O JornalDentistry em 2020-11-08

ARTIGOS

Cientistas descobriram a provável causa de um grave sintoma COVID-19: Coagulação sanguínea

Um dos sintomas mais surpreendentes do COVID-19 tem sido os coágulos sanguíneos que muitos pacientes, incluindo os mais jovens, experimentaram com a infecção.

Os coágulos, em alguns casos, levaram a bloqueios perigosos nos pulmões, causaram derrames e até morte, mesmo em pessoas sem histórico de doenças circulatórias.

Num artigo publicado na Science no início da última semana, pesquisadores fornecem um vislumbre do que pode estar a conduzir os coágulos desencadeados pela infeção causada pelo COVID-19. O grupo descobriu que um conjunto específico de anticorpos conhecidos como auto-anticorpos — que são versões invasoras de células destinadas a defender o corpo de patógenos, mas, em vez disso, atacam as suas próprias células (neste caso as células dos vasos sanguíneos do próprio corpo) — podem ser parcialmente responsáveis pelo risco de coagulação associado à doença. Entre 172 pacientes internados com COVID-19, descobriram que metade produziu esses auto-anticorpos. Além disso, quando os cientistas injetaram os auto-anticorpos em ratos de laboratório, os animais desenvolveram coágulos sanguíneos.

Em abril, o mesmo grupo de cientistas relatou que a inflamação associada ao COVID-19 pode levar a coágulos em pequenos vasos nos pulmões, e que esses coágulos são embalados principalmente com uma célula imune conhecida como neutrófilo.

Em pacientes COVID-19, esses neutrófilos podem explodir dentro de pequenos vasos sanguíneos, criando armadilhas moleculares pegajosas que atraem outros fatores de coagulação que circulamw no sangue. "Evolutivamente, achamos que isso é feito para prender coisas como bactérias ou vírus", diz Yogen Kanthi, professor assistente da Universidade de Michigan, pesquisador do National Heart, Lung and Blood Institute e um dos autores do estudo. "Mas se os neutrófilos forem super estimulados, também podem crescer e causar bloqueios nos vasos sanguíneos e impulsionar a coagulação sanguínea." 

Nesse estudo anterior, Kanthi e seus colegas descobriram que os pacientes COVID-19 que tinham um número maior dessas "armadilhas" no seu sistema sanguíneo eram mais propensos a terem doenças graves ou insuficiência respiratória.

"A inflamação gera coagulação, e a coagulação leva a mais inflamação", diz. "Torna-se um ciclo implacável de auto-amplificação da     inflamação e coagulação que faz com que os pacientes adoeçam."

No seu último artigo científico, os pesquisadores descobriram que os auto-anticorpos conduzem esse ciclo de inflamação e coagulação. Os auto-anticorpos encontrados nos pacientes COVID-19 são os mesmos que os médicos encontram em pacientes com uma doença auto-imune chamada síndrome anti-fosfolipídica, na qual os anticorpos se clotam atraindo fatores de coagulação que eventualmente bloqueiam o fluxo sanguíneo. Entender como esses anticorpos contribuem para o risco de coagulação entre pacientes com esse síndrome levou especialistas como Jason Knight, que estudam a doença anti-fosfolipídica, a antecipar a coagulação semelhante entre os pacientes do COVID-19. "Em maio, a coagulação era tudo o que se estava a falar sobre os pacientes do COVID-19", diz Knight, professor associado de reumatologia na Universidade de Michigan e um dos autores do estudo. "Quando começamos a fazer autópsias, vimos coagulações micro vasculares nos pulmões."

Essa coagulação em pequenos vasos — às vezes muito pequenas até mesmo para serem  captadas por tomografias computadorizadas — é uma das marcas dos bloqueios de fluxo sanguíneo ligados ao COVID-19. Não só os pacientes desenvolvem os chamados coágulos macrovasculares nos vasos maiores, incluindo veias e artérias, que podem levar a trombose venosa profunda e derrames, mas as infeções também parecem às vezes desencadear coágulos nos pequenos vasos dos pulmões — o que pode causar problemas respiratórios — e os auto-anticorpos podem ser a razão para isso, já que podem ligar-se às células dos vasos sanguíneos em todos os lugares.

Na verdade, diz Kanthi, o COVID-19 pode ser visto como "uma versão extrema de uma série de doenças, uma delas o síndrome anti-fosfolipídica". Isso significa que estudar esses pacientes pode levar a uma melhor compreensão do COVID-19 e de como o coronavírus está a contribuir para a coagulação. Para começar, Knight já está a estudar uma droga, dipiromole, que é aprovada para tratar derrames e prevenir coágulos sanguíneos em pessoas que recebem válvulas cardíacas mecânicas, para ver se pode reduzir o risco de coagulação em pacientes COVID-19. A droga é relativamente barata e absorve diretamente a ativação de neutrófilos, o que pode, por sua vez, reduzir a formação das armadilhas hiperativas de neutrófilos nos vasos. O teste para os auto-anticorpos já está disponível para os médicos pedirem, diz Knight, os pacientes COVID-19 podem ser testados para seus níveis de anticorpos e, em seguida, triados para receber anti-coagulantes mais agressivos ou outros medicamentos, como o dipyridamole, se for eficaz, para protegê-los da coagulação.

A equipe está atualmente a  inscrever pacientes COVID-19 para o estudo de drogas anti-coagulação, e pode ter respostas até o final do ano, diz Knight. Essas descobertas podem abrir um novo entendimento sobre como os vírus afetam os processos de coagulação do corpo; o fato de que os auto anticorpos do corpo podem desencadear uma coagulação tão difundida é novo, diz Kanthi.

"Sabíamos que anticorpos como esse podem existir (do nosso conhecimento da síndrome anti-fosfolipídica), mas nunca ninguém  verificou se eles podem causar coagulação."

Ainda não está claro em que ponto durante a infeção esses auto anticorpos começam a  formar-se, e o que torna as pessoas mais propensas a gerá-los. Genética, o histórico de infeções virais e bacterianas anteriores, bem como a resposta imune acelerada lançada pelo COVID-19 provavelmente contribuem para esse risco. Mas o fato de que metade dos pacientes pode gerar esses anticorpos potencialmente promotores de coágulos significa que entender melhor quais são esses fatores de risco, e possivelmente identificar pessoas que os abrigam, pode ajudá-los a evitar uma infeção mais grave e potencialmente mortal COVID-19.

Fonte: Times Healt

Recomendado pelos leitores

O papel dos médicos dentistas no COVID-19 vai além da medicina dentária: compromissos médicos voluntários e preparação futura
ARTIGOS

O papel dos médicos dentistas no COVID-19 vai além da medicina dentária: compromissos médicos voluntários e preparação futura

LER MAIS

Avanços para a medicina dentária do futuro
ARTIGOS

Avanços para a medicina dentária do futuro

LER MAIS

Inteligência artificial está a ser treinada  para prever o risco de se desenvolver cancro oral
ARTIGOS

Inteligência artificial está a ser treinada para prever o risco de se desenvolver cancro oral

LER MAIS

Translate:

OJD 78 NOVEMBRO 2020

OJD 78 NOVEMBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.