O em 2022-9-10

NOTÍCIAS

Estudo da Lancet sugere que os Sintomas de COVID Longo afetam uma em cada oito pessoas,

Uma em cada oito pessoas que tiveram coronavírus desenvolve pelo menos um sintoma de COVID Longo, conclusões de um dos estudos mais abrangentes sobre a condição realizado até agora realizado recentemente.

Com mais de 500 milhões de casos de coronavírus registados em todo o mundo desde o início da pandemia, tem havido uma preocupação crescente com os sintomas duradouros observados em pessoas com COVID Longo.

No entanto, quase nenhuma das pesquisas existentes comparou os doentes com COVID com pessoas que nunca foram infetadas, o que torna possível que alguns dos problemas de saúde não tenham sido causados pelo vírus.

Um novo estudo publicado na revista The Lancet pediu a mais de 76.400 adultos na Holanda que preenchessem um questionário online sobre 23 sintomas comuns do COVID.

Entre março de 2020 e agosto de 2021, cada participante preencheu o questionário 24 vezes.

Durante esse período, mais de 4.200 deles - 5,5 por cento - reportaram terem contraído  COVID.

Dos que têm COVID, mais de 21 por cento tiveram pelo menos um sintoma novo ou severamente aumentado três a cinco meses após ter sido infetado.

No entanto, quase nove por cento de um grupo de controlo que não teve COVID reportou um aumento semelhante.

Isto sugeriu que 12,7 por cento dos que tinham COVID - cerca de um em cada oito - sofriam de sintomas a longo prazo, diz o estudo.

A pesquisa também registou sintomas antes e depois da infeção do COVID, permitindo que os investigadores identificassem exatamente o que estava relacionado com o vírus.

Descobriu que os sintomas comuns do COVID Longo incluem dor no peito, dificuldades respiratórias, dor muscular, perda de sabor e olfato, e fadiga geral.

'Grande avanço'

Um dos autores do estudo, Aranka Ballering, da Universidade Holandesa de Groningen, disse que o COVID Longo é "um problema urgente com um custo humano crescente".

"Olhando para os sintomas de um grupo de controlo não infetado e em indivíduos antes e depois da infeção SARS-CoV-2, conseguimos explicar os sintomas que podem ter sido resultado de aspetos de saúde não infeciosas da pandemia, como o stress causado por restrições e incertezas", disse.

Os autores do estudo disseram que as suas limitações incluíam que não cobria variantes posteriores, como Delta ou Omicron, e não recolheu informações sobre alguns sintomas, como nevoeiro cerebral, que desde então foram considerados um sinal comum do COVID Longo.

Outra autora do estudo, Judith Rosmalen, disse que "a investigação futura deve incluir sintomas de saúde mental" como depressão e ansiedade, bem como aspetos como nevoeiro cerebral, insónia e sentimento de mal-estar após mesmo um pequeno esforço.

Christopher Brightling e Rachael Evans, especialistas da Universidade de Leicester da Grã-Bretanha que não estiveram envolvidos no estudo, disseram que foi "um grande avanço" na investigação anterior ao COVID porque tinha um grupo de controlo não infetado.

“Dados emergentes de outros estudos" sugerem que há uma taxa mais baixa de COVID Longo em pessoas que foram vacinadas ou infetadas com a variante Omicron, disseram num comentário ligado à Lancet.

 

Fonte: The Lancet journal

Recomendado pelos leitores

Remédios naturais para  boca seca (Xerostomia)
NOTÍCIAS

Remédios naturais para boca seca (Xerostomia)

LER MAIS

A CleanImplant Foundation presente no Congresso EAO em Genebra
NOTÍCIAS

A CleanImplant Foundation presente no Congresso EAO em Genebra

LER MAIS

A formação de novos voluntários da Mundo A Sorrir está de volta!
NOTÍCIAS

A formação de novos voluntários da Mundo A Sorrir está de volta!

LER MAIS

Translate:

OJD 98 SETEMBRO 2022

OJD 98 SETEMBRO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.