JornalDentistry em 2022-10-15

ARTIGOS

Novo dispositivo para deteção precoce da doença das gengivas

Investigadores da Universidade de Birmingham estão a desenvolver um teste rápido para a doença das gengivas

Esperam que a tecnologia - uma sonda para uso em ambientes de cuidados como cirurgias dentárias ou farmácias - desemponte um papel fundamental na deteção precoce de doenças cardíacas ou pulmonares, diabetes tipo 2 e artrite reumatoide.

A doença da gengiva (periodontal) torna-se mais comum com a idade, e 50% das pessoas com 60 anos ou mais  terão doença periodontal em pelo menos uma forma leve.

No entanto, a doença das gengivas não tratadas também tem efeitos abrangentes e graves no resto do corpo, onde se relaciona com uma resposta inflamatória que afeta o curso da doença noutras condições.

Na diabetes tipo 2, aumenta o risco de insuficiência cardíaca, em doenças cardiovasculares aumenta o risco de acidente vascular cerebral ou insuficiência cardíaca, na artrite reumatoide aumenta a gravidade da doença, e no enfisema (também conhecido como doença pulmonar obstrutiva crónica ou DPOC), aumenta o risco de alterações irreversíveis na gravidade da doença.

Para pessoas com estas condições, a deteção precoce e o tratamento da doença das gengivas é uma prioridade.

A doença das gengivas é geralmente identificada pelo médico dentista, quando procuram indicadores como movimento dentário, sensibilidade, hemorragia de gengiva ou inchaço.

O Professor Tim Albrecht da Faculdade de Química da Universidade e a Dr.. Melissa Grant da Faculdade de Medicina Dentária conceberam uma nova técnica que poderia fornecer uma avaliação rápida e precisa da presença e extensão da doença das gengivas a partir de uma amostra de saliva que pode ser tomada em qualquer ambiente de saúde.

O seu método consiste numa sonda especializada e num detetor que fornece uma medição quantitativa de biomarcadores que indicam tanto a presença da doença das gengivas como a sua gravidade. O painel de biomarcadores foi identificado e validado por uma equipa de investigadores do Grupo de Investigação Periodontal da Universidade e publicado no início deste ano no Journal of Clinical Periodontology.

O professor Albrecht diz que "acreditam que o dispositivo que estamos a prototipar será a primeira sonda dentária que pode identificar a doença periodontal desta forma. Irá detetar periodontite de forma rápida e fácil numa variedade de ambientes de cuidados de saúde, abrindo oportunidades de monitorização e intervenção precoce nos doentes com doença comórbida, que mais beneficiariam do tratamento rápido para a periodontite."

O Dr. Grant diz que "a capacidade de detetar e perfilar biomarcadores da doença em tempo real permitirá monitorizar a gravidade da doença, e em particular a transição entre formas mais suaves e mais graves de doença das gengivas. Isto beneficiará não só a saúde dentária, mas também reduzirá os custos e detetará doentes para os quais o tratamento periodontal pode, a longo prazo, ser uma salvação."

A longo prazo, esperam desenvolver uma sonda que seja suficientemente pequena para ser inserida no espaço entre gengivas e dentes, permitindo aos médicos dentistas recolher fluidos de áreas específicas da boca e identificar com precisão o local da infeção.

 

Fonte: MedicalXpress / University of Birmingham

Recomendado pelos leitores

Bebés com lábio leporino suscetíveis de ter idade adulta normal: Estudo
ARTIGOS

Bebés com lábio leporino suscetíveis de ter idade adulta normal: Estudo

LER MAIS

Novas pesquisas mostram que a COVID-19 impacta negativamente a função de memória
ARTIGOS

Novas pesquisas mostram que a COVID-19 impacta negativamente a função de memória

LER MAIS

Leucoplasia: causas, sintomas e tratamento
ARTIGOS

Leucoplasia: causas, sintomas e tratamento

LER MAIS

Translate:

OJD 100 NOVEMBRO 2022

OJD 100 NOVEMBRO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.