O JornalDentistry em 2020-7-30

ARTIGOS

De acordo com uma nova pesquisa os Dentes servem como “arquivo da vida”

Uma equipe de pesquisadores da New York University. descobriu que os dentes constituem um arquivo biológico permanente e fiel de toda a vida do indivíduo, da formação dos dentes à morte.

O seu trabalho fornece novas evidências do impacto que eventos, como reprodução e prisão, têm sobre um organismo.

 

"Nossos resultados deixam claro que o esqueleto não é um órgão estático, mas sim dinâmico", explica Paola Cerrito, candidata a doutorado no Departamento de Antropologia e Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Nova York e principal autor do artigo, publicado na revista  Scientific Reports.

Os outros autores do artigo incluem Shara Bailey, professora do Departamento de Antropologia da NYU, Bin Hu, cientista associado da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Nova York, e Timothy Bromage, professor da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Nova York.

A pesquisa  concentrou-se no cementum o tecido dental que cobre a raiz do dente. Começa a formar camadas anuais - semelhantes aos "anéis" de uma árvore - a partir do momento em que o dente surge na boca.

"A descoberta de que detalhes íntimos da vida de uma pessoa são registrados neste tecido pouco estudado promete trazer cementum diretamente ao centro de muitos debates atuais sobre a evolução da história da vida humana", diz Bromage.

O estudo publicado no Scientific Reports testou a hipótese de que eventos fisiologicamente impactantes - como reprodução e menopausa em mulheres e encarceramento e doenças sistêmicas em homens e mulheres - deixam mudanças permanentes na microestrutura do cementum e que essas mudanças podem ser cronometradas com precisão.

"A microestrutura do cementum, visível apenas através de exame microscópico, pode revelar a organização subjacente das fibras e partículas que compõem o material dessa parte do dente", observa Cerrito, que obteve o seu diploma de bacharel na Universidade Sapienza de Roma.

No seu trabalho, os cientistas examinaram quase 50 dentes humanos, com idades entre 25 e 69 anos, extraídos de uma coleção esquelética com histórico médico conhecido e dados sobre estilo de vida, como idade, doenças e movimento (por exemplo, de ambientes urbanos para rurais). Muitas dessas informações foram obtidas através de parentes mais próximos dos sujeitos. Usaram uma série de técnicas de imagem que iluminavam bandas de cementum, ou anéis, e vinculavam cada uma dessas bandas a diferentes estágios da vida, revelando conexões entre a formação dentária e outras ocorrências.

"Um dente não é uma parte estática e morta do esqueleto", observa Cerrito. "Ajusta continuamente e responde a processos fisiológicos.

"Assim como anéis de árvores, podemos olhar para 'anéis de dente': camadas de tecido em crescimento contínuo na superfície da raiz dentária. Esses anéis são um arquivo fiel das experiências fisiológicas e stressantes de um indivíduo, de gestações e doenças a encarceramentos e menopausa que deixam uma marca permanente distintiva ".

 

Fonte: Universidade de Nova York / ScienceDaily

Artigo original ScienceDaily: 

www.sciencedaily.com/releases/2020/03/200325110912.htm

Recomendado pelos leitores

A má higiene oral pode afetar a precisão de testes SARS-CoV-2
ARTIGOS

A má higiene oral pode afetar a precisão de testes SARS-CoV-2

LER MAIS

Neutrófilos sacrificam-se para aumentar a resposta imunológica aos vírus
ARTIGOS

Neutrófilos sacrificam-se para aumentar a resposta imunológica aos vírus

LER MAIS

Dor do cancro oral associada à disseminação de doenças
ARTIGOS

Dor do cancro oral associada à disseminação de doenças

LER MAIS

Translate:

OJD 77 OUTUBRO 2020

OJD 77 OUTUBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.