O JornalDentistry em 2020-7-03

ARTIGOS

Micróbios da língua fornecem uma janela para a saúde do coração

De acordo com uma pesquisa recente apresentada no HFA Discoveries, uma plataforma científica da Sociedade Europeia de Cardiologia, os microrganismos da língua podem ajudar a diagnosticar insuficiência cardíaca.

"As línguas dos pacientes com insuficiência cardíaca crónica parecem totalmente diferentes das de pessoas saudáveis", disse o autor do estudo, Dr. Tianhui Yuan,  do Hospital da Universidade de Medicina Chinesa de Guangzhou. "As línguas normais apresentam um vermelho pálido com um revestimento branco pálido. Pacientes com insuficiência cardíaca têm uma língua mais vermelha com um revestimento amarelo e a aparência muda à medida que a doença se torna mais avançada".

“O nosso estudo descobriu que a composição, quantidade e bactérias dominantes do revestimento da língua diferem entre pacientes com insuficiência cardíaca e pessoas saudáveis”. 

Pesquisas anteriores mostraram que micro-organismos no revestimento da língua poderiam distinguir os pacientes com cancro de pâncreas das pessoas saudáveis. 

Os autores desse estudo propuseram isso como um marcador precoce para diagnosticar o cancro do pâncreas. Como certas bactérias estão ligadas à imunidade, sugeriram que o desequilíbrio microbiano poderia estimular a inflamação e a doença. A inflamação e a resposta imune também desempenham um papel na insuficiência cardíaca. 

Este estudo investigou a composição do microbioma da língua em participantes com e sem insuficiência cardíaca crónica. O estudo envolveu 42 pacientes no hospital com insuficiência cardíaca crónica e 28 controles saudáveis. Nenhum dos participantes apresentava doenças orais, linguais ou dentárias, e não sofreram de infeção do trato respiratório superior na última semana, não usaram antibióticos e imunossupressores na última semana ou estavam grávida ou a amamentar. 

Colheres de aço inoxidável foram usadas para colher amostras do revestimento da língua pela manhã, antes de os participantes terem escovado os dentes ou tomado o pequeno almoço. Uma técnica chamada sequenciamento do gene 16S rRNA foi usada para identificar bactérias nas amostras. 

Os pesquisadores descobriram que pacientes com insuficiência cardíaca compartilhavam os mesmos tipos de micro-organismos no revestimento da língua. Pessoas saudáveis também compartilhavam os mesmos micróbios. Não houve sobreposição no conteúdo bacteriano entre os dois grupos. 

No nível de género, cinco categorias de bactérias distinguiram pacientes com insuficiência cardíaca de pessoas saudáveis com uma área sob a curva (AUC) de 0,84 (onde 1,0 é uma previsão 100% precisa e 0,5 é um achado aleatório). 

Além disso, houve uma tendência de queda nos níveis de Eubacterium e Solobacterium com a insuficiência cardíaca cada vez mais avançada. 

O Dr. Yuan comentou: "São necessárias mais pesquisas, mas os nossos resultados sugerem que os micróbios da língua, que são fáceis de obter, poderiam ajudar na triagem em larga escala, no diagnóstico e na monitorização a longo prazo da insuficiência cardíaca. Os mecanismos subjacentes que conectam os micro-organismos no revestimento da língua com função cardíaca merecem mais estudos".

 

Artigo original Science Daily: www.sciencedaily.com/releases/2020/06/200623100126.htm

Fonte: European Society of Cardiology / Science Daily

Recomendado pelos leitores

De acordo  com uma nova pesquisa os Dentes servem como “arquivo da vida”
ARTIGOS

De acordo com uma nova pesquisa os Dentes servem como “arquivo da vida”

LER MAIS

Alguns meses de “Vaping” colocam pessoas saudáveis em risco de  doença oral
ARTIGOS

Alguns meses de “Vaping” colocam pessoas saudáveis em risco de doença oral

LER MAIS

Desenvolvimento de novo teste COVID-19 à base de saliva que muda de cor com resultados em 45 minutos
ARTIGOS

Desenvolvimento de novo teste COVID-19 à base de saliva que muda de cor com resultados em 45 minutos

LER MAIS

Translate:

OJD 75 JULHO 2020

OJD 75 JULHO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.