2018-7-19

ARTIGOS

Como elaborar – e aprovar – projetos de gestão da qualidade em saúde

Gestores de um hospital de Londres, o psiquiatra Amar Shah e o diretor financeiro Steven Course publicaram este mês um estudo sobre um novo modelo para elaboração de projetos de qualidade em saúde.

O desafio de implantar projetos de melhoria da qualidade costuma ir além de encontrar novas e mais eficientes maneiras de realizar procedimentos do dia a dia das instituições de saúde. 

Além de motivar a equipe que está na linha de frente, é fundamental convencer quem toma as decisões e dá a chancela para a execução de novos projetos. Não bastam bons argumentos: é preciso também falar a mesma linguagem. 

O psiquiatra Amar Shah e o farmacêutico Steven Course depararam com esse desafio à frente do departamento de qualidade e financeiro, respetivamente, do East London NHS Foundation Trust (ELFT), um hospital psiquiátrico e cuidados básicos em Londres. Perceberam que era preciso demonstrar que o aprimoramento da qualidade pode resolver problemas complexos que são prioridade para os gestores. Traduzindo em poucas palavras: como a qualidade afeta os custos. “Não há muita literatura para demonstrar o retorno que podemos ter como organização ao investir em aprimoramento da qualidade”, afirmou Shah, durante sua apresentação no Fórum Internacional de Segurança e Qualidade em Saúde, que aconteceu em abril, em Amesterdão.

Para resolver esse problema, Shah e Course desenvolveram um modelo para demonstrar aos gestores das organizações o quantificar o retorno de cada projeto de qualidade (a). Este modelo foi publicado no Future Healthcare Journal.uma publicação do Royal College of Physicians.

 Shah considera que o segredo é conjugar qualidade e custo, transformando o custo da qualidade em valor. Frequentemente, parece que os esforços para melhorar qualidade estão completamente separados da maneira como se administram os custos. É precisamos pensar de maneira a que que coloquem as duas coisas juntas.

Shah e Course  basearam-se  em modelos de grandes especialistas de gestão da qualidade, como o japonês Noriaki Kano, que enfatiza a satisfação do consumidor, e do radiologista americano Stephen J. Swensen, que se tornou uma referência com o seu trabalho em qualidade na Clínica Mayo. Recomendam que se  estabelecem pilares centrais a serem levados em consideração no desenvolvimento de um projeto.

Três questões norteiam a filosofia de Kano, hoje professor  emérito na Universidade de Tokyo e que desenvolveu o seu modelo nos anos 80, não especificamente para a saúde: 

1) é possível eliminar problemas de qualidade que surgem porque as expectativas dos clientes não são supridas? 

2) é possível reduzir custos significativamente e manter ou aumentar a qualidade?

3) é possível expandir as expectativas dos clientes ao fornecer produtos e serviços que normalmente não são valorizados?

 

Já a abordagem de Swensen (b) estrutura os projetos em quatro categorias: 

A) melhora da experiência dos clientes (os pacientes),

B) benefícios para a reputação da organização 

C) efeitos sobre a equipe, a cultura organizacional e o orgulho de fazer parte dela (a que se refere pelo termo em francês  “esprit de corps”) 

D) retorno financeiro.

 

O novo modelo de Shah e Course criou um híbrido dos dois anteriores, na tentativa de deixá-lo mais completo. Recomendam descrever e apresentar um projeto de gestão da qualidade em saúde dividindo-o em seis níveis de impacto:

 

— 1º) Experiência do paciente: mostre quais são os benefícios para a atividade-fim. Esse nível de impacto  alinha-se  totalmente ao propósito central do negócio, por isso, ele muito importante: são os benefícios para os pacientes, os prestadores de cuidados  e a família (a quem servimos). Trata-se da redução de úlceras de pressão, redução de medicações não tomadas pelos pacientes, melhorar a  satisfação dos pacientes etc….

— 2º) Equipe: explique os benefícios sobre o trabalho dos funcionários. É importante mostrar o projeto reforçará o sentimento de autonomia, de fazer a diferença, além de conectar a equipe aos propósitos da organização. Isso favorece laços fortes e coesos.

— 3º) Produtividade e eficiência:  Repensam a conduta antiga, e analise como  fazer mais com menos. Gera um grande  impacto . Um exemplo é estudar o fluxo de entrada dos pacientes para acelerar o atendimento, pode libertar capacidade sem precisar fazer investimentos.

— 4º) Novos custos: apresente o impacto de evitar o problema que o projeto envolve. São os benefícios para evitar custos que não foram planeados, invisíveisnuma primeira análise. Estime os custos de lidar com cada evento adverso ou variável que está a procurar resolver.

— 5º) Custos antigos: demonstre como o projeto libera capacidade/recursos usados sem necessidade. Esse é o nível que todos se lembram de mostrar na hora de fazer o projeto. Qual é o custo já previsto que o projeto elimina no sistema?

— 6º) Receitas: explique como melhora a imagem para poder atrair novos negócios e oportunidades de receitas. Esse benefício confere uma vantagem competitiva. Se a organização conseguir mostrar que é um prestador de serviços de alta qualidade, pode atrair negócios. O projeto pode, inclusive, criar novas fontes de receitas, ao exportar know-how e treino para outras instituições.

 

O autores alertam de que é preciso pensar num portfólio de projetos, para criar um equilíbrio. Nem todos cortarão inteiramente custos já existentes. A maior parte dos impactos costuma ser como evitar custos futuros, não sobre libertar fundos de maneio – mas esses impactos sobre libertação de fundos também existe, só que em número menor.

Para criar esse portfólio diversificado de projetos, o ideal é pedir para cada setor da instituição identificar potencial para redução de custos. As áreas que costumam ser boas candidatas são aquelas em que o custo é alto e não há processos bem definidos: vai gastar-se pouca energia para conseguir bons rendimentos. Por isso, é fundamental mapear os custos das áreas e fazer diagramas de processos, para entender onde há espaço para melhorias.

 

Par mais informações sobre este tema consultar:

(a) Shah, Amar; Course, Steven. Building the business case for quality improvement: a framework for evaluating return on investment future. Hosp J June (2018) 5:132-137; doi:10.7861/futurehosp.5-2-132sen:

(b) Swensen SJ, Dilling JA, Mc Carty PM, Bolton JW, Harper CM Jr. The business case for health-care quality improvement. J Patient Saf. 2013 Mar;

9(1):44-52. doi: 10.1097/PTS.0b013e3182753e33.

 

Fonte: IBSP- Instituto Brasileiro para a Segurança do Paciente/Marcela Buscato

 

 

Recomendado pelos leitores

Como as bactérias orais comuns tornam o cancro do cólon mais mortal
ARTIGOS

Como as bactérias orais comuns tornam o cancro do cólon mais mortal

LER MAIS

Estudo conclui que uma higiene oral eficaz pode ajudar  a evitar disfunção erétil
ARTIGOS

Estudo conclui que uma higiene oral eficaz pode ajudar a evitar disfunção erétil

LER MAIS

Especialistas da FDI publicam orientação sobre administração de antibióticos em Medicina Dentária
ARTIGOS

Especialistas da FDI publicam orientação sobre administração de antibióticos em Medicina Dentária

LER MAIS

Translate:

OJD 64 JULHO 2019

OJD 64 JULHO 2019

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.