O JornalDentistry em 2021-8-04

ARTIGOS

Inteligência artificial pode ajudar a prever resultados do tratamento com implante

À medida que os implantes dentários se tornam uma modalidade de tratamento cada vez mais comum para pacientes edêntulos, a compreensão dos seus potenciais efeitos secundários torna-se cada vez mais importante.

Um estudo realizado por uma equipa de investigação americana desenvolveu  um novo algoritmo de machine learning  que poderia ajudar os médicos dentistas a prever melhor o risco dos seus pacientes com implantes a  desenvolverem perimplantite.

O estudo foi conduzido por uma equipa interdisciplinar espalhada pela University of Michigan, Michigan State University e a  Harvard School of Dental Medicine. De acordo com os investigadores, a perimplantite afeta as taxas de sucesso a longo prazo de pelo menos 25% dos implantes dentários, uma vez que a inflamação leva à perda de osso de suporte. Complicando ainda mais o tratamento da perimplantite é o facto de não existir atualmente um método fiável para prever com precisão como um indivíduo pode reagir ao tratamento.
Numa tentativa de resolver esta questão, a equipa de pesquisa desenvolveu um algoritmo de a machine learning que intitularam de Fast and Robust Deconvolution of Expression Profiles - FARDEEP.
FARDEEP foi então usado para investigar os perfis clínicos, microbianos e imunes de um grupo de pacientes implantados submetidos a terapia regenerativa para ajudar a corrigir defeitos da perimplanta avançados. Ao fazê-lo, a equipa foi capaz de medir os níveis relativos de certas bactérias destrutivas e células imunitárias úteis em cada amostra de tecido recolhida dos pacientes.
Globalmente, quantidades mais elevadas de tipos de células imunitárias associadas ao controlo microbiano foram fortemente correlacionadas com melhores resultados clínicos. "Quando um paciente tem perimplantite grave, é difícil tomar uma decisão sobre se deve tratar ou remover o implante. A terapia regenerativa é cara e imprevisível; reconstruir o osso e substituir o implante é também um desafio.
A informação sobre o prognóstico pode ser muito útil para determinar qual é o melhor tratamento para cada paciente.
Embora o potencial do FARDEEP seja promissor, os investigadores  reconhecem que serão necessários mais ensaios clínicos antes de poder ser usado por médicos dentistas  para ajudar a prever o risco de perimplantite em pacientes.

O estudo, intitulado "Machine learning-assisted imunit profiling stratifies peri-implantitis patients with unique microbial colonization and clinical outcomes", foi publicado  no Theranostics.  em maio de 2021

 

Fonte: University of Michigan, Michigan State University /  Harvard School of Dental Medicine

Recomendado pelos leitores

Complicações após terapia com implante dentário são comuns
ARTIGOS

Complicações após terapia com implante dentário são comuns

LER MAIS

Complicações orais provocadas pelo Vírus do Papiloma Humano (HIV)
ARTIGOS

Complicações orais provocadas pelo Vírus do Papiloma Humano (HIV)

LER MAIS

Pessoas com periodontite podem ter duas vezes mais probabilidades de serem hipertensos
ARTIGOS

Pessoas com periodontite podem ter duas vezes mais probabilidades de serem hipertensos

LER MAIS

Translate:

OJD 87 SETEMBRO 2021

OJD 87 SETEMBRO 2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.