JornalDentistry em 2024-2-27

ARTIGOS

Genoma de células estaminais orais

Estudo realizado por equipe de pesquisadores do Instituto ADA Forsyth e da Universidade da Carolina do Norte (UNC), Chapel Hillque mapeia genoma de células estaminais orais e abre novas perspetivas para a medicina regenerativa

Os investigadores usaram  a análise transcriptómica unicelular para mapear com sucesso células-tronco da polpa dentária (DPSC) e células-tronco do ligamento periodontal (PDLSC) e encontrou diferenças notáveis entre elas.
O estudo, publicado no Journal of Dental Research, fornece a análise mais detalhada destas células estaminais até à data, identificando todo o genoma das células estaminais e as suas potenciais trajetórias de diferenciação.
"A polpa dentária e as células-tronco do ligamento periodontal têm o potencial de se desenvolver em qualquer tipo de célula do corpo", explicou o cientista da ADA Forsyth, Alpdogan Kantarci, DDS, MSc, Ph.D. que liderou o estudo com o bioestatístico da UNC Di Wu, Ph.D. "Queríamos descobrir como eles eram diferentes e se havia diferenças em sua capacidade de se diferenciar em outros tipos de células."
A equipa descobriu que ambos os tipos de células estaminais têm sete grupos de genes diferentes, com diferentes categorias de genes a refletir diferentes fases do processo de diferenciação.
Quatro desses agrupamentos genéticos foram semelhantes quando se compararam os dois tipos de células estaminais. Três dos agrupamentos eram singularmente diferentes. Enquanto os PDLSC eram mais parecidos com fibroblastos (células que podem se tornar tecido conjuntivo) devido a uma proporção aumentada de certos clusters, os DPSCs tinham maior potencial de diferenciação e se convertiam mais facilmente em células ósseas.
"Esta nova informação sobre a composição genética específica e os mecanismos de diferenciação na polpa dentária e nas células estaminais do ligamento periodontal irá gerar uma nova era de trabalho na medicina regenerativa", disse o Dr. Kantarci. "Poderíamos potencialmente selecionar uma célula-tronco com base nas suas propriedades distintas para criar reparo regenerativo de tecido dentário direcionado e outras terapias regenerativas."
Os cientistas da ADA Forsyth obtiveram as células estaminais de dentes extraídos sem as cultivar (ao contrário de outros estudos destas células estaminais) e enviaram-nas descongeladas para a UNC para análise transcriptómica unicelular. Enquanto isso, também usaram as mesmas células e  diferenciaram-nas em tipos de células conhecidos, como fibroblastos (células que podem se tornar tecido conjuntivo) e osteoblastos (células ósseas).
A equipa utilizou então bioinformática avançada para comparar e documentar a capacidade das duas populações de células estaminais para se diferenciarem em osteoblastos ou fibroblastos. Os resultados da sequenciação do ARN a granel validaram os resultados da transcriptómica unicelular.
"Antes deste estudo, as pessoas acreditavam que as células estaminais eram muito semelhantes entre si ou muito diferentes umas das outras", disse o Dr. Kantarci. "Agora temos informações suficientes para ver o enorme potencial para usar características específicas dessas células-tronco para criar terapias regenerativas mais eficazes e direcionadas."
 
 
Fonte: Forsyth Institut / MedicalXpress
Foto: Unsplash/CCO Public Domain

Recomendado pelos leitores

O Regime Jurídico aplicável à publicidade na medicina dentária
ARTIGOS

O Regime Jurídico aplicável à publicidade na medicina dentária

LER MAIS

Diretrizes para  Medicina Dentária  sobre antibióticos
ARTIGOS

Diretrizes para Medicina Dentária sobre antibióticos

LER MAIS

App projetada para orientação passo a passo em caso de emergência para equipes de medicina dentária
ARTIGOS

App projetada para orientação passo a passo em caso de emergência para equipes de medicina dentária

LER MAIS

Translate:

OJD 115 MARÇO 2024

OJD 115  MARÇO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.