O JornalDentistry em 2020-7-24

ARTIGOS

Desenvolvimento de novo teste COVID-19 à base de saliva que muda de cor com resultados em 45 minutos

Pesquisadores do Instituto BioFrontiers da University of Colorado em Boulder desenvolveram um teste COVID-19 à base de saliva que muda de cor, de rosa para amarelo, quando positivo, rápido, portátil e capaz de fornecer resultados em 45 minutos.

Crédito: Glenn Asakawa / University of Colorado at Boulder

Esse teste pode eventualmente ser implementado em ambientes comunitários, como escolas e fábricas.
"Estamos a enfrentar uma séria escassez de testes, à medida que mais pessoas o desejam fazer  e os laboratórios de diagnóstico ficam sobrecarregados", comentou Nicholas Meyerson, do Sawyer Lab no BioFrontiers Institute da Colorado University em Boulder. "Desenvolvemos um teste que poderá fornecer resultados muito mais rapidamente".

O teste, descrito no arquivo online MedRxiv.org, foi desenvolvido para uma triagem generalizada afim de ajudar a identificar indivíduos assintomáticos. A pesquisa mostra que as pessoas infetadas com o vírus, mas sem sintomas óbvios, representam 70% dos casos e ainda podem transmitir a doenças. Nesse novo teste, um usuário cospe para um tubo, adiciona uma solução para estabilizá-lo, fecha a tampa e entrega-o para a equipe de teste. A equipa processam as amostras através de um sistema simples que requer pouco mais do que pipetas, uma fonte de aquecimento e uma mistura de enzimas. 

Se a amostra mudar de rosa para amarelo, o teste é positivo. Se não, é negativo. 

Os pesquisadores consideram como não são necessários swabs, nem equipamentos sofisticados, os testes são menos vulneráveis ​​a atrasos e escassez na cadeia de fornecimento. 

"Todos testes que foram aprovado até o momento exige que a amostra, mesmo que seja saliva, seja processada num laboratório de diagnóstico clínico ou num consultório médico, usando equipamentos sofisticados. Isso pode levar até nove dias atualmente", disse a professora Sara Sawyer, uma virologista do Departamento de Biologia Celular e do Desenvolvimento Molecular que liderou o desenvolvimento do teste.

Chave de teste rápida e frequente para reduzir a propagação 

O teste é baseado numa tecnologia com 20 anos, conhecida como amplificação isotérmica mediada por loop de transcrição reversa (RT-LAMP) usada anteriormente, por exemplo, para rastrear mosquitos com o vírus Zika em regiões remotas da América do Sul. 

Depois que uma amostra é recolhida, é aquecida para libertar qualquer genoma viral presente no líquido de teste. Esta amostra é então adicionada a três tubos, cada um contendo uma mistura enzimática personalizada que, quando aquecida a uma certa temperatura, sofre uma reação química quando o material genético de SARS-CoV-2 é detetado. Esse é o vírus que causa o COVID-19. 

Numa experiência descrito no artigo, os pesquisadores conduziram um teste que é conhecido como "validação clínica artificial". Um pesquisador apresentou 30 de 60 amostras de saliva com SARS-CoV-2 inativado no laboratório. Em seguida, baralharam as amostras e entregaram-nas a outro cientista para testar com a tecnologia RT-LAMP. 

"O teste previu com 100% de precisão todas as amostras negativas e 29 de 30 amostras positivas foram previstas com precisão", disse Meyerson, observando que o 30º teste foi considerado inconclusivo. Testes adicionais para validação de terceiros estão em curso. 
"A nossa modelagem mostrou que um teste  sensível ou super sensível não é tão importante", disse Roy Parker, diretor da BioFrontiers, coautor do artigo, que ainda não foi revisto por pares. "O importante é o teste frequente, com os resultados com retorno o mais rápido possível, e identificar pessoas infetadas mais rapidamente e pode limitar novas infeções".

Idealmente, a equipe vê o teste como uma "ferramenta de triagem".

"Aqueles que dão positivo podem se colocar em quarentena enquanto aguardam o teste confirmatório", disse Sawyer.

A equipe de pesquisa, em cooperação com a Venture Partners da CU Boulder, criou uma empresa spinoff, a Darwin Biosciences, para comercializar o teste.

"Apesar de todos estarmos muito otimistas sobre uma vacina contra o coronavírus, os cientistas trabalham com uma vacina contra o HIV há 30 anos sem sucesso", disse Sawyer. "Enquanto isso, a pandemia de HIV mostrou-nos que o teste generalizado pode fazer uma grande diferença."

Autor: Lisa Marshallc  — University of Colorado,  Boulder

Fonte: MedicalXPress / University of Colorado

 

 

Recomendado pelos leitores

De acordo  com uma nova pesquisa os Dentes servem como “arquivo da vida”
ARTIGOS

De acordo com uma nova pesquisa os Dentes servem como “arquivo da vida”

LER MAIS

Alguns meses de “Vaping” colocam pessoas saudáveis em risco de  doença oral
ARTIGOS

Alguns meses de “Vaping” colocam pessoas saudáveis em risco de doença oral

LER MAIS

A doença gengival pode aumentar o risco de alguns tipos de cancro
ARTIGOS

A doença gengival pode aumentar o risco de alguns tipos de cancro

LER MAIS

Translate:

OJD 75 JULHO 2020

OJD 75 JULHO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.