O JornalDentistry em 2020-10-25

ARTIGOS

Avanços para a medicina dentária do futuro

Novos conhecimentos sobre a composição celular e o crescimento dos dentes podem agilizar a evolução da medicina dentária regenerativa - uma terapia biológica para dentes danificados - bem como o tratamento da sensibilidade dentária.

O estudo, conduzido por pesquisadores do Instituto Karolinska, foi publicado na Nature Communications.

Os dentes desenvolvem-se através de um processo complexo no qual o tecido mole, com  o tecido conjuntivo, nervos e vasos sanguíneos, são ligados a três tipos diferentes de tecido duro numa parte funcional do corpo. Como um modelo explicativo para esse processo, os cientistas muitas vezes usam o incisivo do rato, que cresce continuamente e é renovado ao longo da vida do animal.

Apesar de o incisivo do rato ter sido frequentemente estudado num contexto de desenvolvimento, muitas questões fundamentais sobre as várias células dentárias, células-tronco e sua diferenciação e dinâmica celular continuam a ser respondidas.

Usando um método de sequenciamento de RNA unicelular e rastreamento genético, pesquisadores do Instituto Karolinska, da Universidade Médica de Viena, Áustria, e da Universidade de Harvard, nos EUA, identificaram e caracterizaram todas as populações de células nos dentes de ratos e nos  dentes humanos de jovens e adultos.

"Das células-tronco às células adultas completamente diferenciadas, conseguimos decifrar as vias de diferenciação dos odontoblastos, que dão origem à dentina - o tecido duro mais próximo da polpa - e asmeloblastas, que dão origem ao esmalte. Também descobrimos novos tipos de células e camadas celulares nos dentes que podem ter um papel a desempenhar na sensibilidade dontária." comentaram  um  autores do estudo, Igor Adameyko, do Departamento de Fisiologia e Farmacologia do Instituto Karolinska, e o co-autor Kaj Fried, do Departamento de Neurociências do Instituto Karolinska. 

Algumas  das descobertas também podem explicar certos aspectos complicados do sistema imunológico nos dentes, e outros lançam uma nova luz sobre a formação do esmalte dentário, o tecido mais duro em nossos corpos.

"Esperamos e acreditamos que nosso trabalho pode formar a base de novas abordagens para a medicina dentária do futuro. Especificamente, pode agilizar o campo de expansão rápida da medicina dentária  regenerativa, uma terapia biológica para substituir tecido danificado ou perdido."

Os resultados foram tornados acessíveis publicamente sob a forma de atlas interativos pesquisáveis de ratos e dentes humanos. Os pesquisadores acreditam que devem provar um recurso útil não apenas para biologia dentária, mas também para pesquisadores interessados no desenvolvimento e biologia regenerativa em geral.

 

Fonte: ScienceDaily/Instituto Karolinska

Breakthrough for tomorrow's dentistry

 

Recomendado pelos leitores

Cientistas descobriram a provável causa de um grave sintoma COVID-19: Coagulação sanguínea
ARTIGOS

Cientistas descobriram a provável causa de um grave sintoma COVID-19: Coagulação sanguínea

LER MAIS

O papel dos médicos dentistas no COVID-19 vai além da medicina dentária: compromissos médicos voluntários e preparação futura
ARTIGOS

O papel dos médicos dentistas no COVID-19 vai além da medicina dentária: compromissos médicos voluntários e preparação futura

LER MAIS

Inteligência artificial está a ser treinada  para prever o risco de se desenvolver cancro oral
ARTIGOS

Inteligência artificial está a ser treinada para prever o risco de se desenvolver cancro oral

LER MAIS

Translate:

OJD 78 NOVEMBRO 2020

OJD 78 NOVEMBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.