O JornalDentistry em 2021-8-12

ARTIGOS

Estudo revela novos aspetos da gengivite e da resposta do corpo

Uma equipa liderada por investigadores da Univ. de Washington identificou e classificou, pela primeira vez, como diferentes pessoas respondem à acumulação de placa dentária, o biofilme pegajoso que se acumula nos dentes.

O seu trabalho, recentemente publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), lança uma nova luz importante sobre o porquê de algumas pessoas poderem estar mais propensas a condições graves que conduzam à perda de dentes e outros problemas.

Sem controlo, a acumulação de placas pode induzir gengivite ou inflamação das gengivas. A gengivite, por sua vez, pode levar à periodontite, uma infeção grave da gengiva que danifica o tecido mole e pode destruir o osso que suporta os dentes. Isto não só pode resultar na perda de dentes, como a inflamação crónica também pode estimular outras consequências graves para a saúde, incluindo doenças cardíacas, diabetes, cancro, artrite e doenças intestinais.

Os investigadores também encontraram uma gama de respostas inflamatórias anteriormente não identificadas com a acumulação bacteriana na boca. Quando as bactérias se acumulam nas superfícies dos dentes, gera inflamação, uma ferramenta que o corpo usa para tamponar a acumulação. Anteriormente, existiam dois fenótipos de inflamação oral importantes conhecidos, ou traços individuais: uma resposta clínica alta ou forte e uma resposta clínica baixa. A equipa identificou um terceiro fenótipo, a que chamaram "lento": uma resposta inflamatória forte retardada na sequência da acumulação bacteriana.

O estudo revelou pela primeira vez que indivíduos com baixa resposta clínica também demonstraram uma resposta inflamatória baixa para uma grande variedade de sinais de inflamação. "Na verdade, este estudo revelou uma heterogeneidade na resposta inflamatória à acumulação bacteriana que não foi descrita anteriormente", disse o Dr. Richard Darveau, da UW School of Dentistry, um dos autores do estudo.

O seu colega da Faculdade de Medicina Dentária e co-autor do estudo Dr. Jeffrey McLean disse: "Encontramos um grupo particular de pessoas que têm um desenvolvimento mais lento da placa, bem como uma distinta maquilhagem comunitária microbiana antes do início do estudo." Os autores do estudo escreveram que compreender as variações na inflamação das gengivas poderia ajudar a identificar melhor as pessoas com risco elevado de periodontite. Além disso, é possível que esta variação na resposta inflamatória entre a população humana possa estar relacionada com a suscetibilidade a outras doenças inflamatórias crónicas associadas a bactérias, como a doença inflamatória intestinal.

Além disso, os investigadores encontraram uma nova resposta protetora pelo corpo, desencadeada pela acumulação de placas, que pode salvar tecido e osso durante a inflamação. Este mecanismo, que era aparente entre os três fenótipos, utiliza glóbulos brancos conhecidos como neutrófilos. Na boca, agem como polícias em ritmo, patrulhando e regulando a população bacteriana para manter uma condição estável conhecida como homeostase saudável.

Neste caso, a placa não é um vilão. Pelo contrário, os investigadores disseram que a quantidade adequada e a composição da placa suportam a função normal do tecido. Estudos em ratos também mostraram que a placa também fornece um caminho para os neutrófilos migrarem da corrente sanguínea através do tecido da gengiva e para a fenda entre os dentes e as gengivas.

Quando existe uma homeostase saudável e tudo está a funcionar bem, os neutrófilos promovem a resistência à colonização, uma resposta inflamatória protetora de baixo nível que ajuda a boca a evitar um excesso de bactérias não saudáveis e a resistir à infeção. Ao mesmo tempo, os neutrófilos ajudam a garantir a composição microbiana adequada para a função normal do osso e do tecido periodontal.

As descobertas dos investigadores sublinham por que osmédicos  dentistas pregam as virtudes da escovagem regular e do fio dental, que impedem a acumulação demasiada de placas .

"A ideia de higiene oral é, de facto, recolonizar a superfície dentária com bactérias apropriadas que participam com a resposta inflamatória do hospedeiro para manter as bactérias indesejadas fora". As bactérias começam a repovoar as superfícies da boca espontaneamente e quase imediatamente depois, comentou  Darveau.

 

Fonte: University of Washington School of Dentistry

Artigo original ScienceDaily

Recomendado pelos leitores

Complicações após terapia com implante dentário são comuns
ARTIGOS

Complicações após terapia com implante dentário são comuns

LER MAIS

Complicações orais provocadas pelo Vírus do Papiloma Humano (HIV)
ARTIGOS

Complicações orais provocadas pelo Vírus do Papiloma Humano (HIV)

LER MAIS

Pessoas com periodontite podem ter duas vezes mais probabilidades de serem hipertensos
ARTIGOS

Pessoas com periodontite podem ter duas vezes mais probabilidades de serem hipertensos

LER MAIS

Translate:

OJD 87 SETEMBRO 2021

OJD 87 SETEMBRO 2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.