O JornalDentistry em 2022-9-14

ARTIGOS

Biomaterial poderá vir a manter o dente vivo após o tratamento de canal radicular

Um canal radicular está no topo da lista da maioria das pessoas como procedimentos dentários temidos.

Embora a longa e às vezes dolorosa cirurgia alivie a agonia de uma infeção, um canal radicular resulta num dente morto sem tecido mole vivo, ou polpa dentária, no interior. 

Hoje, os cientistas relatam o desenvolvimento de um hidrogel peptídeo projetado para estimular o crescimento de novos vasos sanguíneos e polpa dentária dentro de um dente após o procedimento.

Os investigadores apresentam hoje os seus resultados no 256º National Meeting & Exposition of the American Chemical Society (ACS).

"O que se acaba depois de um tratamento canal de raiz é um dente morto", diz Vivek Kumar, Ph.D., o principal investigador do projeto. "Já não é responsivo. Não há terminações nervosas ou suprimentos vasculares. Assim, o dente é muito suscetível a infeções subsequentes e, em última análise, a cair.”

Durante um tratamento de canal radicular, o médico dentista perfura o topo de um dente infetado para aceder ao tecido mole no interior. Em seguida, o dentista remove a polpa dentária infetada e enche o espaço com pequenas hastes de borracha chamadas gutta percha e caps finalizado o tratamento do dente  com uma coroa.

Kumar e Peter Nguyen, ph.D., que está a apresentar o trabalho na reunião, queriam desenvolver um material que pudesse ser injetado no lugar da guta percha. O material estimularia a angiogénese, ou o crescimento de novos vasos sanguíneos, e a dentinogénese, ou a proliferação de células estaminais da polpa dentária, dentro do dente. Kumar e Nguyen trabalham  no Instituto de Tecnologia de Nova Jersey.

 

Clique  AQUI   para ver o vídeo

 

Kumar baseou-se na sua experiência anterior desenvolvendo um hidrogel que estimula a angiogénese quando injetado sob a pele de ratos e cobaias. O hidrogel, que é líquido durante a injeção, contém péptidos que se auto-montam num gel no local de injeção. Os peptídeos contêm  uma proteína chamada fator de crescimento endotelial vascular, que estimula o crescimento de novos vasos sanguíneos. Kumar, e os seus colegas mostraram que o hidrogel peptídeo auto-montado estimulava a angiogénese e persistiu sob a pele dos roedores durante três meses.

“Segundo Kumar fizemos uma pergunta, “Se podemos estimular a angiogénese num membro, podemos também estimular a angiogénese noutras regiões com baixo fluxo sanguíneo?". 

"Uma das regiões em que estávamos realmente interessados era um órgão por si só, o dente." Assim, Kumar e Nguyen adicionaram outro domínio ao peptídeo angiogénico auto-montado: um pedaço de uma proteína que faz proliferar as células estaminais da polpa dentária.

Quando a equipa adicionou o novo peptídeo às células estaminais da polpa dentária cultivadas, descobriram que o peptídeo não só fez com que as células proliferassem, como também as ativava para depositar cristais de fosfato de cálcio — o mineral que compõe o esmalte dentário. No entanto, quando injetado sob a pele de ratos, o peptídeo degradou-se ao fim de uma a três semanas. "Isto foi mais curto do que esperávamos, por isso voltámos e redesenhámos o peptídeo para termos atualmente uma versão muito mais estável", diz Kumar.

Agora, a equipa está a injetar o hidrogel de peptídeo nos dentes dos cães que foram submetidos a canais radiculares para ver se pode estimular a regeneração da polpa dentária num animal vivo. Se estes estudos correrem bem, os investigadores planeiam mover o hidrogel para estudos clínicos humanos. Registaram uma patente para o peptídeo redesenhado.

O hidrogel na sua forma atual provavelmente não reduzirá a invasividade ou dor de um canal radicular, mas Kumar e Nguyen estão a planear futuras versões do peptídeo que contêm domínios antimicrobianos. "Em vez de ter que arrancar tudo dentro do dente, o médico dentista poderia entrar com uma broca menor, remover um pouco da polpa e injetar o nosso hidrogel", diz Kumar. A porção antimicrobiana do peptídeo mataria a infeção, preservando mais  polpa dentária existente, enquanto ajudava a crescer novos tecidos. E o canal radicular poderia  deixar de ser um procedimento dentário tão temido.

Recomendado pelos leitores

Cadeia alimentar microbiana: interações nutricionais que promovem a periodontite
ARTIGOS

Cadeia alimentar microbiana: interações nutricionais que promovem a periodontite

LER MAIS

Diabetes e doenças orais afetam-se mutuamente e dificultam o tratamento
ARTIGOS

Diabetes e doenças orais afetam-se mutuamente e dificultam o tratamento

LER MAIS

Estudo-piloto para analisar o resultado do ADN do tumor circulante (ctADN)
ARTIGOS

Estudo-piloto para analisar o resultado do ADN do tumor circulante (ctADN)

LER MAIS

Translate:

OJD 98 SETEMBRO 2022

OJD 98 SETEMBRO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.