JornalDentistry em 2023-10-14

ARTIGOS

Microbioma oral relacionado com a gravidade da ferida na boca em pacientes com cancro de cabeça e pescoço

Entre os pacientes com carcinoma de cabeça e pescoço de células escamosas, o microbioma oral está associado à gravidade da mucosite oral (MO), um efeito secundário da radioterapia e quimioterapia que afeta quase todos os pacientes com cancro de cabeça e pescoço (CPC)

São as conclusões de de estudo recentes de uma equipe da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center.

"Nosso estudo sugere que o microbioma oral desempenha um papel importante nos padrões longitudinais da MO e na interação potencial entre o microambiente oral e o desenvolvimento da OM em pacientes com CPC", escreveram os pesquisadores num estudo publicado na revista Cancer.

Com base em dados de 142 pacientes adultos — 91% do sexo masculino, com uma idade média de 57,6 anos e um IMC médio de 29,1, 80% dos quais tinham carcinoma orofaríngico e 75% dos quais receberam quimiorradiação — recém-diagnosticados com carcinoma espinocelular loco-regional da cabeça e pescoço que foram tratados no MD Anderson Cancer Center entre março de 2016 e setembro de 2020,  Os pesquisadores coletaram amostras de pacientes na linha de base antes do tratamento, semanalmente durante o tratamento, durante a visita clínica na conclusão do tratamento e após o término do tratamento.

A Academia Americana de Medicina Oral cita quimioterapia em altas doses e radioterapia localizada em altas doses na região da cabeça e pescoço como os principais fatores de risco para o desenvolvimento de feridas dolorosas na boca, também conhecidas como mucosite oral.

"Estes tratamentos visam eficazmente as células cancerosas que se dividem rapidamente, mas também afetam inadvertidamente células saudáveis normais que se transformam rapidamente, como o revestimento da mucosa oral do interior da boca", como explicou a Academia Americana de Medicina Oral no seu site. "É desencadeada uma série complicada de eventos biológicos que acabam por comprometer a integridade da mucosa oral. Pequenos traumas na boca para falar, mastigar e engolir são suficientes para quebrar a mucosa, resultando na formação de ulcerações dolorosas."

A equipe do MD Anderson Cancer Center, em seu estudo recente, observou descobertas publicadas no Journal of Experimental and Clinical Cancer Research que descobriu que aproximadamente 90% dos pacientes com cancros de cabeça e pescoço tratados com quimioterapia e radioterapia experimentam mucosite oral.

Os pesquisadores do MD Anderson Cancer Center agruparam participantes com padrões semelhantes de gravidade da OM em quatro grupos latentes (LGs): início precoce de altos escores de OM (LG1), pontuações relativamente baixas de OM até as semanas oito e 11 (LG2 e LG3, respectivamente) e pontuações de OM geralmente planas (LG4), como explicado no estudo, que observou que as LGs não variaram de acordo com o tratamento,  variáveis clínicas ou demográficas.

"Na linha de base antes do tratamento do cancro, encontramos diversidade microbiana semelhante dentro de cada indivíduo", escreveram os autores do estudo. "Também encontramos uma diversidade microbiana bastante estável dentro de cada indivíduo ao longo do tempo. É importante ressaltar que, quando avaliamos quais características microbianas específicas estavam correlacionadas com os padrões longitudinais de gravidade da OM, encontramos uma série de características microbianas significativas correlacionadas com os escores de mucosite nos quatro LGs, incluindo o filo Bacteroidota, filo Proteobacteria, classe Bacteroidia, classe Gammaproteobacteria, ordem Enterobacterales, ordem Bacteroidales, família Aerococcaceae, família Prevotellaceae, género Abiotrophia e género Prevotella_7,  o que sugere que esses microrganismos podem potencialmente afetar a progressão da OM."

Por sua vez, os pesquisadores postularam que as características microbianas identificadas podem servir como potenciais candidatos para a prevenção e tratamento da mucosite oral.

"Observamos que a direção da associação das características microbianas variou com a gravidade e persistência da OM", escreveram os autores. "Essas descobertas sugerem o potencial de personalizar os planos de tratamento. A administração de antibióticos para reduzir a presença de características microbianas desfavoráveis positivamente correlacionadas com a gravidade da OM pode ser uma potencial estratégia de intervenção. Por outro lado, o uso de probióticos para aumentar a abundância de bactérias protetoras que estão negativamente correlacionadas com a gravidade da OM ofereceria uma abordagem terapêutica alternativa."

 

Fonte: Oral Cancer Foundation / www.curetoday.com

Autor:uthor: Alex Biese

 

Recomendado pelos leitores

As bactérias orais são importantes para a  saúde – quatro doenças ligadas ao  microbioma oral
ARTIGOS

As bactérias orais são importantes para a saúde – quatro doenças ligadas ao microbioma oral

LER MAIS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral
ARTIGOS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral

LER MAIS

Pacientes com cancro de cabeça e pescoço, podem aplicar implantes dentários antes da radioterapia?
ARTIGOS

Pacientes com cancro de cabeça e pescoço, podem aplicar implantes dentários antes da radioterapia?

LER MAIS

Translate:

OJD 118 JUNHO 2024

OJD 118 JUNHO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.