danificado que é propenso a deteriorar-se

As pessoas com uma condição conhecida como Amelogenesis imperfecta (Al) não desenvolvem o esmalte corretamente devido a um defeito de aminoácido na proteína essencial do esmalte chamada amelogenina. 

Cientistas do Pacific Northwest National Laboratory (PNNL)relatam que as proteínas amelogeninas defeituosas colam-se ou ligam-se anormalmente à construção do esmalte, deixando de limpar quando o deveriam, impedindo assim o cuidadoso processo de crescimento pelo qual o esmalte forte é construído.

"Os dentes não são tão fortes porque o esmalte é muito mais fino e os cristais menos ordenados", disse Jinhui Tao, o primeiro autor do artigo. "Na maioria das pessoas, o esmalte é a substância mais dura do corpo, mas isso não é verdade para pacientes com IA".

O defeito genético resulta em esmalte descolorido, macio e se parte facilmente. O esmalte defeituoso torna os pacientes mais suscetíveis a cáries e doenças gengivais. Para entender o que está  a acontecer, Tao e seus colegas examinaram atentamente um processo conhecido como ligação às proteínas - quão fortemente as proteínas aderem a outras substâncias e entre si, em tempo real. O processo é crucial para a sinalização celular e para a nossa saúde, e os erros de ligação estão por trás de muitas doenças.

A equipe combinou microscopia de força atómica com espectroscopia de ressonância magnética nuclear de estado sólido disponível no EMSL, o Laboratório de Ciências Moleculares Ambientais, bem como outros métodos para estudar a mineralização e outros processos envolvendo as proteínas que formam o esmalte.

Descobriram que a propensão das proteínas defeituosas é ficar literalmente muito longas e fortes demais na superfície, impedindo que outros agentes moleculares realizem os seus trabalhos na criação de uma sólida estrutura cristalina. Provocam também a diminuição  da velocidade de uma enzima conhecida como MMP20, que remove o excesso de amelogenina da superfície mineral em desenvolvimento. Quando o MMP20 não pode fazer seu trabalho, o esmalte cresce mais lentamente e fica mais fraco. As proteínas pegajosas também retardam a formação de hidroxiapatita, o bloco de construção cristalino do esmalte.

É um pouco como a alvenaria, apenas no desenvolvimento dos dentes, muitas moléculas trabalham juntas para fazer um trabalho semelhante ao de um pedreiro. A maneira como a argamassa fica entre os tijolos é crucial para criar uma estrutura sólida e regular, cristalina. Se a argamassa for aplicada de maneira inconsistente ou desleixada, e se muita argamassa permanecer e endurecer em pedaços, os tijolos não se encaixam firmemente, resultam em lacunas e toda a estrutura é fraca e porosa e não cresce tão espessa ou ordenada como necessário. Em vez de uma parede impenetrável feita de cristais minerais, poços e lacunas formam-se no esmalte de pacientes com IA, permitindo a penetração de ácidos e bactérias que podem causar dor nos dentes e promover a cárie dentária.

O esmalte dentário liso e sólido que a maioria das pessoas nasce esconde a incrível complexidade molecular que torna isso possível. As proteínas estão constantemente interagindo com a superfície mineral do sulfato de cálcio natural (apatite). Esta nova pesquisa mostra que a força com que as proteínas se ligam tanto à estrutura mineral quanto à outras é um fator-chave na determinação de como os dentes se desenvolvem.

Explorar como as proteínas usam energia de ligação como moeda para realizar as suas tarefas também é relevante para muitas outras áreas da ciência. O trabalho atual concentra-se nas desordens genéticas que ocorrem naturalmente, mas o entendimento de como as proteínas se ligam e se interagem num ambiente complexo é algo relevante para uma ampla gama de pesquisas em ciências  dos materiais.

"Isso ajuda-nos a entender por que as pessoas com essas mutações têm esmalte dentário fraco e frágil, mas de maneira mais ampla, fornece informações importantes sobre como controlar a criação ou manipulação de materiais para muitas aplicações, como o desenvolvimento de novos produtos orgânicos-inorgânicos,  materiais híbridos para computação de alto desempenho, pesquisa de catálise ou armazenamento de energia ", disse Tao.

Fonte:  Medical X Press - National Academy of Sciences

Artigo original MXP:     "Abnormal binding of proteins impedes creation of crystalline enamel structure, which can lead to bad teeth"

Recomendado pelos leitores

Atletas de elite apesar de escovarem frequentemente os dentes têm má saúde oral
ARTIGOS

Atletas de elite apesar de escovarem frequentemente os dentes têm má saúde oral

LER MAIS

Como a doença gengival pode levar à doença de Alzheimer
ARTIGOS

Como a doença gengival pode levar à doença de Alzheimer

LER MAIS

O fluoreto pode diminuir a função renal e hepática nos adolescentes
ARTIGOS

O fluoreto pode diminuir a função renal e hepática nos adolescentes

LER MAIS

Translate:

OJD SETEMBRO 2019

OJD SETEMBRO 2019

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.