O JornalDentistry em 2017-12-04

NOTÍCIAS

Estudo “O Impacto do Envelhecimento nas Pessoas com VIH – Perspetivas Presentes e Desafios Futuros”

Dentro de 20 anos, em Portugal, 80% dos doentes com VIH terão mais de 50 anos. Uma das consequências diretas é o aumento das doenças próprias da idade, com uma taxa de incidência muito superior à da população geral.

O Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência (CEMBE) da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (UL) e o Centro de Estudos Avançados da Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais da Universidade Católica Portuguesa (FEUCP) apresentaram, com o apoio da Gilead e no âmbito das comemorações do Dia Mundial de Luta Contra a SIDA, um estudo que teve como objetivo avaliar o impacto do envelhecimento nas pessoas infetadas por VIH nos próximos 20 anos, realizando uma caracterização epidemiológica e estimativa dos impactos do envelhecimento nos níveis de saúde e na morbilidade e mortalidade desta população propondo iniciativas para uma melhor gestão da doença.

António Vaz Carneiro, coordenador e um dos autores do estudo “O Impacto do Envelhecimento nas Pessoas com VIH – Perspetivas Presentes e Desafios Futuros”, explica que “de acordo com as conclusões do estudo, têm-se vindo a registar tendências crescentes na prevalência do VIH entre pessoas com idade igual ou superior a 50 anos: uma realidade confirmada pelos resultados de estudos realizados recentemente que mostram que em todo o mundo, mais de 4.2 milhões de pessoas infetadas pelo VIH (PVIH) têm mais de 50 anos de idade, e 26% do total terá mais de 70 anos”.

“Em Portugal, estimativas da evolução da prevalência por grupo etário revelam um cenário preocupante: segundo o modelo que utilizámos, a proporção de PVIH com 50 e mais anos de idade aumentará dramaticamente ao longo dos próximos anos de 39% em 2015, para cerca de 80% em 2037. Ao contrário do que acontecia nos primeiros anos da pandemia, a população mais jovem registará dentro de 20 anos uma prevalência reduzida, com o grupo de indivíduos até 29 anos a representarem apenas 2% do número total e o dos da faixa etária entre os 30 e os 49 anos de idade, 18%”, conclui. 

VIH: de doença fatal a doença crónica

Com a disponibilização de novos e mais eficazes medicamentos antirretrovíricos, a infeção por VIH deixou de ser uma condição fatal para passar a ser uma doença crónica, permitindo aos doentes uma esperança média de vida praticamente equiparada à da população em geral. A taxa de mortalidade das PVIH diminuiu drasticamente nos últimos anos, particularmente nos países desenvolvidos.

A par com o aumento da esperança de vida das PVIH, aumentam também as comorbilidades presentes na população em geral, só que em formas mais agravadas. “Envelhecem como o resto da população, desenvolvendo as mesmas comorbilidades que marcam a nossa população idosa, com uma agravante: não só surgem mais cedo como há um aumento significativo do risco dessas comorbilidades relacionadas com a idade nas PVIH, incluindo doença cardiovascular, doença neurocognitiva grave, doença renal crónica, doença hepática crónica e fraturas osteoporóticas”, aponta Vaz Carneiro.

Em alguns casos, as estimativas situam-se muito acima daquilo que poderia colher razoabilidade clínica. É o caso da osteoporose, cuja prevalência nas mulheres com VIH era, em 2015, de 16.5% e que dentro de 20 anos aumentará mais de 150%, para 40.8%. No mesmo patamar estão os acidentes cerebrovasculares, que aumentarão, nos homens de 80 para 222 eventos/ano em duas décadas e nas mulheres, de 25 para 61 eventos/ano, o que corresponde a um crescimento da sua incidência superior a 160%.

O envelhecimento das PVIH também acarreta riscos acrescidos no que respeita às doenças oncológicas. De acordo com os estudos analisados, o número de novos casos de carcinoma anal em PVIH irá aumentar entre 2015 e 2037 de 6 para 15 casos/ano nos homens e de 3 para 8 casos/ano nas mulheres, que corresponde a uma taxa de crescimento em número absoluto de casos nos próximos 20 anos de cerca de 250%.

O linfoma não-Hodgkin é a única comorbilidade oncológica que apresenta uma tendência decrescente no horizonte temporal avaliado. Uma situação explicada com o facto de esta condição apresentar maior incidência em grupos etários mais jovens, pelo que com o envelhecimento previsto da população infetada, a incidência apresentará, naturalmente, uma tendência decrescente.

Desafios para o futuro

Esta verdadeira revolução epidemiológica suscita questões relevantes, que as autoridades e a sociedade no seu todo terão que equacionar. O problema, conclui o estudo, é que o sistema de Saúde não está preparado - nem existem sinais de que o esteja a ser – para fazer face aos desafios que se apresentam nesta população particular. É necessário que se opere uma transformação no sistema. 

O estudo sustenta a ideia de que temos que organizar os serviços de saúde a prestar às PVIH, mais velhas ou mais novas, o que irá requerer atenção e especialização em múltiplos domínios do sistema de saúde e seus responsáveis. Isto porque, refere Vaz Carneiro, “o local natural para tratar de doenças crónicas, riscos de saúde, e aumento de incidência de doença são os Cuidados de Saúde Primários e não os hospitais como hoje acontece relativamente às pessoas com infeção por VIH/SIDA”. 

“A somar a tudo isto, verificar-se-á, nestes doentes, uma menor qualidade de vida e o isolamento social por estigma, que algumas das PVIH apresentam, o que condiciona o seu apoio regular. Sem suportes sociais funcionais a partir dos quais se possam obter cuidados e assistência, esta população buscará apoios mais formais num período de reduzidos recursos económicos”. Desta forma, conclui o investigador, “estes doentes serão relegados em idades precoces para serviços de cuidados de saúde domiciliários onerosos, assim como para cuidados continuados comunitários”

Mais informações:  www.wisdom.com.pt.   —   www.liftworld.net

Recomendado pelos leitores

Terapia Fotodinâmica: a luz para uma nova era no tratamento de infeções dentárias
NOTÍCIAS

Terapia Fotodinâmica: a luz para uma nova era no tratamento de infeções dentárias

LER MAIS

Secretário de Estado Adjunto e da Saúde preside ao início das comemorações dos 20 anos da Ordem dos Médicos Dentistas
NOTÍCIAS

Secretário de Estado Adjunto e da Saúde preside ao início das comemorações dos 20 anos da Ordem dos Médicos Dentistas

LER MAIS

Ordem dos Médicos Dentistas apresenta novo site
NOTÍCIAS

Ordem dos Médicos Dentistas apresenta novo site

LER MAIS

Translate:

OJD 51 MAIO de 2018

OJD 51 MAIO de 2018

VER EDIÇÕES ANTERIORES