O JornalDentistry em 2022-4-04

ARTIGOS

Desenvolvido o primeiro teste de PCR do mundo para o cancro da boca

Chegou uma nova arma na luta contra o cancro: o primeiro teste de PCR do mundo para o cancro da boca. Os resultados são obtidos em 90 minutos

Como funciona e quais são as implicações para melhorar as taxas de cancro da boca? 

A deteção precoce é fundamental para sobreviver ao cancro e os investigadores desenvolveram uma ferramenta inovadora para ajudar este esforço. Investigadores da Universidade Queen Mary de Londres desenvolveram o primeiro teste de PCR do mundo para o cancro da boca. A precisão do teste foi demonstrada em pacientes da China, Índia e Reino Unido e os resultados são publicados na revista internacional Cancers. Nomeado o Sistema De Diagnóstico De Índice Maligno Quantitativo (qMIDS) pelo inventor Dr. Muy-Teck Teh, tem o potencial de aliviar a pressão sobre o SNS e pode melhorar a deteção precoce do cancro oral.

Como funciona O teste é rápido e fácil. Só precisa da máquina PCR utilizada nos testes Covid e de um técnico para a operar.

Uma amostra minúscula (do tamanho de meio grão de arroz) é retirada da área suspeita na boca do paciente e o teste demora apenas 90 minutos depois de chegar ao técnico – semelhante a um teste Covid PCR.

Até agora não houve uma maneira perfeita de identificar as lesões suscetíveis de se desenvolverem em cancro. Existe um sistema de classificação que os patologistas orais altamente qualificados usam para avaliar as amostras de tecido através de um microscópio. No entanto, este sistema de classificação nem sempre prevê ou captura com precisão as lesões que irão ou se tornarão cancerígenas.

Isto porque as primeiras alterações – desde o pré-maligno ao cancerígeno – acontecem a um nível genético e químico, que não pode ser captado por um microscópio.

As pré-malignida desocorrem geralmente num único local, mas também podem afetar toda a boca. Isto pode dificultar a decisão de um clínico onde recolher amostras.

Nestes casos, o médico pode precisar de fazer várias biópsias. Mesmo assim, podem não capturar a área que se tornará cancerígena. Sem saber definitivamente se uma lesão é cancerígena, os pacientes com pré-malignidade devem ser revistos regularmente durante um longo período de tempo, mesmo que estejam em baixo risco, criando ansiedade e perturbação para o paciente, bem como custos para o SNS.

Por outro lado, se um caso "leve" se desenvolve em cancro, o paciente pode já ter tido alta hospitalar, por isso muitas vezes atrasam a procura de tratamento porque acham que não têm cancro.

Como resultado deste atraso, o tratamento é mais agressivo, dispendioso e menos propenso a ter sucesso.

É aqui que o QMIDS intervém. A precisão de diagnóstico do teste significaria que 90% dos doentes de baixo risco poderiam ter alta do hospital para voltar ao seu médico dentista 

Casos de alto risco também poderiam ser detetados no período pré-cancro e tratados definitivamente, salvando assim a vida do paciente com uma cirurgia menor, melhores taxas de cura e qualidade de vida, bem como uma enorme redução dos custos do serviço de saúde.

O processo de teste é em grande parte automatizado, eliminando a necessidade de patologistas caros. Também não há necessidade de biópsias invasivas. Os testes podem ser realizados em vários locais quando os pacientes têm lesões que afetam grandes áreas em toda a boca.

Poderia, portanto, ser rapidamente lançado em todo o mundo a um baixo custo. Cirurgiões e médicos dentistas em qualquer parte do mundo podem usar este teste para amostras de tecido minimamente invasivo porque tudo o que precisa é de uma máquina de PCR e o técnico que a opera. "o qMIDS vai ajudar-nos a identificar pacientes com pré-malignidades que nunca se transformarão em cancro, para que possam ser tranquilizados e dispensados da revisão hospitalar. Os doentes com pré-ansiedade de alto risco podem fazer uma pequena cirurgia para remover a lesão antes de se transformar em cancro, curando assim o paciente e salvando-os de uma grande cirurgia, o que por sua vez reduz os custos do serviço de saúde. É uma ferramenta poderosa especialmente quando usada em conjunto com a avaliação convencional da histopatologia."


Autor: Adam Chapman
Fonte:  Oral Cancer Foundation / www.express.co.uk

Artigo OCF

Recomendado pelos leitores

Cuidados dentários e a diabetes e/ou doença sanguínea coronária
ARTIGOS

Cuidados dentários e a diabetes e/ou doença sanguínea coronária

LER MAIS

Hidratos de carbono e alimentos açucarados podem influenciar má saúde oral
ARTIGOS

Hidratos de carbono e alimentos açucarados podem influenciar má saúde oral

LER MAIS

Usar dentaduras pode afetar a nutrição
ARTIGOS

Usar dentaduras pode afetar a nutrição

LER MAIS

Translate:

OJD 94 ABRIL 2022

OJD 94 ABRIL  2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.