JornalDentistry em 2023-5-27

NOTÍCIAS

A medicina dentária poderá vir a liderar a revolução da IA na área da saúde

Na curta história da inteligência artificial (IA) na área da saúde, abriu um caminho brilhante em áreas como oncologia, cardiologia, pneumologia, e na base de tudo isso está a radiologia.

A adoção clínica da inteligência artificial pelos radiologistas tem sido rápida em comparação com a medicina dentária. De acordo com o Colégio Americano de Radiologia, cerca de 30% dos radiologistas já trabalham com IA, e o seu uso no campo está crescer. O hospital Mass General Brigham desenvolveu algoritmos que podem detetar aneurismas da aorta abdominal. Investigadores de Harvard desenvolveram IA que deteta doenças em radiografias de tórax, usando descrições em linguagem natural em relatórios clínicos, podendo fazê-lo com a mesma precisão que especialistas humanos.

"Nos próximos 10 a 15 anos, veremos mais modelos  tornarem-se amplamente disponíveis e adotados, com os radiologistas a praticarem com 20 a 40 algoritmos cada, dependendo das suas subespecialidades", prevê Keith Dreyer, DO, PhD, diretor de ciência de dados e vice-presidente de radiologia do sistema de saúde Mass General Brigham.

É claro que, até lá, a medicina dentária terá feito o trabalho de trazer o diagnóstico de IA para o mainstream. Os médicos dentistas podem estar atrasados na adoção, mas estão a adaptar-se rapidamente e a trazer as inovações para a linha de frente do atendimento ao paciente. Com o tempo, é a medicina dentária que tornará a IA omnipresente nos cuidados de saúde.

Encontros de IA do tipo quotidiano

Se a IA que deteta um tumor cerebral maligno faz manchetes, a inteligência artificial que detetar uma cárie no dente 17 nem será notícia. Mas, de acordo com o CDC, 90% dos americanos com 20 anos ou mais tiveram, pelo menos, uma cárie dentária na vida (25% têm uma agora). No entanto, menos de 1% desenvolverá tumores cerebrais.

Poucas pessoas encontrarão a inteligência artificial dentro dos limites da medicina tradicional. Os médicos não encaminham os seus pacientes para raios-x ou exames até que haja motivo para preocupação. A  IA é chamada para apoiar diagnósticos de vida ou morte. Por exemplo, de acordo com o CDC, nos EUA, cerca 65% dos adultos (cerca de 136 milhões de pessoas) visitam o médico dentista todos os anos, e têm uma probabilidade muito maior de utilizarem um software de diagnóstico baseado em IA enquanto estão sentados na cadeira do seu médico dentista.

Em segundo lugar, a compra de ferramentas de IA dentro de sistemas médicos está sujeita a longas revisões de painéis, solicitações de proposta e avaliações de fornecedores. A burocracia dificulta a adoção de ferramentas IA quotidianas pelos médicos. Enquanto isso, os proprietários de clínicas dentárias só precisam de se consultar a si mesmos ou aos seus parceiros para decidir se devem experimentar um software alimentado por IA.

Cada vez mais, médicos dentistas estão a optar por fazê-lo. Essa escolha fará da medicina dentária a área em que a inteligência artificial será mais omnipresente.

Fonte: DE

Recomendado pelos leitores

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa lidera na investigação científica portuguesa
NOTÍCIAS

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa lidera na investigação científica portuguesa

LER MAIS

Ana Sofia Lopes instaura Ação Administrativa de Contencioso Eleitoral contra a Ordem dos Médicos Dentistas
NOTÍCIAS

Ana Sofia Lopes instaura Ação Administrativa de Contencioso Eleitoral contra a Ordem dos Médicos Dentistas

LER MAIS

A FDI (World Dental Federation) defende a saúde oral na 77ª Assembleia Mundial da Saúde em Genebra
NOTÍCIAS

A FDI (World Dental Federation) defende a saúde oral na 77ª Assembleia Mundial da Saúde em Genebra

LER MAIS

Translate:

OJD 117 MAIO 2024

OJD 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.