O JornalDentistry em 2021-3-23

ARTIGOS

Presença e prevalência de ectasia da glândula salivar e doença oral em sobreviventes de COVID-19

O quadro clínico de COVID-19 em vários órgãos-alvo foi extensivamente estudado e descrito, mas relativamente pouco se sabe sobre as características do envolvimento da cavidade oral.

Imagem de microscópio eletrónico de varredura mostra SARS-CoV-2 (amarelo) Crédito: NIAID-RML

O estudo "Frequent and Persistent Salivary Gland Ectasia and Oral Disease After COVID-19", publicado no Journal of Dental Research (JDR), investigou a presença e prevalência de manifestações orais em sobreviventes de COVID-19.

Pesquisadores da Università Vita Salute San Raffaele, em Milão, Itália, traçaram o perfil do envolvimento oral em 122 sobreviventes do COVID-19, hospitalizados e acompanhados numa única consulta de referência após uma média de 104 dias após a alta hospitalar.

Os pesquisadores descobriram que as manifestações orais, especificamente a ectasia da glândula salivar, eram inesperadamente comuns, sendo detetáveis em 83,9% e 43% dos sobreviventes de COVID-19, respetivamente. As glândulas salivares foram definidas como ectasias quando pareciam inchadas, com ducto pérvio e sem vazamento de pus. A ectasia das glândulas salivares refletiu a resposta hiperinflamatória ao SARS-CoV-2, conforme demonstrado pela relação significativa com os níveis de proteína C reativa e desidrogenase láctica (LDH) na admissão hospitalar e com o uso de antibióticos durante a doença aguda. 

Ambos os níveis de LDH e administração de antibióticos sobreviveram como preditores independentes de ectasia da glândula salivar numa análise multivariável. Anormalidades da articulação temporomandibular, dor facial e fraqueza da musculatura mastigatória também foram comuns. 

"Este estudo de coorte retrospetivo e prospetivo de sobreviventes do COVID-19 revelou que o dano residual da cavidade oral persiste na grande maioria dos pacientes mais gravemente afetados muito além da recuperação clínica", comentou o Editor-Chefe do JDR, Nicholas Jakubovics, da Universidade de Newcastle, Inglaterra. "Isso sugere que a cavidade oral representa um alvo preferencial para a infecção por SARS-CoV-2. Mais estudos são necessários para esclarecer a conexão entre a infeção por SARS-CoV-2 e distúrbios orais."

 

Fonte: MedicalXpress / International & American Associations for Dental Research

Recomendado pelos leitores

Consequências catastróficas do Covid-19 na saúde oral
ARTIGOS

Consequências catastróficas do Covid-19 na saúde oral

LER MAIS

A saúde oral da mulher é afetada pelo ciclo menstrual, açúcar e tabagismo
ARTIGOS

A saúde oral da mulher é afetada pelo ciclo menstrual, açúcar e tabagismo

LER MAIS

A periodontite aumenta o risco de bactérias no sangue doado
ARTIGOS

A periodontite aumenta o risco de bactérias no sangue doado

LER MAIS

Translate:

OJD 83 ABRIL 2021

OJD 83 ABRIL 2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.