JornalDentistry em 2022-11-17

NOTÍCIAS

Doenças da boca atingem quase metade das pessoas do mundo: OMS

Dentes estragados, gengivas inchadas e cancros orais: quase metade da população mundial sofre de doenças da boca, informou esta quinta-feira a Organização Mundial de Saúde.

Um novo relatório destacou as desigualdades gritantes no acesso aos serviços de saúde oral, dizendo que afetou gravemente as populações mais vulneráveis e desfavorecidas.

"A saúde oral tem sido 

negligenciada na saúde global", disse o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, insistindo que "muitas doenças orais podem ser prevenidas e tratadas com as medidas rentáveis".

A agência de saúde da ONU descobriu que 45% da população global, ou cerca de 3,5 mil milhões de pessoas, estão a lutar contra a cárie dentária,  doença das gengivas e outras doenças orais.

O relatório, o primeiro quadro abrangente da situação em 194 países, concluiu que os casos globais aumentaram mil milhões nos últimos 30 anos.

A OMS disse que esta era "uma indicação clara de que muitas pessoas não têm acesso à prevenção e tratamento de doenças orais".

As doenças mais comuns são a cárie dentária, , a doença das gengivas severas, a perda de dentes e os cancros orais.

A cárie dentária não tratada é a condição mais comum, afetando cerca de 2,5 mil milhões de pessoas em todo o mundo.

Estima-se que a doença das gengivas graves, que é uma das principais causas da perda total dos dentes, afete cerca de mil milhões de pessoas.

E cerca de 380.000 novos casos de cancros orais são diagnosticados todos os anos, diz a OMS.

Desigualdades gritantes

Três quartos das pessoas que sofrem de doenças orais vivem em países de baixo e médio rendimento, segundo o relatório.

E em todos os países, as pessoas com baixos rendimentos, os deficientes, os idosos que vivem sozinhos ou em lares , aqueles que vivem em comunidades remotas e rurais, ou grupos minoritários carregam um fardo maior de doenças orais, disse.

Estes padrões são os mesmos encontrados para outras doenças não transmissíveis, como cancros, doenças cardiovasculares e diabetes, disse a OMS.

Os fatores de risco são também semelhantes, com o consumo elevado de açúcar, o consumo de tabaco e o abuso de álcool a cobrarem o seu preço.

O relatório de quinta-feira chamou a atenção para as barreiras à prestação de serviços de saúde oral adequados, incluindo visitas ao médicodentista, que muitas vezes exigem despesas elevadas.

Isto pode levar a "custos catastróficos e encargos financeiros significativos para as famílias e comunidades", afirmou a OMS.

Ao mesmo tempo, a dependência de fornecedores altamente especializados e equipamentos de alta tecnologia tornam estes serviços inacessíveis a muitos.

Informação e vigilância inadequadas também significam que muitas pessoas vão demasiado longe antes de procurarem ou receberem tratamento.

A OMS apresentou uma longa lista de propostas para resolver o problema, incluindo a apelo para que os países incluam serviços de saúde oral nos seus sistemas de cuidados de saúde primários.

 

Fonte: OMS / Medical Xpress

Recomendado pelos leitores

Relatório Global sobre o Status da Saúde Oral da OMS
NOTÍCIAS

Relatório Global sobre o Status da Saúde Oral da OMS

LER MAIS

Declaração doTAG-VE da OMS sobre sublinhagens Omicron BQ.1 e XBB
NOTÍCIAS

Declaração doTAG-VE da OMS sobre sublinhagens Omicron BQ.1 e XBB

LER MAIS

Resistência antimicrobiana
NOTÍCIAS

Resistência antimicrobiana

LER MAIS

Translate:

OJD 100 NOVEMBRO 2022

OJD 100 NOVEMBRO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.