O JornalDentistry em 2022-4-11

ARTIGOS

Novo tratamento combo eficaz para o cancro da cabeça e pescoço (CCP)

Investigadores israelitas ajudaram a desenvolver uma nova combinação de tratamento para pacientes com cancro avançado ou metastático da cabeça e pescoço (CCP).

O tratamento, que usa um fármaco e imunoterapia direcionados seguindo uma determinada sequência e dentro de um período de tempo específico, bloqueia uma via de sinalização que suprime o sistema imunitário e o impede de combater as células tumorais.

A investigação foi conduzida por uma equipa internacional de cientistas liderada por Manu Prasad  tirar doutoramento no laboratório do Prof. Moshe Elkabets da Faculty of Health Sciences at the Ben-Gurion University de Negev. As suas descobertas acabam de ser publicadas no Journal for ImunoTherapy of Cancer, num estudo de co-autoria de investigadores israelitas, chineses, franceses, alemães e norte-americanos.

Os investigadores visaram um tipo agressivo de HNC que é impulsionado pela hiperativação de uma via de sinalização específica que não permitirá que o sistema imunológico mate as células tumorais. Isso foi encontrado em mais de 40 por cento dos casos de CCP.

Os cancros de cabeça e pescoço incluem cancro na laringe (caixa vocal), garganta, lábios, boca, nariz e glândula salivar, ou tumores malignos que surgem do revestimento das regiões da cabeça e pescoço.

Os tratamentos atualmente disponíveis são ineficazes, diz o Prof. Elkabets ao NoCamels. O CCP  desenvolve-se em vários locais numa pessoa e os tratamentos existentes, que incluem quimioterapia, radiação e imunoterapia, têm uma taxa de resposta relativamente baixa de cerca de 20%. A taxa de sobrevivência média para pacientes no estágio III ou IV da doença é de apenas cinco anos, diz Elkabets. Mais ainda, mesmo que os pacientes sejam curados, 50% acabarão por ter recaidas.

Num estudo pré-clínico, os pesquisadores descobriram uma nova combinação de tratamento de Trametinib, um medicamento contra o cancro que traz glóbulos brancos para o local do tumor e  mata-o, e Anti-PD-1, imunoterapia que bloqueia a via de sinalização.

É importante notar que é a combinação de tratamento com Trametinib e imunoterapia que se mostrou eficaz e não apenas um ou o outro.

“O que fizemos foi utilizar a droga que pode inibir a proliferação das células e suprimir esse microambiente imunossupressor. Durante esse período, que é relativamente curto, conseguimos mostrar que, se adicionar imunoterapia, poderá alcançar o objectivo”, diz o Prof. Elkabets.

Essa sensibilização acontece porque o Trametinib, inibe a expansão das células tumorais. Também desregula o fator imunossupressor, o que significa que a célula diminui a quantidade de um componente celular para responder ao estímulo estranho. Este efeito permite que os glóbulos brancos que combatem o cancro atinjam o local do tumor e matem as células tumorais de forma eficiente, juntamente com a imunoterapia Anti-PD1.

Os autores estudaram cobaias portadores de tumores e encontraram nos modelos pré-clínicos de CCP que tratá-los com essa combinação resulta no desaparecimento desses tumores.

O prazo “relativamente curto” segundo o Prof. Elkabets está a ser  referenciado e é de cerca de duas semanas, explicou ao NoCamels.

“O importante é que  precisa fazer isso enquanto o tumor está a responder à terapia direcionada que usamos, e que no nosso caso foi o Trametinib,”, explica ele, “se você esperar um pouco mais, as células tumorais, novamente, organizar o ecossistema e, portanto, não está mais ativo. Há um processo de adaptação que queremos interferir para alcançar.”

Os autores também mostraram pela primeira vez em camundongos portadores de CCP que o tratamento deve ser administrado sequencialmente.

“Isso significa que,ministrar apenas imunoterapia, não funcionará. Se usar apenas o Trametinib e depois de várias semanas iniciar a imunoterapia, não funcionará. Tem uma janela de tempo curta e estreita para aplicar essa suplementação de imunoterapia”, explica o professor.

Quando as cobaias foram tratados  prolongadamente com  Trametinib, os tumores não responderam à imunoterapia.

Os principais resultados estão em vários níveis, acrescenta. “Conseguimos mostrar que, se  aplicar o tratamento certo no momento certo, poderá obter a eliminação do tumor.”

O Prof. Elkabets também diz que os pesquisadores conseguiram mostrar que, depois que cobaias foram curados, realmente desenvolveram imunização contra o tumor.

“Mesmo que fosse injetado novamente, o tumor não crescia”, diz ele.

Este tratamento eficaz foi validado em quatro modelos de cancro de CCP, e a maioria das cobaias foi curada sem doença recorrente. Juntamente com o Dr. Pierre Saintygn de Lyon, os autores também validaram alguns dos achados em pacientes com CCP.

“Nossa capacidade única de gerar modelos pré-clínicos de CCP e investigar novos tratamentos e combinações de tratamentos dá esperança aos pacientes com CCP. Esperamos sinceramente que os oncologistas testem essa combinação de tratamento em pacientes com CCP, pois melhorar a eficácia da imunoterapia é crucial para prolongar a sobrevivência de pacientes com cancro”, disse o professor Elkabets em comunicado da universidade.

O estudo foi conduzido por grupos nacionais e internacionais do Soroka University Medical Center e Barzilai Medical Centers, Memorial Sloan Kettering e Heidelberg Hospital.

 

Fonte: Oral Cancer Foundation / nocamels.com
Autor: Simona Shemer

Artigo OCF

Recomendado pelos leitores

Estudar a ligação entre a doença das gengivas e a doença de Alzheimer
ARTIGOS

Estudar a ligação entre a doença das gengivas e a doença de Alzheimer

LER MAIS

Próteses dentárias de um único molar projetadas por IA
ARTIGOS

Próteses dentárias de um único molar projetadas por IA

LER MAIS

Cancro Oral – Não só para fumadores
ARTIGOS

Cancro Oral – Não só para fumadores

LER MAIS

Translate:

OJD 97 JULHO 2022

OJD 97 JULHO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.