O JornalDentistry em 2021-11-23

ARTIGOS

A obesidade aumenta o risco de doenças gengivais ao fomentar o crescimento de células destruidoras de ossos

As descobertas podem melhorar a compreensão de doenças inflamatórias crónicas relacionadas com ossos que se desenvolvem em conjunto com a obesidade, como doenças gengivais, artrite e osteoporose

A inflamação crónica causada pela obesidade pode desencadear o desenvolvimento de células que danificam o tecido ósseo, incluindo o osso que mantém os dentes no lugar, de acordo com uma nova pesquisa da Universidade de Buffalo que procurou melhorar a compreensão da conexão entre obesidade e as doenças gengivais.

O estudo, concluído num modelo animal e publicado em outubro no Journal of Dental Research, descobriu que a inflamação excessiva resultante da obesidade aumenta o número de células supressoras derivadas de mieloide (MDSC), um grupo de células imunológicas que aumentam durante a doença para regular função imune. MDSCs, que se originam na medula óssea, desenvolvem-se numa variedade de tipos de células diferentes, incluindo osteoclastos (uma célula que degrada o tecido ósseo).

A perda óssea é o principal sintoma da doença gengival e pode levar à perda do dente. A doença gengival afeta mais de 47% dos adultos com 30 anos ou mais, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

"Embora haja uma relação clara entre o grau de obesidade e a doença periodontal, os mecanismos que sustentam as ligações entre essas condições não foram completamente compreendidos", disse Keith Kirkwood, DDS, PhD, professor de biologia oral na UB School of Dental Medicine .

"Esta pesquisa promove o conceito de que a expansão do MDSC durante a obesidade para se tornar osteoclastos durante a periodontite está ligada ao aumento da destruição do osso alveolar. Juntos, esses dados apóiam a visão de que a obesidade aumenta o risco de perda óssea periodontal", disse Kyuhwan Kwack, PhD, pós-doutorado associado no Departamento de Biologia Oral da UB.

O estudo examinou dois grupos de ratos alimentados com dietas muito diferentes ao longo de 16 semanas: um grupo uma dieta com baixo teor de gordura que tirava 10% da energia da gordura, o outro grupo uma dieta com alto teor de gordura que extraía 45% da energia da gordura .

A investigação descobriu que o grupo de dieta rica em gordura experimentou obesidade, mais inflamação e um maior aumento de MDSCs na medula óssea e no baço em comparação com o grupo de dieta pobre em gordura. O grupo de dieta rica em gordura também desenvolveu um número significativamente maior de osteoclastos e perdeu mais osso alveolar.

Além disso, a expressão de 27 genes ligados à formação de osteoclastos foi significativamente elevada no grupo alimentado com uma dieta rica em gordura.

As descobertas podem lançar mais luz sobre os mecanismos por trás de outras doenças inflamatórias crónicas relacionadas com os  ossos e que se desenvolvem simultaneamente com a obesidade, como artrite e osteoporose, diz Kirkwood.

Investigadores adicionais incluem Lixia Zhang, PhD, cientista pesquisadora do Departamento de Biologia Oral da UB; Jiho Sohn, doutorando da Escola de Medicina e Ciências Biomédicas Jacobs da UB; Victoria Maglaras, aluna da Faculdade de Odontologia da UB; e Ramkumar Thiyagarajan, cientista pesquisador da Escola Jacobs.

Fonte: 

ScienceDaily/University at Buffalo. 

Artigo ScienceDaily

Recomendado pelos leitores

Dentes de bebé poderão um dia ajudar a identificar crianças em risco de distúrbios mentais mais tarde
ARTIGOS

Dentes de bebé poderão um dia ajudar a identificar crianças em risco de distúrbios mentais mais tarde

LER MAIS

Cigarros Eletrónicos e a  Medicina Dentária
ARTIGOS

Cigarros Eletrónicos e a Medicina Dentária

LER MAIS

Nova técnica ajuda investigadores a entender como o ácido danifica os dentes
ARTIGOS

Nova técnica ajuda investigadores a entender como o ácido danifica os dentes

LER MAIS

Translate:

OJD 89 NOVEMBRO 2021

OJD 89 NOVEMBRO 2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.