O JornalDentistry em 2020-12-12

ARTIGOS

Ranger de dentes e dor facial aumentaram devido ao stresse e ansiedade devido ao covid-19

Estudo da Universidade de Tel Aviv (TAU) descobriu que 50 por cento das mulheres israelitas sofrem de ranger excessivo de dentes e / ou dor nos músculos faciais

De acordo com um novo estudo da Universidade de Tel Aviv (TAU), o  stresse e a ansiedade experimentados pela população em geral durante o primeiro confinamento em Israel causaram um aumento significativo da dor orofacial e  mandíbular, bem como cerramento da mandíbula durante o dia e o ranger de dentes à noite.

A pesquisa também descobriu que as mulheres sofreram mais com esses sintomas do que os homens, e que as pessoas entre os  35 e 55 anos sofreram mais.

"Acreditamos que as nossas descobertas refletem a angústia sentida pelas pessoas, que ficaram confinada em casa com crianças pequenas, sem a ajuda habitual dos avós, enquanto também se preocupava com os seus pais idosos, enfrentando problemas financeiros e muitas vezes obrigados a trabalhar em casa sob condições difíceis", dizem os pesquisadores.

O estudo foi conduzido pelo Dr.Alona Emodi-Perlman e Prof. Ilana Eli da Escola de Medicina Dentária Goldschleger da TAU na Faculdade de Medicina Sackler da TAU. O artigo foi publicado no Journal of Clinical Medicine em  outubro de 2020.

O estudo analisou questionários que avaliaram a presença e possível consequência desses sintomas na população em geral durante o primeiro confinamento COVID-19, devido à emergência nacional e ao aumento dos níveis de ansiedade. O questionário foi respondido por um total de 1.800 entrevistados em Israel e na Polónia.

Durante o primeiro confinamento de Israel, a população em geral exibiu um aumento considerável na dor orofacial, bem como cerramento da mandíbula durante o dia e ranger de dentes à noite - sintomas físicos frequentemente causados ​​por stresse e ansiedade. A prevalência dos sintomas aumentou de cerca de 35% pré-pandemia para 47%; a prevalência de apertar a mandíbula durante o dia aumentou de cerca de 17% para 32%; e ranger de dentes à noite aumentou de cerca de 10% para 36%. Pessoas que sofriam desses sintomas antes da pandemia exibiam um aumento de cerca de 15% na sua gravidade.

Ao todo, foi registado um aumento de 10% a 25%  nesses sintomas, que frequentemente refletem stresse emocional.

Além disso, comparando resultados em Israel com os da Polónia, os pesquisadores descobriram que a probabilidade de DTM e bruxismo era muito maior entre os entrevistados na Polônia.

O estudo foi realizado em colaboração com o Dr. Nir Uziel e o Dr. Efrat Gilon da TAU, e pesquisadores da Universidade de Wroclaw, na Polónia, que examinaram a reação da população polaca à pandemia.

 

Fonte:  Ciencedaily/American Friends of Tel Aviv University

www.sciencedaily.com/releases/2020/11/201116184431.htm

Recomendado pelos leitores

Medicina Dentária e o COVID-19: Análise de engenharia oferece diretrizes para reduzir a exposição
ARTIGOS

Medicina Dentária e o COVID-19: Análise de engenharia oferece diretrizes para reduzir a exposição

LER MAIS

A incrível  variabilidade ​​ de bactérias que vivem na boca
ARTIGOS

A incrível variabilidade ​​ de bactérias que vivem na boca

LER MAIS

Pesquisa sobre a ligação entre as doenças  gengivais e doenças renais
ARTIGOS

Pesquisa sobre a ligação entre as doenças gengivais e doenças renais

LER MAIS

Translate:

OJD 80 JANEIRO 2021

OJD 80 JANEIRO  2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.