O JornalDentistry em 2020-7-27

ARTIGOS

Células estaminais e nervos interagem na regeneração tecidual e na progressão do cancro

Os pesquisadores mostram que diferentes populações de células estaminais são inervadas de maneiras distintas. A inervação pode, portanto, ser crucial para a regeneração adequada do tecido.

Também demonstram que as células estaminais cancerígenas também estabelecem contactos com os nervos. Direcionar a inervação do tumor pode levar a novas terapias contra o cancro.

As células estaminais podem gerar uma variedade de tecidos específicos e são cada vez mais usadas para aplicações clínicas, como a substituição de ossos ou cartilagens. No entanto, as células estaminais também estão presentes nos tecidos cancerígenos e estão envolvidas na progressão e nas metástases do cancro. Os nervos são fundamentais para regular os processos fisiológicos e regenerativos envolvendo células estaminais. No entanto, pouco se sabe sobre as interações entre células estaminais  e neurónios nos tecidos em regeneração e nos cancros.

 

— Comparação de  tipos de células estaminais na regeneração de tecidos

Uma equipe de pesquisadores liderada por Thimios Mitsiadis, professor do Instituto de Biologia Oral da Universidade de Zurique, publicou dois estudos que elucidam como as células estaminais promovem o crescimento neuronal na regeneração dos tecidos e na progressão do cancro. O primeiro estudo comparou a interação dos neurónios com duas populações diferentes de células estaminais  humanas, a saber, células estaminais da polpa dentária e células estaminais da medula óssea. Ambas podem-se  diferenciar em vários tipos de células, como osso, cartilagem e células adiposas. As células estaminais da medula óssea humana são isoladas dos ossos  e são o padrão-ouro para abordagens regenerativas ósseas. Dentes extraídos são a fonte de células estaminais da polpa dentária, que representam uma alternativa promissora.

 

— As células estaminais dentárias são altamente inervadas

Usando a tecnologia "organ-on-a-chip”, que depende de pequenos dispositivos tridimensionais que imitam as funções básicas de órgãos e tecidos humanos, os pesquisadores demonstraram que ambos os tipos de células estaminais promoveram crescimento neuronal. As células estaminais da polpa dentária, no entanto, produziram melhores resultados em comparação com as células estaminais da medula óssea: induziram neurónios mais alongados, formaram redes neuronais densas e estabeleceram contactos estreitos com os nervos.

"As células estaminais dentárias produzem moléculas específicas que são fundamentais para o crescimento e a atração de neurónios. Portanto, as células estaminais são abundantemente inervadas", diz Mitsiadis. A formação de tais redes estendidas e o estabelecimento de inúmeros contactos sugerem que as células estaminais dentárias criam conexões funcionais com os nervos da face. "Portanto, essas células podem representar uma opção ótima para a regeneração de tecidos faciais funcionais e adequadamente inervados", acrescenta o coautor Pierfrancesco Pagella.

 

— As células estaminais do cancro também recrutam neurónios

No segundo estudo, os pesquisadores examinaram a interação entre nervos e células estaminais cancerígenas encontradas no ameloblastoma, um tumor agressivo da boca. Primeiro demonstraram que os ameloblastomas têm propriedades de células estaminais e são inervados pelos neurónios faciais. Quando as células do ameloblastoma foram isoladas e colocadas nos dispositivos "órgão em um chip",  mantiveram não apenas as suas propriedades de células estaminais, mas também atraíram nervos e estabeleceram contacto com eles.

"Parece que os nervos são fundamentais para a sobrevivência e função das células estaminais cancerígenas", explica Pagella. "Esses resultados criam novas possibilidades para o tratamento do cancro usando drogas que modificam a comunicação entre neurónios e células estaminais do cancro. Esperamos que isso abra caminhos imprevistos para terapias eficazes contra o cancro”, acrescenta Mitsiadis. "A combinação de ferramentas moleculares e de imagem avançadas e da tecnologia""órgão em um chip”, oferece uma emocionante oportunidade para revelar as funções ocultas dos neurónios e suas interações com vários tipos de células estaminais, tanto em condições saudáveis ​​quanto patológicas".

 

Fonte:  University of Zurich / ScienceDaily

Artigo originalScienceDaily: www.sciencedaily.com/releases/2020/03/200323125619.htm

Recomendado pelos leitores

A má higiene oral pode afetar a precisão de testes SARS-CoV-2
ARTIGOS

A má higiene oral pode afetar a precisão de testes SARS-CoV-2

LER MAIS

Neutrófilos sacrificam-se para aumentar a resposta imunológica aos vírus
ARTIGOS

Neutrófilos sacrificam-se para aumentar a resposta imunológica aos vírus

LER MAIS

Dor do cancro oral associada à disseminação de doenças
ARTIGOS

Dor do cancro oral associada à disseminação de doenças

LER MAIS

Translate:

OJD 76 SETEMBRO 2020

OJD 76 SETEMBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.