O JornalDentistry em 2021-11-11

ARTIGOS

Dentes de bebé poderão um dia ajudar a identificar crianças em risco de distúrbios mentais mais tarde

De acordo com uma investigação inovadora a espessura das marcas de crescimento nos dentes primários pode ajudar a identificar crianças em risco de depressão e outros distúrbios de saúde mental mais tarde na vida,

A equipa analisou 70 dentes primários recolhidos de 70 crianças matriculadas no estudo Children of the 90s (também conhecido como Avon Longitudinal Study of Parents and Children) sediado na Universidade de Bristol. Os pais doaram dentes primários (especificamente, os dentes  caninos) que naturalmente caíram das bocas de crianças dos 5 aos 7 anos.
Os resultados deste estudo poderão um dia conduzir ao desenvolvimento de uma ferramenta muito necessária para identificar as crianças que foram expostas a adversidades precoces, o que é um fator de risco para  problemas psicológicos, permitindo que sejam monitorizadas e orientadas para tratamentos preventivos, se necessário.
A origem deste estudo remonta a vários anos, quando a autora sénior Erin C. Dunn, SCD, MPH, aprendeu sobre o trabalho no campo da antropologia que poderia ajudar a resolver um problema de longa data na sua própria pesquisa. Dunn é uma epidemiologista social e psiquiátrico e investigador da Unidade de Genética Psiquiátrica e Neurodesenvolvimental da MGH. Estuda os efeitos da adversidade infantil, que a pesquisa sugere ser responsável por até um terço de todos os distúrbios de saúde mental. Dunn está particularmente interessado no momento destes acontecimentos adversos e em descobrir se há períodos sensíveis durante o desenvolvimento infantil quando a exposição às adversidades é particularmente prejudicial. No entanto, Dunn nota que ela e outros cientistas carecem de ferramentas eficazes para medir a exposição às adversidades infantis. Perguntar às pessoas (ou aos seus pais) sobre experiências dolorosas nos seus primeiros anos é um método, mas isso é vulnerável a má memória ou relutância em partilhar memórias difíceis. "É um obstáculo para este campo", diz Dunn.
No entanto, Dunn ficou intrigada ao saber que os antropólogos há muito que estudam os dentes das pessoas de épocas passadas para aprender sobre as suas vidas. "Os dentes criam um registo permanente de diferentes tipos de experiências de vida", diz. A exposição a fontes de stress físico, como má nutrição ou doença, pode afetar a formação do esmalte dentário e resultar em linhas de crescimento pronunciadas dentro dos dentes, chamadas linhas de stress, que são semelhantes aos anéis numa árvore que marca a sua idade. Assim como a espessura dos anéis de crescimento das árvores pode variar com base no clima que rodeia a árvore à medida que se forma, as linhas de crescimento dos dentes também podem variar com base no ambiente e experiências que uma criança tem no útero e pouco tempo depois, o tempo em que os dentes se formam. Pensa-se que linhas de stress mais grossas indicam condições de vida mais stressantes.
Dunn desenvolveu uma hipótese de que a largura de uma variedade em particular, chamada linha neonatal (NNL), poderia servir como um indicador de se a mãe de um bebé experimentou altos níveis de stress psicológico durante a gravidez (quando os dentes já estão se estão a formar) e no período inicial após o nascimento.
Para testar esta hipótese, Dunn e dois coautores - a investigadora de pós-doutoramento Rebecca V. Mountain, phD, e o analista de dados Yiwen Zhu, MS, que estavam  na Unidade de Genética Psiquiátrica e Neurodesenvolvimental na altura do estudo -- lideraram uma equipa que analisou os dentes. A largura do NNL foi medida com microscópios. As mães preencheram questionários durante e pouco tempo depois da gravidez que perguntaram sobre quatro fatores que se sabe afetarem o desenvolvimento da criança: eventos stressantes no período pré-natal, histórico maternal de problemas psicológicos, qualidade da vizinhança (se o nível de pobreza era elevado ou não era inseguro, por exemplo) e nível de apoio social.
Vários padrões claros surgiram. As crianças cujas mães tinham histórias de depressão severa ou outros problemas psiquiátricos, bem como mães que sofreram depressão ou ansiedade às 32 semanas de gravidez, eram mais propensos do que outras crianças a ter NNLs mais grossos. Enquanto isso, os filhos de mães que receberam apoio social significativo pouco depois da gravidez tendiam a ter NNLs mais finos. Estas tendências mantiveram-se intactas após os investigadores terem controlado outros fatores que são conhecidos por influenciar a largura do NNL, incluindo a suplementação de ferro durante a gravidez, a idade gestacional (o tempo entre a conceção e o nascimento) e a obesidade materna.
Ninguém tem a certeza do que faz formar as  NNL, diz Dunn, mas é possível que uma mãe que tenha ansiedade ou depressão possa produzir mais cortisol, a "hormona do stress", que interfere com as células que criam esmalte. A inflamação sistémica é outro candidato, diz Dunn, que espera estudar como o NNL se forma. E se as conclusões desta pesquisa puderem ser replicadas num estudo maior,  acredita que o NNL e outras marcas de crescimento dentário podem ser usados no futuro para identificar crianças que foram expostas a adversidades precoces. "Então podemos ligar essas crianças a intervenções", diz Dunn, "para que possamos prevenir o aparecimento de distúrbios de saúde mental, e fazê-lo o mais cedo possível."
Dunn também é professora associada de Psiquiatria na Harvard Medical School. Mountain


Fonte: ScienceDaily/University of Bristol

Artigo ScienceDaily


 

Recomendado pelos leitores

Cigarros Eletrónicos e a  Medicina Dentária
ARTIGOS

Cigarros Eletrónicos e a Medicina Dentária

LER MAIS

Nova técnica ajuda investigadores a entender como o ácido danifica os dentes
ARTIGOS

Nova técnica ajuda investigadores a entender como o ácido danifica os dentes

LER MAIS

Novo tratamento para o cancro da orofaringe associado ao Vírus do Papiloma Humano (VPH)
ARTIGOS

Novo tratamento para o cancro da orofaringe associado ao Vírus do Papiloma Humano (VPH)

LER MAIS

Translate:

OJD 89 NOVEMBRO 2021

OJD 89 NOVEMBRO 2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.