O JornalDentistry em 2018-7-03

NOTÍCIAS

Nova esperança no tratamento do cancro

O Comité de Medicamentos de Uso Humano (CHMP) da Agência Europeia do Medicamento (EMA) concede opinião positiva para a introdução da Terapia Celular na União Europeia

O Comité de Medicamentos de Uso Humano (CHMP) da Agência Europeia do Medicamento (EMA) concedeu no passado dia 29 de junho opinião positiva para uma nova abordagem terapêutica, iniciando assim o caminho para a introdução da terapia celular com células CAR-T no tratamento do linfoma difuso de grandes células B na União Europeia.  Esta abordagem pertence a uma nova geração de imunoterapias personalizadas para o tratamento de doenças hemato-oncológicas. 

A terapia celular que agora recebeu parecer positivo é uma imunoterapia que modifica as células T do sistema imunitário do próprio doente, para que estas reconheçam e ataquem as células tumorais. Esta terapia tem o potencial de induzir respostas completas (sem cancro detetável) nos doentes com linfoma difuso de grandes células B[1]. Esta abordagem terapêutica inovadora integrou o programa PRIME (Medicamentos Prioritários) da EMA em 2016.

A opinião positiva do CHMP foi concedida no seguimento da revisão pelos reguladores da União Europeia incluindo o Comité de Terapias Avançadas. A recomendação vai ser analisada pela Comissão Europeia, a qual tem competência para aprovação de medicamentos a utilizar nos 28 países da UE, Noruega, Islândia e Liechtenstein.

Este parecer positivo da CHMP é um passo muito importante para os doentes na União Europeia que vivem com linfoma difuso de grandes células B refratário ou em recidiva após duas ou mais linhas de tratamento, os quais, até hoje, tinham poucas ou nenhumas opções de tratamento eficazes e que, agora, esperam beneficiar deste tratamento inovador o mais rapidamente possível.

Os linfomas difusos de grandes células B são a forma mais comum dos linfomas não-Hodgkin agressivos[2] e representam uma doença com elevada necessidade médica não satisfeita. Estes doentes refratários ou em recidiva após duas ou mais linhas de tratamento[3]  têm um mau prognóstico e uma esperança mediana de vida de 6 meses[4]. Estima-se que em 2018 existam na União Europeia 7.700 doentes cuja elegibilidade para a terapia celular com células CAR-T pode agora ser avaliada.

 

[1] Leukaemia & Lymphoma Society (LLS). Chimeric antigen receptor (CAR) T cell therapy: Facts. 2016. Available at: https://www.lls.org/sites/default/files/National/USA/Pdf/Publications/FSHP1_HCP_CART_Facts.pdf Accessed June 2018.

[2] Lymphoma Research Foundation (LRF). Diffuse Large B-Cell Lymphoma (DLBCL). 2016. Available at: http://www.lymphoma.org/site/pp.asp?c=bkLTKaOQLmK8E&b=6300153. Accessed June 2018.

[3] Gheorghe D, Ayodele L, Zhang N. Non-Hodgkin's Lymphoma and Chronic Lymphocytic Leukemia, Disease Landscape & Forecast. Decisions Resources Group. Published November 2016.

[4] Crump M. et al, Outcomes in refractory diffuse large B-cell lymphoma: results from the international SCHOLAR-1 study. Blood. 2017. 130(16): 1800–1808.

 


 

Recomendado pelos leitores

O Futuro da medicina dentária é digital - Antevisão das palestras de Paulo Kano
NOTÍCIAS

O Futuro da medicina dentária é digital - Antevisão das palestras de Paulo Kano

LER MAIS

Presidência da República renova o Alto Patrocínio ao Congresso da Ordem dos Médicos Dentistas
NOTÍCIAS

Presidência da República renova o Alto Patrocínio ao Congresso da Ordem dos Médicos Dentistas

LER MAIS

Empresas têm menos de seis meses para adotar faturação eletrónica com a Administração Pública
NOTÍCIAS

Empresas têm menos de seis meses para adotar faturação eletrónica com a Administração Pública

LER MAIS

Translate:

OJD 53 JULHO de 2018

OJD 53 JULHO de 2018

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.