O JornalDentistry em 2022-3-25

ARTIGOS

Novo protótipo de equipamento dentário pode detetar as condições ácidas que levam a cáries

Os investigadores demonstraram que um equipamento dentário que criaram pode medir a acidez acumulada pelas bactérias na placa que leva às cavidades.

O médico dentista têm muitas ferramentas e técnicas para parar as cáries, mas detetar as condições químicas específicas que podem levar à sua formação  e, em seguida, impedi-las de se começar a formarr é muito mais difícil. 

O sistema O-pH é um dispositivo ótico protótipo que emite uma luz LED e mede as reações dessa luz, a fluorescência, com um corante químico aprovado pela FDA aplicado nos dentes. O O-pH produz então uma leitura numérica do pH, ou acidez, da placa que cobre esses dentes. Saber o quão ácida é a placa pode dizer aos médicos dentistas  qual a área de um dente em maior risco de desenvolver uma cárie.

A placa tem muitas bactérias que produzem ácido quando interagem com o açúcar na nossa comida", disse Manuja Sharma, autora principal e estudante de doutoramento no Departamento de Engenharia Eletrotécnica e de Computadores da University of Washington. "Este ácido é o que causa a corrosão da superfície do dente e  eventualmente provoca as cáries.

Então, se conseguirmos capturar informação sobre a atividade ácida, podemos ter uma ideia de como as bactérias estão a crescer no biofilme dentário, ou placa."

Sharma explicou que nem todas as bactérias do biofilme são más ou vão provocar cáries, por isso medir a acidez do ambiente pode dizer ao médico dentista o que precisam de saber sobre a ameaça de desenvolver problemas. Isso pode limitar a necessidade de testar bactérias nocivas específicas, das quais pode haver uma multiplicidade.

Para testar o seu dispositivo, os investigadores recrutaram 30 doentes entre os 10 e os 18 anos, com uma idade média de 15 anos, no Centro de Medicina Dentária Pediátrica da University of Washington. Os investigadores escolheram as crianças para o estudo em grande parte porque o esmalte nos dentes das crianças é muito mais fino do que o dos adultos, por isso, alertar precocemente para a erosão ácida é ainda mais importante. Para realizar as medições com o dispositivo O-pH, os investigadores recrutaram também alunos do 2º e 3º ano da escola de medicina dentária, que eram supervisionados por um docente.

O teste não é invasivo. Enquanto o corante é aplicado aos dentes, uma  sonda que transmite e recolhe luz focada sobre a superfície de um dente. A luz recolhida viaja de volta para uma caixa central que fornece uma leitura de pH. As condições nos dentes dos pacientes foram lidas várias vezes antes e depois de bochechar com água e açúcar e outras alterações de condição, tais como limpeza dentária pré e pós-profissional.

Eric Seibel, autor sénior e professor de investigação em engenharia mecânica na Faculdade de Engenharia da University of Washington, disse que a ideia de adicionar o teste de acidez como um novo procedimento clínico veio da visão de que quando um paciente se senta pela primeira vez na cadeira dentária, antes de os seus dentes serem limpos, "um dentista enxaguava-os com a solução de corante fluorescente de mau gosto e depois teria os dentes digitalizados para procurar áreas de produção de ácido elevado onde o esmalte está a ficar desmineralizado.

O estudo foi publicado em fevereiro no IEEE Transactions on Biomedical Engineering. A equipa de investigação informou que há uma limitação no estudo que é ser incapaz de medir consistentemente a mesma localização em cada dente durante cada fase de testes. Para resolver esta limitação, em particular, os investigadores estão a evoluir o seu dispositivo para uma versão que produz imagens para os médicos dentistas que mostram instantaneamente a localização exata de alta acidez, onde a próxima cárie pode ocorrer.

"Precisamos de mais resultados para mostrar o quão eficaz é para o diagnóstico, mas pode definitivamente ajudar-nos a compreender uma parte da  saúde oral quantitativamente", disse Sharma. "Também pode ajudar a educar os pacientes sobre os efeitos do açúcar na química da placa. Podemos mostrar-lhes, ao vivo, o que acontece, e essa é uma experiência que eles se vão lembrar e dizer, ok, tudo bem, eu preciso cortar no açúcar!"

Os coautores incluem Lauren Lee, Departamento de Microbiologia da UW; Matthew Carson, Laboratório de Fotónica Humana da UW; David Park, Se An, Micah Bovenkamp, Jess Cayetano, Ian Berude, Zheng Xu, Alireza Sadr, UW School of Dentistry; e Shwetak Patel, UW Engenharia Eletrotécnica e de Computadores, Paul. Escola G. Allen de Informática. Esta investigação foi financiada pela Fundação Nacional de Ciência, Monitor de Saúde Oral, Instituto de Ciências da Saúde Traducional; e o Centro Nacional de Ciências Traducionais avançados dos Institutos Nacionais de Saúde.

 

Fonte: ScienceDaily / University of Washington

Artigo original ScienceDaily

Recomendado pelos leitores

Cuidados dentários e a diabetes e/ou doença sanguínea coronária
ARTIGOS

Cuidados dentários e a diabetes e/ou doença sanguínea coronária

LER MAIS

Hidratos de carbono e alimentos açucarados podem influenciar má saúde oral
ARTIGOS

Hidratos de carbono e alimentos açucarados podem influenciar má saúde oral

LER MAIS

Usar dentaduras pode afetar a nutrição
ARTIGOS

Usar dentaduras pode afetar a nutrição

LER MAIS

Translate:

OJD 94 ABRIL 2022

OJD 94 ABRIL  2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.