O JornalDentistry em 2019-9-01

ARTIGOS

Como a doença gengival pode levar à doença de Alzheimer

Num estudo recente pesquisadores descobriram que uma bactéria amplamente responsável pela doença gengival também contribui para o desenvolvimento da doença de Alzheimer a Porphyromonas gingivalis

Segundo dados do National Institute of Dental and Craniofacial Research, 8,52% dos adultos americanos entre 20 e 64 anos de idade têm periodontite .

A doença gengival é um problema generalizado que pode levar a resultados negativos,  como da perda de dentes e a um risco aumentado de cancro.

Evidências emergentes sugerem que uma das bactérias envolvidas na periodontite poderia também contribuem para a acumulação de proteínas tóxicas no cérebro, a que os cientistas associaram ao desenvolvimento da doença de Alzheimer.

Essas descobertas surgiram de um estudo em ratos que os pesquisadores da Cortexyme, Inc., uma empresa farmacêutica que visa desenvolver novas terapêuticas para a doença de Alzheimer, realizaram.

Os resultados da pesquisa - cujo principal autor é o Dr. Stephen Dominy, co-fundador da Cortexyme – foram publicados na revista Science Advances.

"Agentes infecciosos já foram implicados no desenvolvimento e progressão da doença de Alzheimer, mas as evidências de causa não foram convincentes", observa Dominy.

 

A bactéria que aumenta a toxicidade cerebral 
Os pesquisadores se concentraram numa bactéria - Porphyromonas gingivalis - que é um anaeróbio oral Gram-negativo que impulsiona o desenvolvimento de doenças gengivais. 
P. gingivalis, observam os pesquisadores, também aparece no cérebro de pessoas diagnosticadas com doença de Alzheimer, o que deixou os investigadores intrigados. 
Ao olhar para um modelo de rato, a equipe descobriu que a infeção por P. gingivalislevou a uma maior produção de beta-amiloide no cérebro dos roedores. 

A beta-amiloide é um marcador da doença de Alzheimer no cérebro; nessa condição neurodegenerativa, a proteína tóxica acumula-se em excesso, formando placas que interrompem a comunicação normal entre as células cerebrais. 
Os pesquisadores também analisaram as gengivinas, as enzimas tóxicas da P. gingivalis. Descobriram que - tanto no cérebro humano quanto nos modelos de ratos - poderiam associar altos níveis de gengivina à presença de duas outras proteínas que os cientistas já associaram ao desenvolvimento da doença de Alzheimer: tau e ubiquitina. 
Nos modelos in vivo e in vitro, as gengivinas exacerbaram a toxicidade da tau, explicam os pesquisadores. No entanto, assim que adotaram as gengivas como alvo clínico, a equipe começou a desenvolver estratégias para combater os seus efeitos.

 

Um alvo clínico promissor 
O Dr. Dominy e colaboradores desenvolveram uma série de terapias de pequenas moléculas, bloqueando a atividade nas gengivas da P. gingivalis. 
Em experimentos com modelos de ratos, os pesquisadores finalmente identificaram um composto chamado "COR388" como o inibidor mais eficaz da gengivina. 
O COR388 foi capaz de reduzir a presença da P. gingivalis no cérebro após a infeção por esta bactéria e reduziu a neuroinflamação. 
O composto também interrompeu a produção de beta-amiloide tóxico e teve um efeito protetor nos neurónios do hipocampo, a área do cérebro que é amplamente responsável pelos processos relacionados à memória. 
"Agora, pela primeira vez, temos evidências sólidas conectando o patógeno intracelular Gram-negativo [P. gingivalis] e a patogénese do Alzheimer, além de demonstrar o potencial de uma classe de terapias de pequenas moléculas para mudar a trajetória da doença". declarou o Dr. Dominy. 

O COR388 já está a ser testado e os pesquisadores relataram que, até o momento, os voluntários - indivíduos saudáveis e pessoas com diagnóstico de doença de Alzheimer - reagiram bem a esse composto. 
A equipe do Cortexyme procura organizar um ensaio clínico maior, testando o efeito do COR388 em pessoas com doença de Alzheimer leve a moderada durante este ano. 

 

Fonte: Medical News Today - National Institute of Dental and Craniofacial Research

Artigo  original MNT:  www.medicalnewstoday.com/articles/324298.php

Recomendado pelos leitores

Pessoas com periodontite têm maior probabilidade de terem hipertensão
ARTIGOS

Pessoas com periodontite têm maior probabilidade de terem hipertensão

LER MAIS

Stressado ao máximo? O sono profundo pode reorganizar o cérebro ansioso
ARTIGOS

Stressado ao máximo? O sono profundo pode reorganizar o cérebro ansioso

LER MAIS

Os refrigerantes são o elo crucial entre a obesidade e o desgaste dos dentes
ARTIGOS

Os refrigerantes são o elo crucial entre a obesidade e o desgaste dos dentes

LER MAIS

Translate:

OJD 67 NOVEMBRO 2019

OJD 67 NOVEMBRO 2019

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.