O JornalDentistry em 2019-8-11

ARTIGOS

Aumento do cancro da garganta, especialmente em homens

O vírus do papaloma humano (VPH) é agora a principal causa de certos tipos de cancro de garganta. O Dr. Michael Moore, diretor de cirurgia de cabeça e pescoço da UC Davis e especialista em concro relacionado ao HPV, responde a algumas perguntas difíceis sobre a tendência e o que pode ser feito a respeito.

P: O que é o VPH e como ele está relacionado aos cancos da cabeça e pescoço?

R: Existem cerca de 150 estírpes diferentes de VPH, mas o VPH 16 é o que mais frequentemente causa cânceres que afetam o tecido da orofaringe, que inclui parte posterior da garganta, palato mole, amígdalas e base da língua. Pode haver lesões não-cancerosas de outros tipos de VPH que se parecem com verrugas no nariz, boca ou garganta, chamadas papilomas. Alguns podem desenvolver-se na infância apenas pela exposição precoce. Alguns desenvolvem-se mais tarde e só ocasionalmente se transformam em cancro.

 

P: Como se processa a transmissão do VPH?

R: O HPV pode passar da mãe para o bebê na época do parto. Também se difunde através de sexo vaginal, anal ou oral desprotegido e até mesmo pelo beijo na boca. Algumas pessoas foram infectadas sem uma causa óbvia.

 

P: Como é que o VPH  causa cancro?

A: A maioria das pessoas infectadas elimina o vírus naturalmente. num pequeno grupo de pessoas, o organismo não consegue eliminar o vírius  e ele acaba por causa uma infeção persistente. Cerca de 1% dos adultos americanos têm uma infecção persistente por HPV 16 e num pequeno subgrupo desses indivíduos, o DNA do vírus incorpora-se ao DNA da pessoa infectada e pode começar a produzir proteínas que predispõem essas  pessoa a desenvolver cancror.

 

P: Qual a prevalência dos cancros da garganta relacionados ao VPH?

R: Tradicionalmente, os fatores de risco para cancro da cabeça e pescoço eram o uso de tabaco e álcool, mas nos últimos 20 ou 30 anos, descobrimos que as taxas desses cancros diminuíram porque as taxas de fumadores caíram. Enquanto isso, a incidência de cancros da cabeça e pescoço relacionados ao VPH aumentaram mais de 200% nesse período de tempo. Esse aumento foi tão dramático que o cancro de garganta relacionado ao VPH ultrapassou recentemente o cancro do colo do útero como o cancro mais comum relacionado ao VPH nos Estados Unidos.

 

P: Qual a razão para as taxas estarem a subir?

R: Diferentemente do cancro do colo do útero, no qual o exame de Papanicolaou é altamente eficaz na detecção de células cancerígenas ou pré-cancerosas, não há um bom teste de rastreamento para esses cancros da cabeça e pescoço. Atualmente, o uso de testes de swab para HPV é eficaz para descobrir se existe tem uma infeção por HPV, mas não para determinar se a infeção será persistente ou se irá desenvolver um cancro. Como resultado, tais testes não são endossados ​​como uma forma de rastrear esses tumores.

 

P: Os homens e mulheres contraem cancro?

R: Os homens têm quatro vezes mais hipóteses de serem diagnosticados com um cancror da cabeça e pescoço relacionado ao VPH. Pesquisadores ainda não sabem por quê. Pode ter a ver com práticas sexuais ou relacionadas com os tipos de exposição que recebem. O sistema imunológico local ou sistêmico também pode desempenhar um papel.

 

P: Cancros da cabeça e pescoço relacionados ao VPH podem ser prevenidos?

R: Temos uma vacina muito eficaz contra o VPH, e sabemos que a vacina pode prevenir infeções orais por VPH. De fato, estudos mostraram que a vacina é 93% eficaz na prevenção de infeções orais que causam cancro da cabeça e pescoço. Recomendamos duas injeções para adolescentes com menos de 15 anos e três para crianças com mais de 15 anos. A vacina é recomendada para crianças entre 10 e 11 anos, mas a vacinação pode ser iniciada em crianças a partir dos 9 anos e em rapazes até aos 21 anos ou em raparigas. até aos 26 anos. Também é importante manter práticas sexuais seguras e evitar outras exposições potencialmente causadoras de cancro, como tabaco, álcool e haxixe.

 

P: Qual a segurança  e eficaz é a vacina contra o VPH?

R: Tem um histórico muito seguro e está continuamente sendo avaliado para procurar possíveis efeitos colaterais. Embora existam alguns riscos com qualquer vacina, um dos efeitos colaterais mais comuns é que os pacientes podem sentir tonturas depois de serem vacinados, e recomenda-se que sejam observados por 15 minutos depois.

 

Fonte: newswise.com

Autor: UC Davis Comprehensive Cancer Center

Artigo original:    "The surge in throat cancer, especially in men"

 

Recomendado pelos leitores

Factos sobre o cancro oral  e da  faringe
ARTIGOS

Factos sobre o cancro oral e da faringe

LER MAIS

Novo exame de sangue capaz de detetar vários tipos de cancro
ARTIGOS

Novo exame de sangue capaz de detetar vários tipos de cancro

LER MAIS

Na Saúde Oral, demasiada informação  traz desinformação
ARTIGOS

Na Saúde Oral, demasiada informação traz desinformação

LER MAIS

Translate:

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.