JornalDentististry em 2023-2-24

ARTIGOS

Cancro oral e a relação com os cigarros e os vapes

O uso dos dispositivos vaspes ( cigarros eletrónicos de vaporização) pode aumentar o risco de cancro oral tanto quanto o cigarro, revela estudo

O uso de um vape causa danos ao DNA ligados ao cancro na boca na mesma taxa que o uso de um cigarro, conclui o estudo.

O estudo mais recente de pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia (USC) reforça ainda mais a noção de que os cigarros eletrónicos de vaporização,  são uma alternativa mais saudável ao tabagismo.

Os vapers que usam regularmente cigarros eletrónicos viram tantos danos no ADN na boca como os fumadores de cigarros de tabaco regulares, levantando o espectro de doenças crónicas, incluindo o cancro. As vagens com sabor, em particular, eram as mais perigosas.

Os cancros são causados por esses danos no ADN, também referidos como mutações genéticas que, com o tempo, podem deixar de funcionar normalmente ou crescer fora de controlo e tornar-se cancerígenos.

Este não é o primeiro estudo a chegar a esta conclusão. Pesquisadores canadianos descobriram que ratos expostos a vapes aromatizados sofriam consistentemente sérios danos celulares e moleculares nos seus pulmões.

O Dr. Ahmad Besaratinia, autor sénior do estudo e especialistas em saúde pública da USC, disse: "Pela primeira vez, mostramos que quanto mais vapers usavam cigarros eletrônicos, e quanto mais tempo  os usavam, mais danos ao DNA ocorriam em suas células orais".

Fumar expõe as células que revestem o interior da boca, as vias aéreas e os pulmões a dezenas de poderosos agentes químicos cancerígenos.

As células das partes do corpo diretamente expostas ao fumo são danificadas de forma mais aguda, com 150 mutações encontradas em cada célula pulmonar dentro de um ano, 97 na laringe e 39 na cavidade oral.

A aceleração das mutações aumenta o risco de desenvolver cancro.

Para o estudo, os pesquisadores recrutaram 72 adultos saudáveis que dividiram em três grupos: vapers atuais que nunca fumaram, fumadores atuais que nunca fumaram e pessoas sem histórico de fumar ou vaporizar.

Os pesquisadores registraram a frequência com que as pessoas usavam ambos os dispositivos. Em seguida,  coletaram uma amostra de células epiteliais, que revestem o interior da boca, e testaram para danos a genes específicos conhecidos por indicar danos no genoma.

Os testes mostraram níveis semelhantes de danos no DNA entre vapers e fumadores: 2,6 vezes e 2,2 vezes mais do que os não usuários, respectivamente. Vapers que usaram dispositivos de pod  viram o mais alto nível de dano.

As vagens aromatizadas foram as mais sinistras, causando o mais alto nível de dano no DNA entre os usuários, embora os pesquisadores não tenham dito especificamente as causas  dos  vapes com sabores se  tornam mais prejudiciais para as células.

Embora muitas marcas de vapes com sabor a hortelã e frutas tenham sido retiradas do mercado, os jovens para quem esses produtos são mais atraentes ainda conseguiram obtê-los

 "Os dispositivos e sabores que são mais populares e altamente consumidos por vapers jovens, bem como adultos, são os que estão associados com mais danos ao DNA."

Suas descobertas, publicadas na revista Nicotine and Tobacco Research afirmam ser as primeiras a distinguir claramente entre os danos no DNA causados por vapers versus fumadores e a informar os usuários de vape sobre os riscos que enfrentam pelo vaping habitual e e-líquidos aromatizados.

Os jovens que utilizam cigarros eletrónicos e outros dispositivos de vaporização com nicotina correm um risco especialmente elevado de desenvolver uma doença crónica associada à utilização dos dispositivos.

Os cérebros dos adolescentes ainda estão em desenvolvimento e cada nova memória, habilidade ou lição aprendida significa que conexões mais fortes são formadas entre as células cerebrais.

Como a dependência é um comportamento aprendido, os adolescentes podem ficar viciados mais facilmente do que os adultos.

Pelo menos 2,6 milhões de adolescentes são viciados em nicotina em cigarros eletrônicos e a grande maioria deles – 85% – diz que mais frequentemente procura vagens aromatizadas, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos.

O Dr. Besaratinia disse: "É evidente que estes resultados têm implicações significativas, tanto para a saúde pública como para as agências reguladoras."

Embora amplamente visto como mais seguro do que fumar, os efeitos a longo prazo do vaping permanecem um mistério e os médicos temem que possa haver uma onda de doenças pulmonares, problemas dentários e cancros nas próximas décadas em pessoas que adotaram o hábito em uma idade jovem.

O uso de vape tem sido associado a danos nos pulmões e obstruções das vias aéreas que podem durar anos mesmo após o abandono. Os cientistas também descobriram que os vapers são quase duas vezes mais propensos a sofrer de chiado e dificuldade para respirar do que aqueles que não fumam ou usam cigarros eletrônicos, semelhante a alguém que vive com asma.


Fonte: Oral Cancer Foundation

Recomendado pelos leitores

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional
ARTIGOS

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional

LER MAIS

As bactérias orais são importantes para a  saúde – quatro doenças ligadas ao  microbioma oral
ARTIGOS

As bactérias orais são importantes para a saúde – quatro doenças ligadas ao microbioma oral

LER MAIS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral
ARTIGOS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral

LER MAIS

Translate:

OJD 117 MAIO 2024

OJD 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.