O JornalDentistry em 2021-2-02

ARTIGOS

Rumo à deteção precoce dos cancros orais

Conforme a população envelhece, o diagnóstico de cancro oral está a aumentar. Globalmente, este cancro devastador afeta 750.000 pessoas e tem uma taxa de mortalidade a cinco anos de aproximadamente 50 por cento se não for detetado e tratado precocemente.

Com o endomicroscópio a laser confocal portátil (CLE), o tecido pode ser visualizado em 3D com aumento de 1.000 vezes.

A natureza insidiosa do cancro oral  significa que muitas vezes é detetado num estágio posterior; cerca de metade das pessoas que são diagnosticadas com cancro oral  têm grandes tumores, mas o cancro oral  costuma ser indolor e invisível.

Um outro desafio são as ferramentas limitadas para detetar e monitorar possíveis cancros orais  e lesões de pele ao longo do tempo; isso força os médicos a remover lesões suspeitas por biópsia e avaliar a patologia. Um novo projeto de pesquisa visa identificar indivíduos com probabilidade de desenvolver cancro oral, sem biópsias invasivas.

A Melbourne University Dental School  fez uma parceria com a empresa  OptiScan, para melhorar o rastreio e o diagnóstico precoce do cancro oral.

O projeto é liderado pele equipe na Escola da Melbourne University Dental School e usa o endomicroscópio a laser confocal (CLE) de última geração da Optiscan. 

Conhecido como InVivage ™, o microscópio portátil usa luz laser e óptica confocal para realizar “biópsias digitais” sem dor.

 

 

A TECNOLOGIA DE DETEÇÃO DE CANCRO

O cancro oral pode ter um impacto devastador na vida de uma pessoa - remover o cancro da boca e da língua pode afetar a fala de uma pessoa, sua capacidade de engolir e comer e a sua autoestima.

O que queremos verificar por meio de nosso ensaio é como podemos usar a tecnologia OptiScan para ver microscopicamente as células tumorais na nossa clínica, ajudando-nos a avaliar o tecido e determinar se uma biópsia ou cirurgia é necessária naquele momento.

Embora 95 por cento das lesões que vemos não sejam cancerosas, sem uma biópsia, que pode ser dolorosa e invasiva, é muito difícil determinar quais lesões são cancerosas ou não. Quanto mais cedo o diagnóstico puder ser feito e quanto menos tecido tivermos de remover, melhor para o paciente.

Os cancros orais costumam ser precedidos por mudanças na aparência, como a cor e a espessura da pele da boca. Essas alterações são consideradas como tendo o potencial de desenvolver um cancro oral e afetam até uma em cada 20 pessoas. No entanto, apenas cerca de três a cinco por cento das pessoas com essas alterações desenvolverão cancro oral.

Uma vez que uma amostra de biópsia é coletada, ela é avaliada por um patologista para ver se há algum cancro presente.

Às vezes, há mudanças na forma como a pele está a crescer, as chamadas de displasia, o que nos diz que pode haver um risco maior de desenvolvimento de cancro no futuro. Ainda assim, esta avaliação é um preditor limitado e só pode ser feita no pequeno pedaço de pele que foi analisado. 

O endoscópio a laser confocal OptiScan permite a visualização microscópica da pele oral em tempo real. 

 

MAPEANDO A BOCA

Com o endomicroscópio a laser confocal portátil (CLE), o tecido pode ser visualizado em 3D com aumento de 1.000 vezes.

Isso poderá permitir-nos diagnosticar o tecido canceroso em tempo real, reduzindo ou eliminando a necessidade de fazer uma ou mais biópsias e enviá-las a um laboratório para análise.

Além de testar o CLE, nosso projeto também visa desenvolver um software para registar de forma abrangente um mapa anotado da boca do paciente com Optiscan, bem como com nosso outro parceiro de projeto, MoleMap. Isso significa que poderíamos comparar o mapa da boca de um paciente na próxima consulta, para avaliar quaisquer alterações. Também podemos usar marcadores especiais que mostram todas as células da superfície da pele ou outros que apenas se ligam a moléculas que são encontradas mais commumente no cancro, identificando potenciais "pontos quentes" de crescimento da pele.

O nosso projeto Mouthmap ™ mais amplo permitirá uma coleção detalhada de uma grande quantidade de dados para comparar esta nova tecnologia CLE ao diagnóstico usando microscopia de luz padrão; isso tem o potencial de estabelecer um novo padrão de diagnóstico e permitir o avanço da aprendizagem humana  baseada em algoritmos de computador.

 

AS PRÓXIMAS ETAPAS

Nossa pesquisa visa fornecer uma base sólida para avançar em direção a ensaios clínicos e recomendações para mudanças no padrão de atendimento.

Os participantes deste estudo clínico serão recrutados por convite no nosso principal centro de referência de pré-cancro oral, conectado a centros comunitários regionais, Nosso objetivo é que essa tecnologia ajude a reduzir a necessidade de biópsia invasivas no futuro, permitindo uma avaliação mais abrangente das alterações da pele na boca e deteção precoce do cancro oral.

 

Fonte: Oral Cancer Foundation /  pursuit.unimelb.edu.au

Autores: Dra. Tami Yap e Professor Michael McCullough, da Universidade de Melbourne

Artigo original:https://oralcancernews.org/wp/towards-the-early-detection-of-oral-cancers/

Recomendado pelos leitores

Doença gengival associada a complicações COVID-19
ARTIGOS

Doença gengival associada a complicações COVID-19

LER MAIS

O Tabaco e a sua influência nas doenças Periodontais, Perioimplantares e Implantes  Dentários
ARTIGOS

O Tabaco e a sua influência nas doenças Periodontais, Perioimplantares e Implantes Dentários

LER MAIS

SARS-CoV-2 :  Porque é que os vírus sofrem mutação?
ARTIGOS

SARS-CoV-2 : Porque é que os vírus sofrem mutação?

LER MAIS

Translate:

OJD 81 FEVEREIRO 2021

OJD 81 FEVEREIRO  2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.