JornalDentistry em 2023-12-11

ARTIGOS

Regeneração de tecidos para substituir o tratamento de canal

Para evitar um tratamento de canal radicular, no futuro, poder-se-á optar pela regeneração dos tecidos. Investigadores da ADA Forsyth estão a testar uma nova tecnologia para tratar doenças endodônticas de forma mais eficaz.

O estudo, "RvE1 Promote Axin2+Cell Regeneration and Reduces Bacterial Invasion", publicado no The Journal of Dental Research, demonstra propriedades regenerativas de resolvinas, especificamente Resolvin E1 (RvE1), quando aplicado à polpa dentária. Os resolvins fazem parte de uma classe maior de Mediadores Proresolutivos Especializados (SPMs). Esta classe de moléculas é produzida naturalmente pelo organismo e é requintadamente eficaz no controlo do excesso de inflamação associado à doença.
"A pulpite (inflamação da polpa dentária) é uma doença de saúde oral muito comum que pode se tornar uma condição de saúde grave se não tratada adequadamente", disse o Dr. Thomas Van Dyke, vice-presidente do Centro de Pesquisa Clínica e Translacional da ADA Forsyth e cientista sênior que lidera o estudo. "A terapia de canal (ECR) é eficaz, mas tem alguns problemas, uma vez que você está removendo porções significativas de dentina e o dente seca, levando a um maior risco de fratura no futuro. Nosso objetivo é criar um método para regenerar a polpa, em vez de encher o canal radicular com material inerte."
A inflamação deste tecido é geralmente causada por danos ao dente através de lesões, cáries ou rachaduras, e a infeção resultante pode matar rapidamente a polpa e causar problemas secundários se não for tratada.
O estudo aplicou RvE1 a diferentes níveis de polpa infetada e danificada para explorar as suas capacidades regenerativas e anti-inflamatórias. Houve duas descobertas principais. Primeiro, mostraram que o RvE1 é muito eficaz na promoção da regeneração da polpa quando usado no fechamento direto da polpa vital ou viva (condições replicantes de pulpite reversível). Também foram capazes de identificar o mecanismo específico que suporta a regeneração tecidual.
Em segundo lugar, os cientistas descobriram que colocar RvE1 em polpa exposta e severamente infetada e necrótica não facilitou a regeneração. No entanto, este tratamento diminuiu eficazmente a taxa de infeção e tratou a inflamação, prevenindo as lesões periapicais (abcessos) que normalmente ocorrem com este tipo de infeção. Publicações anteriores mostraram que, se o canal radicular infetado for limpo antes do tratamento com RvE1, ocorre regeneração da polpa.
Embora este estudo se tenha focado nesta tecnologia no tratamento da doença endodôntica, o potencial impacto terapêutico é de longo alcance. O Dr. Van Dyke explicou, "porque a aplicação de RvE1 na polpa dentária promove a formação do tipo de células estaminais que podem diferenciar-se em dentina (dente), osso, cartilagem ou gordura, esta tecnologia tem um enorme potencial para o campo da medicina regenerativa para além dos tecidos nos dentes. Pode ser usado para cultivar ossos em outras partes do corpo, por exemplo."
Os autores do estudo incluem Yu-Chiao Wu, Ning Yu, Carla Alvarez Rivas, Nika Mehrnia e Alpdogan Kantarci.
 
 
Fonte: Forsyth Institute / MedicalXpress

Recomendado pelos leitores

O Regime Jurídico aplicável à publicidade na medicina dentária
ARTIGOS

O Regime Jurídico aplicável à publicidade na medicina dentária

LER MAIS

Diretrizes para  Medicina Dentária  sobre antibióticos
ARTIGOS

Diretrizes para Medicina Dentária sobre antibióticos

LER MAIS

App projetada para orientação passo a passo em caso de emergência para equipes de medicina dentária
ARTIGOS

App projetada para orientação passo a passo em caso de emergência para equipes de medicina dentária

LER MAIS

Translate:

OJD 115 MARÇO 2024

OJD 115  MARÇO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.