O JornalDentistry em 2018-6-11

ARTIGOS

Dieta rica em carboidratos pode aumentar o risco de mortalidade em certos tipos de cancro

De acordo com um estudo publicado pelo International Journal of Cancer, o consumo carboidratos simples pode aumentar o risco de recorrência em pacientes com cancro de cabeça e pescoço.

Novas descobertas sugerem que a dieta do paciente pode ter um impacto significativo na sua capacidade de combater o cancro.

Os autores  sugerem também que pacientes que consomem moderadamente gorduras e amidos após o tratamento, como grãos integrais, batatas e legumes, são menos propensos a ter uma recorrência do cancro de cabeça e pescoço.

O estudo acompanhou mais de 400 pacientes por 26 meses após o diagnóstico inicial de carcinoma de células escamosas na cabeça ou no pescoço. A maioria dos pacientes foi tratada a cancro oral ou orofaríngico, incluindo cancro de amígdalas, língua e tecido adjacente.

Os pacientes foram diagnosticados no estágio 3 ou 4 do cancro com uma idade média de 61 anos. Durante o estudo, o cancro recorreu 17%, resultando em 42 mortes. Outros 70 pacientes morreram de outras causas durante o estudo.

Os pesquisadores examinaram todos os alimentos, bebidas e suplementos alimentares consumidos pelos participantes durante um ano antes do tratamento e um ano após o tratamento.

Os autores descobriram que aqueles que consumiram menor quantidade de carboidratos simples, como grãos refinados, sobremesas e bebidas açucaradas, 1,3 porções por dia, enquanto os aqueles que consumiam mais consumiam atingiam as 4,4 porções de carboidratos simples.

De acordo com os autores, os pacientes que consumiram uma quantidade elevada de carboidratos - como sacarose, frutose, lactose e maltose - antes do tratamento tiveram um risco maior de mortalidade do que aqueles que consumiram menos carboidratos.

Enquanto a ingestão de carboidratos pode estar ligada à taxa de mortalidade entre os pacientes, as associações variaram por tipo de cancro     e estágio. Os pacientes  com cancro na  cavidade oral foram considerados como tendo um maior risco de mortalidade devido a uma alta ingestão de carboidratos, enquanto os pacientes  com cancro da faringe não foram afetados pela ingestão de carboidratos, de acordo com os resultados.

Uma alta ingestão de carboidratos também foi associada a um aumento do risco de mortalidade entre os pacientes com cancros nos estágios 1 a 3, enquanto aqueles com cancro no estágio 4 não estavam em risco aumentado devido à ingestão de carboidratos.

Os autores observaram que o consumo moderado de gorduras e alimentos ricos em amido - cerca de 67 gramas por dia - pode reduzir o risco de recorrência e mortalidade.

Os autores também sugerem que, embora exista uma clara associação entre a ingestão de carboidratos e o risco de mortalidade, mais pesquisas precisam ser feitas para determinar se existe uma relação direta.

Os resultados deste estudo sugerem que a dieta desempenha um papel importante no tratamento do cancro e estimula mais pesquisas sobre a relação entre dieta e cancro.

No comunicado à impresa Amy M. Goss, PhD, RD, co-autor do estudo considera que  os resultados, juntamente com os resultados de outros estudos, sugerem que a composição da dieta pode afetar os resultados do cancro. Os autores gostavam de confirmar se isso é verdade usando um projeto de estudo de intervenção prospectivo e identificar os mecanismos subjacentes. Por exemplo, se reduzir o açúcar e outras fontes alimentares de glicose afetam o crescimento do cancro? ”

 

Fonte: Oral Cancer Foundation/www.specialtypharmacytimes.com

Autor: Gina Kokosky

Artigo original OCF: “High carbohydrate diet may increase mortality risk in certain cancers”

Recomendado pelos leitores

A doença periodontal pode ser um iniciador da doença de Alzheimer.
ARTIGOS

A doença periodontal pode ser um iniciador da doença de Alzheimer.

LER MAIS

As bactérias da doença periodontal mesmo depois de mortas continuam a causar danos
ARTIGOS

As bactérias da doença periodontal mesmo depois de mortas continuam a causar danos

LER MAIS

Farmacocinética e Farmacodinâmica na medicina dentária
ARTIGOS

Farmacocinética e Farmacodinâmica na medicina dentária

LER MAIS

Translate:

OJD 55 OUTUBRO de 2018

OJD 55 OUTUBRO de 2018

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.