O JornalDentistry em 2022-9-23

ARTIGOS

Conexões entre a doença das gengivas e a doença de Alzheimer

Investigadores da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lancashire Central (UCLan) foram os primeiros a relatar uma ligação mais forte entre a doença das gengivas e a doença de Alzheimer.

Porphyromonas gingivalis, which secretes the deadly enzyme gingipains. Credit:o da foto: University of Central Lancashire

Dois novos estudos do mesmo grupo de investigação da Faculdade de Medicina Dentária da da Universidade de Lancashire Central  demonstram que estão a ser feitos progressos na criação de ligações muito mais fortes entre a doença das gengivas na boca e a deterioração da função cerebral.
Os estudos são incrivelmente oportunos, já que o dia 21 de setembro é o mês mundial de Alzheimer. Assinalando este importante dia de consciencialização, os dois novos estudos — publicados no Journal of Alzheimer's Disease e no Journal of Alzheimer's Disease Reports, respectivamente — dão uma melhor compreensão das lesões da doença de Alzheimer no cérebro: tecnicamente conhecidas como placas amiloide-beta e emaranhados neurofibrilhadores.
A doença de Alzheimer é o tipo de demência mais comum, causando progressivamente deterioração da memória, capacidades de raciocínio e capacidade de comunicação. A causa exata desta doença ainda não é totalmente compreendida, o que significa que é uma doença difícil de prevenir e tratar.
Foi demonstrado anteriormente que a bactéria Porphyromonas gingivalis que destrói o tecido das gengivas e a enzima que produz, conhecida como gingipains, estão especificamente ligadas à doença de Alzheimer, depois de ambas terem sido descobertas no tecido cerebral daqueles que sofrem da doença. Estes novos estudos vão mais longe na exploração de como a doença das gengivas e as suas proteínas bacterianas podem potencialmente contribuir para a formação de lesões no cérebro.
O primeiro estudo, a ser publicado no Journal of Alzheimer's Disease, mostra que as células nervosas do cérebro contêm um tipo de proteína chamada tau. Quando tau encontra a enzima gingipains, o tau é  libertado da célula nervosa. Uma vez libertado, o tau muda fisicamente, sob a forma de bobinas e filamentos não enrolados. Estes filamentos de tau então re-anexam-se à célula nervosa e tornam-se incorporados na lesão conhecida como emaranhados neurofibrilhadores, acabando por matar as células nervosas.
O que isto significa é que uma vez que uma célula nervosa morre e a proteína tau livre vaza para o cérebro, o tau pode ligar-se a células nervosas vizinhas saudáveis, repetindo o processo e levando a mais danos no cérebro à medida que a doença se espalha.
O segundo estudo, publicado no Journal of Alzheimer's Disease Reports, analisa a forma como a enzima gingipains, libertada pela bactéria, pode contribuir para a formação de placas amiloid-beta - outra das lesões, juntamente com os emaranhados, que se formam no cérebro daqueles que sofrem de Alzheimer.
Estes estudos são pequenos passos na luta contra o Alzheimer, mas os resultados são significativos na compreensão do papel dos gingipains e como são fundamentais para a formação de lesões. Espera-se que estudos como estes ajudem a desenvolver tratamentos futuros.
Shalini Kanagasingam, Especialista Endodontista e Docente Clínico Sénior da UCLan, que liderou o estudo, (supervisionado pelo Dr. Sim K. Singhrao) disse: "O que este tipo de investigação prova é a importância da nossa saúde oral. Estes estudos destacam a mensagem-chave de que uma boca saudável é importante para manter um corpo e mente saudáveis."
 
Fonte: MedicalXpress /  University of Central Lancashire

Recomendado pelos leitores

Bebés com lábio leporino suscetíveis de ter idade adulta normal: Estudo
ARTIGOS

Bebés com lábio leporino suscetíveis de ter idade adulta normal: Estudo

LER MAIS

Novas pesquisas mostram que a COVID-19 impacta negativamente a função de memória
ARTIGOS

Novas pesquisas mostram que a COVID-19 impacta negativamente a função de memória

LER MAIS

Leucoplasia: causas, sintomas e tratamento
ARTIGOS

Leucoplasia: causas, sintomas e tratamento

LER MAIS

Translate:

OJD 100 NOVEMBRO 2022

OJD 100 NOVEMBRO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.