O JornalDentistry em 2021-6-02

ARTIGOS

O Futuro das Terapias e Vacinas COVID-19

Contra todas as probabilidades e quebrando recordes de desenvolvimento, temos agora várias vacinas COVID-19 aprovadas a a serem aplicadas em todo o mundo.

Não há necessidade de vacinas DIY; estas injeções apoiadas pela investigação têm provado repetidamente prevenirem infeções SARS-CoV-2 e a sua propagação. Em maio, na sequência de novos indícios de eficácia em crianças, a FDA aprovou ainda a administração da vacina Pfizer/BioNTech COVID-19 a crianças entre os 12 e os 15 anos. Antes, apenas os maiores de 16 anos poderiam tomar a vacina, mas vacinar mais crianças será a chave para alcançar a imunidade de grupo e acabar com a pandemia.

Com uma perspetiva tão promissora das vacinas disponíveis, em meados de maio, o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) relaxou ainda mais os requisitos para as pessoas totalmente vacinadas. "Se estiver totalmente vacinado, pode começar a fazer as coisas que deixou de fazer por causa da pandemia", disse Rochelle Walensky, diretora do CDC. "Todos nós ansiamos por este momento, voltar a ter a algum senso de normalidade."

Mas mesmo com tão boas notícias, os especialistas preveem que o novo coronavírus ainda vai durar mais tempo do que desejamos. Estão a compará-lo com a gripe espanhola, que por si só persiste hoje na forma de gripe sazonal, que sofre mutações todos os anos e requer novas tomadas de vacina todos os anos. 

No entanto, a pandemia COVID-19 serviu como um alerta para a comunidade científica. Para além das vacinas COVID-19 existentes, centenas estão em desenvolvimento; incluindo dezenas em ensaios de fase 3, o que significa que em breve estarão disponíveis para o público. Também em desenvolvimento estão terapias que podem cobrir estirpes virais que ainda nem estão na natureza; bem como aqueles para tratar pacientes que já sofrem de sintomas COVID-19. Vamos explorar o que nos espera no futuro com as terapias COVID-19. 

 

Alargar o âmbito das vacinas

Enquanto as vacinas COVID-19 que se lançam protegem contra infeções COVID-19, o seu efeito não é para toda a vida. Empresas farmacêuticas como a Pfizer e a Moderna disseram que a investigação indica que as suas vacinas são eficazes  pelo menos 6 meses.

Isto sugere que pode haver necessidade de reforços. "Penso que, quase de certeza, vamos precisar de um reforço dentro de um ano ou mais depois de ter conseguido o primeiro "tiro" porque a durabilidade da proteção contra os coronavírus geralmente não é para toda a vida", disse o Dr. Anthony Fauci. Mas quando exatamente aqueles que tiveram esses "tiros" vão precisar de reforços ainda não foi confirmado.

Se as vacinas atuais podem exigir a combinação de injeções de reforço, outras que estão na forja podem levar as combinações de vacinas para outro nível. A empresa farmacêutica Novavax está a trabalhar numa vacina deste tipo que é eficaz contra a gripe e a COVID-19. Num estudo pré-clínico, concluíram que a sua vacina combinada para provocar "respostas robustas" contra a gripe A e B, bem como contra a SARS-CoV-2. A Novavax espera que os estudos clínicos da vacina combinada comecem até ao final deste ano.

Outra vacina candidata desenvolvida pelo Duke Human Vaccine Institute não só protege contra a SARS-CoV-2, como também abrange vários coronavírus da família SARS. Quando testada em macacos, esta vacina pan-coronavírus protegeu os mamíferos do novo coronavírus e das suas variantes mais preocupantes, bem como contra o vírus SARS que esteve na origem do surto de 2003. Curiosamente, essa vacina também poderia proteger os macacos contra outros coronavírus que circulam em morcegos, mas que não sofreram mutação para infetar os humanos (ainda?).

Claro que, para avaliar adequadamente a proteção que a vacina confere aos seres humanos são necessários mais testes. Mas poderia potencialmente proteger contra novos vírus relacionados com SARS originários de morcegos; mesmo antes de detetá-los a dar o salto para os humanos. A boa notícia é que não há apenas um pan-coronavírus em pesquisa, mas mais de vinte projetos deste tipo.

 

Nova geração de vacinas

O futuro das vacinas COVID-19 não significa apenas mais opções, mas também diferentes modos de administração e armazenamento. Atualmente, as vacinas da Pfizer e Moderna requerem baixas temperaturas para armazenamento. Isto pode revelar-se um desafio para o transporte e até mesmo armazenar em Unidades de Saúde. Mas as vacinas de "próxima geração" em desenvolvimento poderão não ter  a tais obstáculos e ser mantidas e aplicadas em casa.

Por exemplo, a Altimmune está a desenvolver uma vacina COVID-19 que é administrada como um spray nasal. Com a sua ação direta no trato respiratório, poderia reduzir potentemente o risco de transmissão do vírus por aqueles que utilizassem esta vacina.

Outra empresa farmacêutica, a Vaxart, está a trabalhar numa vacina COVID-19 que vem na forma de uma pílula ingerível. Um estudo em fase inicial mostrou que provocou respostas imunitárias contra a SARS-CoV-2.

 

Além da prevenção o tratamento

Mas espera, há mais! A vacinação é, de facto, importante para prevenir a infeção viral e a propagação; mas aqueles que já estão infetados e que sofrem de sintomas debilitantes também requerem tratamento rápido. Mas, como o Dr. Fauci observou, mesmo que agora tenhamos vacinas contra o COVID-19, as terapêuticas diretas são bastante escassas. Por agora, temos confiado principalmente em medidas de apoio, mas isso pode mudar com os progresso à vista.

Uma equipa de investigadores australianos e norte-americanos trabalhou numa terapia antiviral que eliminou 99,9% da carga viral em ratos infetados. "Permite-nos tratar as pessoas que sofrem do vírus que estão muito doentes, ou aquelas que podem estar em risco de serem expostas ao vírus, como as que estão em quarentena do hotel", explicou o investigador principal, o professor Nigel McMillan. "Teriam a certeza de que não sofrerão com a doença em si."

A Pfizer também está a testar uma terapia potencial como formulação oral. A solução de cura doméstica visa parar a replicação do vírus no nosso aparelho respiratório. A droga só foi testada em animais, mas em breve começarão os primeiros testes em humanos.

O Prof. McMillan também espera que a disponibilidade de tal tratamento esteja disponível até 2023. E esta data prevista deve lembrar-nos a todos que as vacinas e as terapias em desenvolvimento precisam de testes adequados para garantir a sua eficácia e segurança. Estes processos levam tempo e devemos continuar a ter em conta as medidas sanitárias para limitar ao máximo a propagação do vírus. "Lembrem-se, este vírus não vai desaparecer - vamos viver com ele para sempre", avisa o Prof. McMillan.

 

Fonte: The Medical Futurist

Autores:  Dr. Bertalan Meskó & Dr. Pranavsingh Dhunnoo

Recomendado pelos leitores

SARS-CoV-2 pode entrar nos pulmões através das gengivas
ARTIGOS

SARS-CoV-2 pode entrar nos pulmões através das gengivas

LER MAIS

Estudo encontra atividade imunológica anti-inflamatória que favorece os tumores do cancro oral
ARTIGOS

Estudo encontra atividade imunológica anti-inflamatória que favorece os tumores do cancro oral

LER MAIS

A perda de dentes pode afetar a capacidade funcional nos idosos
ARTIGOS

A perda de dentes pode afetar a capacidade funcional nos idosos

LER MAIS

Translate:

OJD 85 JUNHO 2021

OJD 85 JUNHO 2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.