O JornalDentistry em 2020-7-24

ARTIGOS

Desenvolvimento de novo teste COVID-19 à base de saliva que muda de cor com resultados em 45 minutos

Pesquisadores do Instituto BioFrontiers da University of Colorado em Boulder desenvolveram um teste COVID-19 à base de saliva que muda de cor, de rosa para amarelo, quando positivo, rápido, portátil e capaz de fornecer resultados em 45 minutos.

Crédito: Glenn Asakawa / University of Colorado at Boulder

Esse teste pode eventualmente ser implementado em ambientes comunitários, como escolas e fábricas.
"Estamos a enfrentar uma séria escassez de testes, à medida que mais pessoas o desejam fazer  e os laboratórios de diagnóstico ficam sobrecarregados", comentou Nicholas Meyerson, do Sawyer Lab no BioFrontiers Institute da Colorado University em Boulder. "Desenvolvemos um teste que poderá fornecer resultados muito mais rapidamente".

O teste, descrito no arquivo online MedRxiv.org, foi desenvolvido para uma triagem generalizada afim de ajudar a identificar indivíduos assintomáticos. A pesquisa mostra que as pessoas infetadas com o vírus, mas sem sintomas óbvios, representam 70% dos casos e ainda podem transmitir a doenças. Nesse novo teste, um usuário cospe para um tubo, adiciona uma solução para estabilizá-lo, fecha a tampa e entrega-o para a equipe de teste. A equipa processam as amostras através de um sistema simples que requer pouco mais do que pipetas, uma fonte de aquecimento e uma mistura de enzimas. 

Se a amostra mudar de rosa para amarelo, o teste é positivo. Se não, é negativo. 

Os pesquisadores consideram como não são necessários swabs, nem equipamentos sofisticados, os testes são menos vulneráveis ​​a atrasos e escassez na cadeia de fornecimento. 

"Todos testes que foram aprovado até o momento exige que a amostra, mesmo que seja saliva, seja processada num laboratório de diagnóstico clínico ou num consultório médico, usando equipamentos sofisticados. Isso pode levar até nove dias atualmente", disse a professora Sara Sawyer, uma virologista do Departamento de Biologia Celular e do Desenvolvimento Molecular que liderou o desenvolvimento do teste.

Chave de teste rápida e frequente para reduzir a propagação 

O teste é baseado numa tecnologia com 20 anos, conhecida como amplificação isotérmica mediada por loop de transcrição reversa (RT-LAMP) usada anteriormente, por exemplo, para rastrear mosquitos com o vírus Zika em regiões remotas da América do Sul. 

Depois que uma amostra é recolhida, é aquecida para libertar qualquer genoma viral presente no líquido de teste. Esta amostra é então adicionada a três tubos, cada um contendo uma mistura enzimática personalizada que, quando aquecida a uma certa temperatura, sofre uma reação química quando o material genético de SARS-CoV-2 é detetado. Esse é o vírus que causa o COVID-19. 

Numa experiência descrito no artigo, os pesquisadores conduziram um teste que é conhecido como "validação clínica artificial". Um pesquisador apresentou 30 de 60 amostras de saliva com SARS-CoV-2 inativado no laboratório. Em seguida, baralharam as amostras e entregaram-nas a outro cientista para testar com a tecnologia RT-LAMP. 

"O teste previu com 100% de precisão todas as amostras negativas e 29 de 30 amostras positivas foram previstas com precisão", disse Meyerson, observando que o 30º teste foi considerado inconclusivo. Testes adicionais para validação de terceiros estão em curso. 
"A nossa modelagem mostrou que um teste  sensível ou super sensível não é tão importante", disse Roy Parker, diretor da BioFrontiers, coautor do artigo, que ainda não foi revisto por pares. "O importante é o teste frequente, com os resultados com retorno o mais rápido possível, e identificar pessoas infetadas mais rapidamente e pode limitar novas infeções".

Idealmente, a equipe vê o teste como uma "ferramenta de triagem".

"Aqueles que dão positivo podem se colocar em quarentena enquanto aguardam o teste confirmatório", disse Sawyer.

A equipe de pesquisa, em cooperação com a Venture Partners da CU Boulder, criou uma empresa spinoff, a Darwin Biosciences, para comercializar o teste.

"Apesar de todos estarmos muito otimistas sobre uma vacina contra o coronavírus, os cientistas trabalham com uma vacina contra o HIV há 30 anos sem sucesso", disse Sawyer. "Enquanto isso, a pandemia de HIV mostrou-nos que o teste generalizado pode fazer uma grande diferença."

Autor: Lisa Marshallc  — University of Colorado,  Boulder

Fonte: MedicalXPress / University of Colorado

 

 

Recomendado pelos leitores

A má higiene oral pode afetar a precisão de testes SARS-CoV-2
ARTIGOS

A má higiene oral pode afetar a precisão de testes SARS-CoV-2

LER MAIS

Neutrófilos sacrificam-se para aumentar a resposta imunológica aos vírus
ARTIGOS

Neutrófilos sacrificam-se para aumentar a resposta imunológica aos vírus

LER MAIS

Dor do cancro oral associada à disseminação de doenças
ARTIGOS

Dor do cancro oral associada à disseminação de doenças

LER MAIS

Translate:

OJD 76 SETEMBRO 2020

OJD 76 SETEMBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.